Páginas

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Peregrinação da Imagem de Nossa Senhora da Luz - Guarabira - PB


Tema: Maria, reflexo da Família Cristã

Caros irmãos e irmãs,
Preparando – nos para celebrar o Novenário  de Nossa Senhora da Luz, a Imagem da Padroeira sairá entre os dias 08 e 22 de janeiro de 2014, em Peregrinação pelas Paróquias da Cidade e nas repartições públicas, para lembrar a Mãe que visita seus filhos, em vista do seguimento a Jesus Cristo, o Senhor.

Peregrinação seguira o roteiro:

Dia
Hora
Local
Grupo Responsável
 
08/jan
9h
AMECC
Nª. Srª. das Graças
09/jan
9h
Talita
Shalon do Pai
10/jan
8h às 10h
TRT
Infância Missionária
10h às 12h
FORUM
11/jan
9h
Albergue São Vicente
EJC
12/jan
8h
Memória
EJC
13/jan
8h às 16h
4° BPM
Infância Missionária
10h às 12h
3° BBM
Boa Nova
14/jan
8h às 12h
INSS
ECC
15/jan
8h às 12h
Prefeitura Municipal
Nª. Srª. das Graças
16/jan
8h às 12h
Presídio Central
Pastoral Carcerária
14h às 16h
Presídio João Bosco Carneiro
Pastoral Carcerária
17h
9h
Hospitais
Apostolado da Oração/ Mãe Rainha/ Ministros da Comunhão  
18 e 19/jan
9h
Paróquia Nª. Srª. de Guadalupe  
Pe. Romildo e paroquianos
20/jan
9h
Paróquia SSma. Trindade
PE. Paulo Roberto e paroquianos
21/jan
9h
Paróquia Santo Antônio
Frades Capuchinhos e paroquianos
22/jan
9h
Área Past. Jesus Ressuscitado
Pe. Marinaldo e paroquianos
23/jan
19h – Celebração de Abertura da Novena – Catedral  


Obs: Dia 23/jan, a Área Past. Jesus Ressuscitado entregara a Imagem de Nossa Senhora da Luz, na Catedral, para abertura do Novenário.  

sábado, 28 de dezembro de 2013

Dom Lucena visitou o Pe. José Rodrigues Fidélis


Na última quinta-feira, 26 de dezembro de 2013, Dom Lucena, juntamente a Mons. José André, Pe. Adauto Tavares e o Pe. Vandilson, fizeram uma visita ao Pe. José Rodrigues Fidélis em sua casa, no sítio Cabaças, pertencente ao Município de Algodão de Jandaíra.     
 







quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Diocese de Guarabira


Feliz 2014


Reunião dos Coordenadores Paroquiais da Pastoral da Criança

Cúria Diocesana

No dia 23 de dezembro de 2013, na Cúria Diocesana, a Pastoral da Criança reuniu os coordenadores dos diversos Ramos (Paróquias) existentes na Diocese de Guarabira.
A reunião iniciou com um momento de Mística Natalina, ministrado por: Ir. Kátia, membro da equipe de coordenação diocesana.
Dando continuidade, a Ir. Maria de Lourdes Silvestre (Ir. Lourdinha) agradeceu aos coordenadores que, durante o ano de 2013, deram sua contribuição, colocando seus dons a serviço da vida. Na oportunidade, a Ir. Irma também externou seus sentimentos de gratidão pelo trabalho realizado por todos os que abraçam a missão da Pastoral da Criança presente na Diocese de Guarabira.

A reunião foi culminada com uma confraternização natalina.

Círculos Bíblicos

        

A  Pascom Diocesana, através da Equipe de Comunidades, estará disponibilizando, todos os meses, os Círculos Bíblicos para as comunidades, conforme sugestão durante a 10ª Assembleia Diocesana de Pastoral, ocorrida nos dias 18 e 19 de novembro de 2011. O mesmo material, já vem sendo publicado, há alguns meses, no Jornal "A Luz".


52 - Círculo Bíblico - JULHO 2015

            1- CÍRCULO

NA COMUNIDADE DE COMUNIDADES JESUS NOS CHAMA.

A PRÁTICA LIBERTADORA DE JESUS REVELA O ROSTO DE DEUS (MC. 6,1-6)

ACOLHIDA

1- Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
2- Canto inicial
3-Invocar a luz do Espírito Santo
1- Olhar de perto as coisas da nossa vida
   No tempo de Jesus, vários movimentos de renovação buscavam uma nova maneira de viver em comunidade. Esses movimentos tinham também seus Missionários (cf. MT. 23,15). Contudo, “estes não confiavam na comida do povo que nem sempre era ritualmente pura”. Por isso, levavam comida na sacola. Mas os Discípulos (as) de Jesus recebem recomendações diferentes, que ajudam a entender aspectos importantes da missão de anunciar a boa nova. Deviam ir sem nada; comer o que o povo lhes desse e não ir comer separado; ficar hospedado na primeira casa que aceitasse a paz para conviver de maneira estável e não andar de casa em casa. Vamos conversar sobre isto.
1-De acordo com os critérios dos discípulos e discípulas de Jesus, o que eles apresentam, de novo, na missão? Qual a novidade da missão dos discípulos e discípulas de Jesus?
2-Como é feito o anúncio da boa nova na comunidade de comunidades?
2-Olhar no espelho da vida.
1-Introdução à leitura do texto
O texto do nosso encontro de hoje apresenta a admiração e também a rejeição do povo de Nazaré em relação à pessoa de Jesus. Eles o conhecem. Ele é o carpinteiro, o filho de Maria. Jesus é tão simples e próximo que eles ficaram escandalizados e não acreditaram Nele. Por isso, Jesus não fez muitos milagres em Nazaré. Em seguida, Jesus envia seus discípulos e suas discípulas, dois a dois, fazendo- lhes algumas  recomendações .
2-Leitura do texto Mc 6,1-6
3-Momento de silêncio e perguntas para reflexão
1-O que chama sua atenção no texto?
2-Que posturas devem caracterizar os discípulos missionários que Jesus enviou em missão?
3-Qual a missão do missionário (a) na comunidade, hoje?
3-Celebrar a vida que Deus nos deu
1-Colocar em forma de preces aquilo que acabamos de refletir sobre o evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai Nosso e cantar um cântico que expresse o que Jesus representa para nós.
3-Bênção final.


2- CÍRCULO

ENVIO MISSIONÁRIO:  ANÚNCIO , TOQUE E CURA COM ÓLEO (Mc  6,7-13)

ACOLHIDA

1-Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas  à  vontade.
2-Canto inicial.
3-Invocar a luz do Espírito Santo.
1-Olhar de perto as coisas de nossa vida
Temos visto, ouvido e experimentado a dolorosa condição das pessoas que necessitam dos cuidados da saúde pública. A “Campanha da Fraternidade de 2012 com o tema: Fraternidade e Saúde Publica” e o lema: “que a Saúde se difunda nesta terra”, denunciava com clareza e ousadia esta situação. Temos também conhecimento de pessoas que, ao saber que estão com doenças graves, sentem-se abandonadas  por Deus. Vamos conversar sobre isto.
1-Vocês conhecem pessoas que se isolaram da comunidade por causa de doenças?
2-De que maneira vocês se aproximam das pessoas doentes, buscando animá-las a acreditarem na força da vida, no amor e no carinho especial de Deus por elas?
2-Olhar no espelho da vida
1-Introdução à leitura do texto
O texto do nosso encontro de hoje apresenta os quatro pontos básicos que deviam marcar a atitude dos missionários (as) que anunciavam a boa nova de Deus em nome de Jesus: hospitalidade, comunhão de mesa, partilha e acolhida às pessoas excluídas. Se estas quatro exigências fossem preenchidas, eles e elas podiam e deviam gritar aos quatro ventos: O reino chegou!(MC 6,7-13). Pois o Reino de Deus que Jesus nos revelou não é uma doutrina, nem um catecismo, nem uma lei. O Reino de Deus acontece e se faz presente quando as pessoas, motivadas pela sua Fé em Jesus, decidem conviver em comunidade para, assim testemunhar e revelar a todos que Deus é Pai e Mãe e que, portanto, nos seres humanos, somos irmãos e irmãs uns dos outros.
2-Leitura do texto ( Mc  6,7-13)
3-Momento de silêncio
4-Perguntas que nos ajudam a interpretar a vida e a Bíblia
1-O que chama sua atenção neste texto?
2-Quais eram as exigências de Jesus aos discípulos e  às discípulas que ele enviou em missão?
3-Que posturas devem caracterizar nossa missão de discípulos missionários hoje?
3-Celebrar a vida que Deus nos deu
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre o evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai Nosso.
3-Cantar um cântico que expresse o que Jesus representa para nós.
4-Bênção final

3- CÍRCULO

O BANQUETE DA VIDA (Mc  6,30-34)

ACOLHIDA

1-Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
2-Canto inicial
3-Invocar a luz do Espírito Santo.
1-Olhar de perto as coisas da nossa vida.
No tempo de Jesus uma das principais atividades era cuidar das ovelhas. Como não havia cerca nas pastagens, era muito importante a presença do pastor no meio do rebanho, para levar aos melhores pastos e também afastar os animais ferozes que atacavam as ovelhas. Não se podia imaginar um rebanho sem pastor. Esta imagem do pastor era aplicada também aos dirigentes do povo. Quando Jesus diz que o povo estava como um rebanho sem pastor, quer dizer que seus líderes estão cuidando de si mesmos e deixam o povo abandonado. Está  fazendo uma crítica forte, pois recorda com isto os profetas, principalmente o profeta Ezequiel, falaram muito disso. Vamos conversar sobre isto.
1-O seu papel na comunidade é de líder, que cuida ou tosquia as ovelhas?
2-Na comunidade renovada, qual a verdadeira missão da pessoa crista discípula de Jesus Cristo?
2-Olhar no espelho da vida.
1-Introdução à leitura do texto
O texto de hoje  descreve Jesus que permanece e celebra o banquete da vida com o povo simples. Na mística do grande ensinamento, dar e partilhar o  sustento da caminhada da vida em missão.
2-Leitura do texto Mc  6,30-34
3-Momento de silêncio e perguntas para reflexão:
1-O que mais chama sua atenção no texto?
2-Qual a atitude de Jesus mediante a multidão e seus discípulos e discípulas?
3-Qual a novidade da missão?
3-Celebrar a vida que Deus nos deu.
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre o evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai Nosso.
3-Canto e bênção final.

             4- CÍRCULO

       MULTIPLICAÇAO DOS PÂES

“VOCES DEVEM DAR DE COMER AO POVO”! VIVER A PARTILHA (Jo  6,1-15)

ACOLHIDA

1-Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
2-Canto inicial: “Eu vim para que todos tenham vida.”
3-Invocar a luz do Espírito Santo.
1-Olhar de perto as coisas de nossa vida
No encontro de hoje, vamos ouvir a história da multiplicação dos Pães. O povo ia atrás de Jesus, porque via os sinais que ele fazia para os doentes. Era um povo faminto e doente, como um rebanho sem pastor. Estava desorientado. Buscava sinais, buscava um líder. Seguia a Jesus, porque enxergava Nele o novo líder capaz de resolver os seus problemas. Vendo aquela multidão de gente que o procurava, Jesus confronta os discípulos com a fome do povo: onde vamos comprar pão para eles comerem?(Jo 6,5). Alguma coisa tinha de ser feita! Vamos conversar sobre isto.
1-O que você sente e como reage, quando vê pessoas catando no lixo algo para comer?
2-Nestes últimos anos, a fome do povo diminuiu, mas a partilha não cresceu. Que ações ainda necessitam ser realizadas para que todos tenham o alimento necessário?
2-Olhar no espelho da vida
1-Introdução à leitura do texto
Vamos ouvir o texto que descreve como Jesus confronta os discípulos com a fome do povo  e como multiplica o pão para os famintos. Durante a leitura, vamos prestar atenção nas atitudes de Jesus, de Filipe, de André,  do rapaz.
2-Leitura do texto (Jo  6,1-15)
3-Momento de silêncio e perguntas para  reflexão.
1-O que mais chamou a sua atenção? Por quê?
2-Quais as atitudes de Filipe, de André, do rapaz e de Jesus?
3-Com qual dos personagens você mais se identifica? Por quê?
4-Qual a reação do povo diante da multiplicação do pão? E qual a reação de Jesus?
3-Celebrar a vida que deus nos deu
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre o evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai Nosso.

3-Cantar um cântico que expresse o que Jesus representa para nós. Bênção final.

51 - Círculo Bíblico - JUNHO 2015


Discípulos e Discípulas de Jesus nos Evangelhos de Marcos e João.

I - Encontro

“Novas relações geram um novo povo” MC 3,20-35
1-Acolhida e oração inicial, acolhida carinhosa
Canto conhecido e relacionado ao tema. 
Pedir luzes ao Espírito Santo
2-Olhar de perto as coisas da vida.
 Um tema muito debatido hoje em dia é o das relações entre as pessoas. Observa-se que há muitas dificuldades no âmbito dos relacionamentos dentro das famílias, em alguns ambientes de trabalho, nas comunidades religiosas, etc. Por um lado, há um incentivo ao individualismo na cultura pós-moderna, gerando um fechamento das pessoas sobre si mesmas.  Por outro, há  muita intolerância , preconceito, competição , inveja, violência física , moral e simbólica , criando  muros invisíveis para o relacionamento entre as pessoas.
Perguntas que nos ajudam a interpretar a vida:
1-Você tem experiências de dificuldades no relacionamento?
2-Que grupos sofrem mais com as situações de violência e desprezo?
3-O que você sente quando convive com um grupo aberto, acolhedor e alegre?
Introdução a leitura do texto:
Olhar no espelho da vida. Hoje, vamos ler um texto de Marcos que mostra a relação de Jesus com as pessoas. Veremos claramente sua acolhida incondicional à multidão que o procura. Jesus não se fecha diante das necessidades de um novo cedente de vida , desprezado , abandonado. Por outro  lado, encontra sérias dificuldades no relacionamento com seus familiares , com doutores da lei e fariseus. No final do texto, há uma proposta bem clara de Jesus para nós. Escutemos.
2-Leitura do texto: MC 3,20-35
3-Perguntas que nos ajudam a interpretar a vida e a Bíblia
1-O que atraía tanta gente ao redor de Jesus e dos seus discípulos e discípulas?
2-Qual a relação dos familiares de Jesus, diante da sua entrega sem limites?
3-Qual  o julgamento dos doutores da lei a respeito do poder de Jesus sobre os demônios ?
4-Qual a proposta de Jesus para gerar um novo relacionamento, sinal do Reino de Deus ? O que nos une em família e em comunidade hoje  em dia?
4-Momento orante.
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre o Evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai- nosso, de mãos dadas.
3-Abraço da paz, canto e bênção final.


II - Encontro

Irradiar a Boa-Nova do Reino.  MC 4,26-34

1-Acolhida e oração inicial
Acolhida carinhosa
Canto conhecido e relacionado ao tema.
Pedir luzes ao Espírito Santo
2-Abrir os olhos para ver.
Neste encontro, vamos refletir sobre duas parábolas da semente. Nelas, Jesus chama nossa atenção  para certos detalhes que nem sempre percebemos. Por exemplo, como é que uma semente tão pequena pode produzir uma planta tão grande? Como é que uma semente pode crescer debaixo da terra? Como è que a raiz sabe que deve crescer para baixo, e a folha sabe que deve crescer para cima? E as duas nunca erram! Como é que tudo isso acontece? Antes de ouvir as duas parábolas de Jesus, vamos primeiro pensar naquilo que acontece com as sementes que nós plantamos e irrigamos. Pois, o que acontece com as sementes, acontece também conosco. Vamos conversar sobre isso:
1-Você já ficou olhando como as flores crescem? Já olhou as plantas, as folhas, as árvores, o capim? O que mais chamou a sua atenção? 
2-Qual a lição para a sua vida que você já tirou da contemplação da natureza?
3-Despertar o ouvido para ouvir.
1-Chave de leitura. Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: Quais as qualidades das sementes que Jesus destaca nestas duas parábolas?
2-Leitura do texto Marcos 4,26-34
3-Perguntas para reflexão
1-Qual o ponto destas duas parábolas de que você mais gostou? Por quê?
2-Qual a mensagem da semente que germina e cresce sem percebermos? O que esta parábola nos ensina sobre o Reino de Deus?
3-Qual a mensagem da parábola da semente de mostarda? O que a semente da mostarda nos ensina sobre o Reino de Deus?
4-Qual a semente do Reino que cresceu em nossa comunidade?
4-Celebrar a vida que Deus nos deu.
1-Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e a nossa vida.
2-Terminar as preces com um Pai-Nosso.
3-Abraço da paz, canto e bênção final.
III - Encontro
Jesus chama seus discípulos: Vamos para o outro lado do mar. MC 4,35-41
1-Acolhida e oração inicial
Acolhida carinhosa
Canto conhecido e relacionado ao tempo
Invocar o Espírito Santo
2-Abrir os olhos para ver.
Quantas vezes dizemos que nossa comunidade está navegando em águas tranquilas ou de vento em polpa. Com isso queremos dizer que no momento não há dificuldades, que tudo vai bem, as pessoas se entendem e de fora não há maiores ameaças que possam destruir o espírito comunitário. Mas, é assim que sentimos normalmente a comunidade? Ou existem outras figuras que explicam melhor o que se passa?  Por exemplo: parece que o barco esta afundando ou uma tempestade atingiu nossa comunidade, ou ainda há muitas ondas bravas querendo nos arrasar. Que significa isso? Que o mar de nossa sociedade está cheio de perigos, ameaças que a gente não consegue mais se defender. Ou que os ventos do espírito do egoísmo e consumismo invadem tudo. E nós, ficamos com medo ou resistimos com confiança e coragem? Vamos conversar sobre isso:
1-Como sentimos a presença de Jesus, que acalma a tempestade?
3-Despertar o ouvido para ouvir.
1-Introdução à leitura do texto.
Durante a leitura, vamos prestar atenção na barca como instrumento para navegar. Mas, era também um símbolo para comunidade dos primeiros Cristãos. Eles sentiam a sua caminhada como um barco navegando no mar. Por isso, o texto fala não só da barca onde está Jesus, mas também de outras barcas que representam todas as outras comunidades que surgiram depois de Jesus.
2-Leitura do texto: MC 4,35-41
3-Perguntas para reflexão
1-O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?
2-Como se manifesta a preocupação de Jesus perante os discípulos  no mar?
3-Na comunidade de comunidades, Jesus nos chama; que tipo de comunidade estamos  a caminho?
4-Celebrar a vida que Deus nos deu.
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir  sobre o Evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai-Nosso.
3-Abraço da paz, canto e bênção final.

IV - Encontro

Pescadores de gente “Senhor, t u sabes que te amo! Viver o amor acima de tudo. JO 21,1-17

1-Acolhida e oração inicial

Acolhida carinhosa
Canto conhecido e relacionado ao tema
Pedir luzes ao Espírito Santo.
2-Olhar de perto as coisas de nossa vida.
No encontro de hoje, vamos meditar sobre o último diálogo de Jesus com os discípulos. Foi um reencontro celebrativo, marcado pela ternura e pelo carinho. No fim, Jesus chamou Pedro e perguntou três vezes:” Você me ama”? Só depois de ter recebido, por três vezes a mesma resposta afirmativa é que Jesus deu a Pedro a missão de tomar conta das ovelhas. Para que possamos trabalhar na comunidade, Jesus não nos pergunta  se sabemos muito. O que Ele pede é que tenhamos muito amor! Vamos conversar sobre isso.
1-Olhe para dentro de você e diga qual o motivo mais profundo que leva você a trabalhar na comunidade?
2-Com que atitudes você expressa o seu amor na família, na comunidade,  no trabalho?
2-Olhar no espelho da vida
1-Introdução à leitura do texto.
Vamos ouvir o texto que nos descreve o último encontro de Jesus com seus discípulos e discípulas. Durante a leitura, vamos prestar muita atenção na maneira como Jesus, por meio de suas palavras e gestos, manifesta o seu amor.
2-Leitura do texto: Jo 21,1-17
3-Perguntas para a reflexão:
1-O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?
2-Como se manifesta o amor de Jesus neste reencontro com os discípulos, à beira do lago?
3-A partir daquilo que descobrimos neste encontro, que tipo de comunidade estamos construindo?
4-Celebrar a vida que Deus nos deu.
1-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre o Evangelho e sobre a vida.
2-Terminar as preces com um Pai-Nosso.

3-Contar um cântico que expressa o que Jesus representa para nós, e bênção final.

50 - Círculo Bíblico - MAIO 2015


PERMANECEI NO MEU AMOR

1º CÍRCULO

QUEM PERMANECER EM MIM, E EU NELE,PRODUZ MUITO FRUTO.

ACOLHIDA:

1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espírito Santo.
1.Abrir os olhos para ver, neste quinto domingo da páscoa.
No encontro de hoje, jesus usa a comparação da videira, a planta que dá uva. Para um ramo poder dar fruto, é necessário que ele fique bem unido ao tronco e que, de vez em quando, passe por uma boa poda. A comunidade é uma videira, por vezes, ela passa por momentos difíceis. E o momento da poda, necessário para que ela produza mais frutos. Vamos conversar sobre isso.
1.    Quais as podas ou momentos difíceis, por que você já passou em sua vida e que o ajudaram a crescer?
2.    Que podas, ou momentos difíceis, passamos na comunidade e nos ajudaram a crescer?

2.    Despertar o ouvido para escutar.
1.    Introdução à leitura do texto
Vamos ouvir o texto que descreve uma parábola da videira. Durante a leitura, vamos prestar atenção na frase que mais nos impressionae que mais fala ao nosso coração:
2.    Leitura do texto Jo 15,1-8
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para a reflexão:
1.    Qual a frase que mais o impressionou e que mais falou ao coração? Por quê?
2.    Jesus diz que o agricultor ou corta ou poda os ramos (Jo 15,2). Tanto a poda como o corte, as duas ações são violentas. Como é que o agricultor sabe se deve cortar ou podar? Nossa Comunidade precisa de corte ou de poda?
O que Jesus quer ensinar com a comparação da videira?
Rezar a palavra de Deus para transformá-la em vida.
Sugestões, apenas sugestões, para celebração:
1.    Colocar em forma de prece o que refletimos sobre o Evangelho e sobre a vida.
2.    Terminar esta parte, com um Pai Nosso.

2º CÍRCULO

DEUS É AMOR
AMOR A DEUS E AMOR AO PRÓXIMO: É A MESMA COISA

Abertura,

1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espirito Santo

1.    Abrir os olhos para ver.
A completa alegria através do Amor manifestado neste texto do domingo de Páscoa. O Mandamento de Jesus é um só: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Jesus ultrapassa o Antigo Testamento. O critério antigo era: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Lv18,19)
O novo critério é: “Amai-vos uns aos outros como eu vós amei”. Como diz o canto: “Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!” “Vocês serão meus amigos se praticarem o que eu mando” (Jo 15,14), a saber, a prática do amor até a doação total de si!
Ésobre isto que vamos refletir.
A pergunta é esta: “Hoje, todos falam em amor? O que é amor para você?”
2.    Despertar o ouvido para escutar
1. Introdução à leitura do texto.
Vamos ouvir o texto que traz a palavras que Jesus falou na véspera da sua morte. É o testamento de Jesus. Ele fala do amor aos irmãos. Enquanto formos ouvindo a leitura, fiquemos com esta pergunta na cabeça: “Como deve ser o amor?”
2.Leitura do texto da Bíblia Jo 15,17
3. Momento de silêncio
4. Vamos descobrir o que Deusnos tem a dizer por meio deste texto:
1. O que mais chamou sua atenção neste texto? Por quê?
2. Quantas vezes Jesus usa a expressão “ Permanecer em mim?” O que significa esta expressão?
3. O que mantém a planta unida e viva, capaz de dar frutos, é a seiva que percorre. Qual a seiva que corre na nossa comunidade e a mantém viva, capaz de produzir frutos?

3.    Rezar a palavrade Deus para transformá-la em vida.
- Jesus nos deu a suprema prova do seu amor (Jo 13,1). Vamos unir-nos a ele e expressar em forma de prece as intenções e os sentimentos que estão no nosso coração.
-Terminar esta parte com um Pai- Nosso.
- Aqui, na presença de Deus, vamos formular e assumir juntos um compromisso de praticar a Palavra que ouvimos e meditamos.
- Bênção final.

3º CÍRCULO

JESUS FOI LEVADO AOS CÉUS Á VISTA DELES. Mc 16,15-20

Acolhida

1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espírito Santo
1.    Abrir os olhos para ver.
As aparições de Jesus, depois de ressuscitado, foram acrescentadas ao Evangelho de Marcos com testemunhos de que Jesus está de fato vivo e se revela na caminhada das comunidades. Ele aparece com “outra aparência”.  E este segredo da outra aparência certamente nos atrapalha muito. Quantos de nós conseguem perceber a presença de Jesus em acampamentos dos sem terra, no meio de negros e índios que lutam por sua libertação, nas comunidades dos pobres que se unem pra resistir diante das agressões que sofrem? Estes grupos apesar de tão desfigurados, conseguem ser um sinal de esperança na medida em que assumam com coragemo espírito de Jesus e provocam mais solidariedade, justiça e partilha entre as pessoas. Não seria assim a outra aparência?
Vamos conversar sobre isso.
No nosso meio há aparência de Jesus, como percebemos?
2.    Despertar o ouvido para escutar
1.    Introdução à leitura do texto.
O texto que vamos ouvir mostra o jeito muito simples de descrever a passagem de Jesus para junto da Pai.
O que importa mesmo é que o “Senhor os ajudava”, como diz o V. 20 a levar adiante a caminhada que ele iniciou. E esta convicção serena as comunidades tem até hoje... Ouçamos com atenção a leitura.
2.    Leitura do texto Bíblico Mc (6,15-20)
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para reflexão:
1.    O que o texto nos diz?
2.    O que não pode faltar no anúncio de Jesus e no anúncio da comunidade?
3.    Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
- Colocar em forma de prece o que refletimos dobre o Evangelho e sobre a vida. Terminar essa parte com o Pai-Nosso.
- Bênção final.

4º CÍRCULO

ENVIAI O VOSSO ESPÍRITO SENHOR E DA TERRA TODA A FACE RENOVAI (Jo20, 19-23)

Acolhida
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade
Canto inicial
Invocar a luz do Espírito Santo.
1.    Olhar de perto as coisas da nossa vida
No encontro de hoje vamos meditar sobre a aparição de Jesus aos discípulos e sobre a missão que eles receberam. Jesus comunica o poder de perdoar os pecados. O ponto central da missão de paz está na reconciliação, na tentativa de superar as barreiras que nos separam: “Aqueles a quem vocês perdoarem os pecados serão perdoados e aqueles a quem retiverdes serão retidos”. Este poder de perdoar é dado à comunidade (Jo 20, 23; Mt 18,18). Aqui se percebe a enorme responsabilidade da comunidade. Uma comunidadesem perdão e sem reconciliação já não é comunidade cristã. Vamos conversar sobre isto.
Na comunidade se vivem exemplos de vida cristã, suscitando Cristo no nosso meio?
2.    Despertar o ouvido para escutar
1.    Introdução à leitura do texto
Vamos ouvir o texto que descreve Jesus comunicando o dom do Espírito Santo. Jesus soprou e disse: “Recebei o Espírito Santo”.
E só mesmo com a ajuda do Espírito de Jesus que nós seremos capazes de realizar a missão que ele nos dá.
2.    Leitura do texto: Jo 20,19-23
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para a reflexão.
1.    O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?
2.    A partir daquilo que descobrimos neste encontro, que tipo de comunidade estamos construindo?
3.    Rezar a palavra de Deus, para transformá-la em vida.
-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre a evangelho e a vida.
-Terminar as preces com o Pai- Nosso.

-Cantar um canto que expresse o que Jesus representa para nós.

49 - Círculo Bíblico - Abril 2015


PERMANECEI NO MEU AMOR
1º CÍRCULO

QUEM PERMANECER EM MIM, E EU NELE,PRODUZ MUITO FRUTO.
ACOLHIDA:
1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espírito Santo.
1.Abrir os olhos para ver, neste quinto domingo da páscoa.
No encontro de hoje, jesus usa a comparação da videira, a planta que dá uva. Para um ramo poder dar fruto, é necessário que ele fique bem unido ao tronco e que, de vez em quando, passe por uma boa poda. A comunidade é uma videira, por vezes, ela passa por momentos difíceis. E o momento da poda, necessário para que ela produza mais frutos. Vamos conversar sobre isso.
1.    Quais as podas ou momentos difíceis, por que você já passou em sua vida e que o ajudaram a crescer?
2.    Que podas, ou momentos difíceis, passamos na comunidade e nos ajudaram a crescer?

2.    Despertar o ouvido para escutar.
1.    Introdução à leitura do texto
Vamos ouvir o texto que descreve uma parábola da videira. Durante a leitura, vamos prestar atenção na frase que mais nos impressionae que mais fala ao nosso coração:
2.    Leitura do texto Jo 15,1-8
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para a reflexão:
1.    Qual a frase que mais o impressionou e que mais falou ao coração? Por quê?
2.    Jesus diz que o agricultor ou corta ou poda os ramos (Jo 15,2). Tanto a poda como o corte, as duas ações são violentas. Como é que o agricultor sabe se deve cortar ou podar? Nossa Comunidade precisa de corte ou de poda?
O que Jesus quer ensinar com a comparação da videira?
Rezar a palavra de Deus para transformá-la em vida.
Sugestões, apenas sugestões, para celebração:
1.    Colocar em forma de prece o que refletimos sobre o Evangelho e sobre a vida.
2.    Terminar esta parte, com um Pai Nosso.

2º CÍRCULO
DEUS É AMOR
AMOR A DEUS E AMOR AO PRÓXIMO: É A MESMA COISA
Abertura,
1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espirito Santo

1.    Abrir os olhos para ver.
A completa alegria através do Amor manifestado neste texto do domingo de Páscoa. O Mandamento de Jesus é um só: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Jesus ultrapassa o Antigo Testamento. O critério antigo era: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Lv18,19)
O novo critério é: “Amai-vos uns aos outros como eu vós amei”. Como diz o canto: “Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!” “Vocês serão meus amigos se praticarem o que eu mando” (Jo 15,14), a saber, a prática do amor até a doação total de si!
Ésobre isto que vamos refletir.
A pergunta é esta: “Hoje, todos falam em amor? O que é amor para você?”
2.    Despertar o ouvido para escutar
1. Introdução à leitura do texto.
Vamos ouvir o texto que traz a palavras que Jesus falou na véspera da sua morte. É o testamento de Jesus. Ele fala do amor aos irmãos. Enquanto formos ouvindo a leitura, fiquemos com esta pergunta na cabeça: “Como deve ser o amor?”
2.Leitura do texto da Bíblia Jo 15,17
3. Momento de silêncio
4. Vamos descobrir o que Deusnos tem a dizer por meio deste texto:
1. O que mais chamou sua atenção neste texto? Por quê?
2. Quantas vezes Jesus usa a expressão “ Permanecer em mim?” O que significa esta expressão?
3. O que mantém a planta unida e viva, capaz de dar frutos, é a seiva que percorre. Qual a seiva que corre na nossa comunidade e a mantém viva, capaz de produzir frutos?

3.    Rezar a palavrade Deus para transformá-la em vida.
- Jesus nos deu a suprema prova do seu amor (Jo 13,1). Vamos unir-nos a ele e expressar em forma de prece as intenções e os sentimentos que estão no nosso coração.
-Terminar esta parte com um Pai- Nosso.
- Aqui, na presença de Deus, vamos formular e assumir juntos um compromisso de praticar a Palavra que ouvimos e meditamos.
- Bênção final.

3º CÍRCULO
JESUS FOI LEVADO AOS CÉUS Á VISTA DELES. Mc 16,15-20
Acolhida
1.    Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade.
2.    Canto inicial
3.    Invocar a luz do Espírito Santo
1.    Abrir os olhos para ver.
As aparições de Jesus, depois de ressuscitado, foram acrescentadas ao Evangelho de Marcos com testemunhos de que Jesus está de fato vivo e se revela na caminhada das comunidades. Ele aparece com “outra aparência”.  E este segredo da outra aparência certamente nos atrapalha muito. Quantos de nós conseguem perceber a presença de Jesus em acampamentos dos sem terra, no meio de negros e índios que lutam por sua libertação, nas comunidades dos pobres que se unem pra resistir diante das agressões que sofrem? Estes grupos apesar de tão desfigurados, conseguem ser um sinal de esperança na medida em que assumam com coragemo espírito de Jesus e provocam mais solidariedade, justiça e partilha entre as pessoas. Não seria assim a outra aparência?
Vamos conversar sobre isso.
No nosso meio há aparência de Jesus, como percebemos?
2.    Despertar o ouvido para escutar
1.    Introdução à leitura do texto.
O texto que vamos ouvir mostra o jeito muito simples de descrever a passagem de Jesus para junto da Pai.
O que importa mesmo é que o “Senhor os ajudava”, como diz o V. 20 a levar adiante a caminhada que ele iniciou. E esta convicção serena as comunidades tem até hoje... Ouçamos com atenção a leitura.
2.    Leitura do texto Bíblico Mc (6,15-20)
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para reflexão:
1.    O que o texto nos diz?
2.    O que não pode faltar no anúncio de Jesus e no anúncio da comunidade?
3.    Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
- Colocar em forma de prece o que refletimos dobre o Evangelho e sobre a vida. Terminar essa parte com o Pai-Nosso.
- Bênção final.

4º CÍRCULO
ENVIAI O VOSSO ESPÍRITO SENHOR E DA TERRA TODA A FACE RENOVAI (Jo20, 19-23)
Acolhida
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Deixar as pessoas à vontade
Canto inicial
Invocar a luz do Espírito Santo.
1.    Olhar de perto as coisas da nossa vida
No encontro de hoje vamos meditar sobre a aparição de Jesus aos discípulos e sobre a missão que eles receberam. Jesus comunica o poder de perdoar os pecados. O ponto central da missão de paz está na reconciliação, na tentativa de superar as barreiras que nos separam: “Aqueles a quem vocês perdoarem os pecados serão perdoados e aqueles a quem retiverdes serão retidos”. Este poder de perdoar é dado à comunidade (Jo 20, 23; Mt 18,18). Aqui se percebe a enorme responsabilidade da comunidade. Uma comunidadesem perdão e sem reconciliação já não é comunidade cristã. Vamos conversar sobre isto.
Na comunidade se vivem exemplos de vida cristã, suscitando Cristo no nosso meio?
2.    Despertar o ouvido para escutar
1.    Introdução à leitura do texto
Vamos ouvir o texto que descreve Jesus comunicando o dom do Espírito Santo. Jesus soprou e disse: “Recebei o Espírito Santo”.
E só mesmo com a ajuda do Espírito de Jesus que nós seremos capazes de realizar a missão que ele nos dá.
3.    Momento de silêncio
4.    Perguntas para a reflexão.
1.    O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?
2.    A partir daquilo que descobrimos neste encontro, que tipo de comunidade estamos construindo?
3.    Rezar a palavra de Deus, para transformá-la em vida.
-Colocar em forma de prece aquilo que acabamos de refletir sobre a evangelho e a vida.
-Terminar as preces com o Pai- Nosso.
-Cantar um canto que expresse o que Jesus representa para nós.


48 - Círculo Bíblico - Março 2015 

“ESCUTAR A VOZ DE JESUS COMO MARCA DO DISCÍPULO”

1º ENCONTRO
DEUS NÃO POUPOU SEU PRÓPRIO FILHO
Acolhida
Um canto inicial
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
Invocar a luz do Espírito Santo.
1. Recordação da vida (Lembrar pessoas e/ou fatos recentes)
2. Abrir os olhos para ver nosso jeito de seguir Jesus Cristo
O trecho do Evangelho de Marcos nos diz que a vida e a ação de Jesus não terminam com a sua morte. A transfiguração é sinal da ressurreição; a sociedade não conseguirá deter a pessoa e a atividade de Jesus, que irão continuar através de seus discípulos. Todos os que ouvem o convite de Deus e seguem a Jesus até o fim, começam desde já a participar da sua vitória final, quando ressuscitarão com ele. Assim, é preciso descer a montanha. É justamente em meio ao povo que se vive e faz missão. Jesus bem sabia que a boa notícia não poderia ficar escondida. Descer a montanha traz o sentido de fazer o caminho pra dentro da realidade.
            Para ajudar na reflexão
Como o Espírito Santo ajuda a acontecer a transfiguração, sinal de ressurreição na vida hoje?
3. Meditar a palavra de Deus: Mc 9, 2-10
Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para ele, cantando um canto de aclamação.
            Para introduzir a leitura- O texto que vamos ouvir descreve a Palavra de Deus, que nos diz que toda autoridade dada a Jesus no céu e na terra não termina com a morte.
            Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar em nós. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:
1. O que sentiu dentro de você, ao ouvir essa história?
2. Por que a autoridade dada a Jesus não termina com a morte?
3. O que significa na transfiguração ressuscitar dos mortos?

4. Momento orante:

- Preces espontâneas;
-Compromisso e oração do Pai nosso;
- Abraço da paz e canto.
5. Bênção Final


2º ENCONTRO
“DESTRUÍ ESSE TEMPLO, E EM TRÊS DIAS EU O LEVANTAREI” Jo 2,19
Acolhida
Um canto inicial
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
Invocar a luz do Espirito Santo
1. Recordação da vida ( Lembrar pessoas e/ou fatos recentes)
2. Abrir os olhos para ver nosso jeito de seguir Jesus Cristo
            Neste circulo vamos refletir sobre o Templo, lugar privilegiado de encontro com Deus. Aí, se colocavam as ofertas e sacrifícios levados pelos Judeus do mundo inteiro e formavam verdadeiros tesouros, administrados pelos sacerdotes. A casa de oração se tornara lugar de comércio e poder, disfarçado em culto piedoso. A ideia de que o culto espiritual da Igreja, o Corpo de Cristo, pôs fim ao culto sacrifical do Templo. A partir do momento, a incorporação a um novo povo da nova aliança acontece necessariamente pela fé. A confiança da identidade étnica ou na circuncisão já não é considerada como chave de pertença à nova realidade que se apresenta.
Para ajudar na reflexão
A presença de Jesus já lhe deixou incomodado (a) algumas vezes? Por quê?
3. Meditar a palavra de Deus: Jo 2, 13-25
Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para ele, cantando um canto de aclamação.
            Para introduzir a leitura - O texto que vamos ouvir descreve que a mediação acontece unicamente por meio de Jesus. Nisso podemos ver a novidade significativa do evangelho, ou seja, lugares e objetos sagrados são substituídos por uma pessoa. Em Jesus a dignidade de todo ser humano é resgatada. Nele a humanidade se vê com outros olhos e pode se pensar como participante de um novo projeto no qual a morte dá lugar à vida, e a prisão à liberdade.
Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar em nós. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:
            1. O que quer dizer a atitude de Jesus e dos Judeus no Templo?
2. Para você o que significa o Templo?
3.  Como este texto ilumina o contexto hoje?
4. Momento orante:
- Preces espontâneas;
-Compromisso e oração do Pai nosso;
- Abraço da paz e canto.
5. Bênção Final

3º ENCONTRO
DEUS ENVIOU O SEU FILHO AO MUNDO PRA QUE O MUNDO SEJA SALVO POR ELE
Acolhida
Um canto inicial
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
Invocar a luz do Espírito Santo
1. Recordação da vida (Lembrar pessoas e/ou fatos recentes)
2. Abrir os olhos para ver nosso jeito de seguir Jesus Cristo
             O evangelho de João nos convida a fazer uma nova experiência de Deus e da vida. Ele nos ensina a procurar uma nova dimensão mais profunda da vida. A raiz que fica debaixo do chão. Ela não aparece nem se expõe, mas esta lá, dentro da terra. A raiz é a vida nova que está dentro de cada um de nós e que o próprio Jesus a revela na cruz. Aí, ele demonstra o maior ato de amor: A doação de sua própria vida em favor dos homens e mulheres.
Para ajudar na reflexão
Qual a novidade de Deus revelada em Jesus Cristo, que marca profundamente a nossa vida?
3. Meditar a palavra de Deus: Jo 3, 14-21
Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para ele, cantando um canto de aclamação.
O texto que vamos ouvir descreve Deus que não quer que os homens e mulheres se percam e nem sente prazer em condená-los. “Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se manifeste que suas obras são feitas em Deus” (Jo 13, 21). Enquanto formos ouvindo a leitura, ficamos com essa pergunta na cabeça: Como a presença de Jesus é incômoda na vida das pessoas?
Momento de silêncio para a palavra de Deus poder calar em nós. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:
            1. O que sentiu dentro de você, ao ouvir essa história?
            2. O que Deus provoca na humanidade com a presença de Jesus?
            3. Fale de sua experiência com Deus?
3.  Como este texto ilumina o contexto hoje?
4. Momento orante:
- Preces espontâneas;
-Compromisso e oração do Pai nosso;
- Abraço da paz e canto.
5. Bênção Final


4º ENCONTRO
SE O GRÃO DE TRIGO CAIR NA TERRA E MORRER, PRODUZIRÁ MUITOS FRUTOS
Acolhida
Um canto inicial
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
Invocar a luz do Espírito Santo
1. Recordação da vida (Lembrar pessoas e/ou fatos recentes)
2. Abrir os olhos para ver nosso jeito de seguir Jesus Cristo
            O trecho do evangelho de João nos mostra Jesus como o Messias predito pelas escrituras, mostrando também sua verdadeira missão: Dar a vida para salvar e reunir o povo.
Para ajudar na reflexão
Qual é a verdadeira missão de Jesus? E a nossa, sabemos a que viemos?
3. Meditar a palavra de Deus: Jo 12. 20-33
Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para ele, cantando um canto de aclamação.
Para introduzir a leitura- O texto que vamos ouvir descreve as palavras de Jesus: SE O GRÃO DE TRIGO CAIR NA TERRA E NÃO MORRE, FICA SOZINHO. MAS QUANDO EU FOR LEVANTADO DA TERRA ATRAIREI TODOS A MIM.
Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar em nós. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:
1. O que mais chamou sua atenção neste texto? E por quê?
2.  Como Jesus enfrentou e superou a dificuldade?
3. Como Jesus nos ajuda a manter a fé em Deus?
4. Momento orante:
- Preces espontâneas;
-Compromisso e oração do Pai nosso;
- Abraço da paz e canto.
5 Bênção Final

5º ENCONTRO
CRESCEM A RUPTURA E MORTE, APARECEU A VITÓRIA SOBRE A MORTE.
Acolhida
Um canto inicial
Criar um bom ambiente. Dar as boas vindas. Colocar as pessoas à vontade.
Invocar a luz do Espírito Santo
1. Recordação da vida (Lembrar pessoas e/ou fatos recentes)
2. Abrir os olhos para ver nosso jeito de seguir Jesus Cristo
            Todos nós já tivemos alguma experiência das várias etapas dos discípulos de Jesus: ...momentos de dúvidas, desencontros, ruptura de amizade, necessidade de revisão e de instrução. Nova e surpreendente, porém é a última etapa que começa com a história da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Geralmente, quando lemos a história da paixão, olhamos o sofrimento de Jesus. Vale a pena olhar também os discípulos e como eles reagiram diante da cruz. Pois a cruz é a prova de fogo.
Para ajudar na reflexão
Na Semana Santa o povo celebra em massa a paixão e morte de Jesus. O que o povo mais procura na memória da cruz de Jesus?
3. Meditar a palavra de Deus:Mc 14, 1-15.47
Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para ele, cantando um canto de aclamação.
Para introduzir a leitura- Este texto introduz a narrativa sobre a paixão, morte e ressurreição de Jesus. Os capítulos 14-16 apresentam o conteúdo do primeiro anúncio da boa nova de Jesus, chamado de Kerigma. Onde percebemos a proximidade da Páscoa e da decisão das autoridades de prender Jesus para matá-lo.  Neste ambiente há uma refeição em Betânia. Durante a refeição acontece algo surpreendente. Ouçamos.
Momento de silêncio para a palavra de Deus poder calar em nós. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:
1. O que chama sua atenção no gesto da mulher anônima de Betânia?
2. Qual o sentido da frase de Jesus: “Eu garanto a vocês: por toda parte onde a boa nova for pregada, também contarão o que ela fez”?
3. Que unções, toques, palavras e ações solidárias concretizam essa memória, hoje?
4. Momento orante:
- Preces espontâneas;
-Compromisso e oração do Pai nosso;
- Abraço da paz e canto.

5 Bênção Final

47 - Círculo Bíblico - Fevereiro 2015 
Círculo Bíblico de fevereiro 2015-01-15
“Salvai-nos, Senhor nosso Deus, reuni vossos filhos dispersos pelo mundo, para que celebremos o vosso santo nome e nos gloriemos em vosso louvor” (Sl 105, 47)
1° Encontro
Ensinava como quem tem autoridade (Mc, 1,22)
1 – Abertura
Mantra: Onde existe amor, fraterno amor! Onde existe amor Deus ai está!
Oração ao Espírito Santo
Todos: Vinde Espírito Santo enchei os corações de vossos fiéis e ascendei neles o fogo do Vosso amor; enviai Senhor o Vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.
Oremos:Ó DEUS que instruístes os corações de Vossos fiéis com a Luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Cantar:
- Venham, ò nações, ao Senhor Cantar (bis)
Ao Deus do Universo venham festejar (bis)
- Seu amor por nós, firme para sempre (bis)
Sua fidelidade dura eternamente (bis)
- Aleluia, irmãs; aleluia irmãos (bis)
Do povo que trabalha a Deus louvação (bis)
- Toda a humanidade, o Senhor chamou (bis)
À festa do seu reino ele a todos convocou (bis)
- Glória ao Pai, ao Filho e ao santo Espírito (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)
2° Recordação da vida: Lembrar pessoas ou fatos recentes
3° Despertar os ouvidos para escutar
De acordo com os relatos bíblicos, a situação no tempo de Jesus era muito difícil. Envolvido por tantos desafios, desde pequeno, Jesus escuta contar fatos que sinalizam a presença libertadora de Deus no meio do povo. Conhecia detalhes sobre a saída do grupo que estava escravizado no Egito. Percebia a importância do deserto na história da libertação do seu povo. Por isso, enquanto espera a hora de começar sua missão, ele vai fazer um retiro no deserto e sai de lá cheio do Espírito Santo, apaixonado pelo Reino, incansável em sua entrega ao povo abandonado e explorado pelos chefes religiosos e Civis do seu tempo.
Ao escutar o texto de Mc 1, 21-28, prestemos atenção ao conteúdo do anúncio que Jesus faz e nas ações que ele realiza para manifestar que o Reino de Deus já está acontecendo.
Leitura de Mc 1, 21-28 
Perguntas que nos ajudam a interpretar a vida e a Bíblia.
1 – Quais são os aspectos principais do anúncio do Reino de Deus?
2 – De que maneira o Reino Transparece nas ações de Jesus?
3 – Quais os sinais do Reino que transparecem em nossas relações e em nossa prática?
4 – Será que para os primeiros discípulos foi fácil ou difícil deixar tudo e seguir a Jesus?
4° MomentoOrante
- Preces espontâneas
- Rezar o Pai-Nosso, assumindo um compromisso coletivo
- Abraço da paz e canto
5° Bênção
O Deus do amor e da fraternidade nos livros do mal e nos abençoe agora e sempre: Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
Bendigamos ao Senhor: Demos graças a Deus
2° Encontro
Ai de mim, se eu não pregar o Evangelho (Mc 1, )
1° Abertura
Refrão Orante: Enviai o vosso Espírito, Senhor/ e da terra toda face renovais (bis)
Oração do Espírito santo
Silêncio – Oração pessoal. A seguir, rezar ou cantar o canto da abertura do 1° encontro.
2° Recordação da vida: Lembrar pessoas ou fatos recentes
3° Despertar os ouvidos para escutar:
O texto bíblico Mc 1, 29-39 mostra-nos o ser humano libertado do pecado, pode levantar-se e pôr-se a serviço. Os demônios reconhecem quem é Jesus, porque sentem que a palavra e ação dele ameaça, o domínio que eles têm sobre a pessoa humana. Assim, como o deserto é o ponto de partida para a missão. Ai Jesus encontra o Pai, que o envia para salvar homens e mulheres suas criaturas. Mas encontra também a tentação: Pedro sugere que Jesus aproveite a popularidade conseguida num dia. A divergência do primeiro diálogo com os discípulos, e já se nota tensão.
Ao escutar o texto do evangelista Marcos, prestemos atenção no Reino de Deus que transparece no jeito de ser Jesus, nos seus toques, nas transformações que realiza na vida das pessoas nas parábolas que conta.
Leitura de Mc 1, 29-39
Após a leitura do Evangelho, breve silêncio seguido dos passos da leitura orante:
1 – Leitura (O que o texto diz?)
2 – Meditação (O que o texto me diz?)
3 – Contemplação (O que o texto me leva a experimentar?)
4 – Oração (O que o texto me leva a falar com Deus?)
5 – Ação (O que o texto me leva a viver?)
4° Momento orante
- Preces espontâneas
- Rezar o Pai-Nosso, assumindo um compromisso coletivo
- Abraço da paz e canto
5° Benção final
3° Encontro
A lepra desapareceu e o homem ficou curado (Mc 1, 42)
1° Abertura
Mantra: Te amarei, senhor, te amarei, Senhor, eu só encontro a paz e a alegria bem perto de ti!
Oração ao espírito Santo
Silêncio – Oração pessoal. A seguir, rezar ou cantar o canto da abertura do 1° encontro.
2° Recordação da vida: Lembrar pessoas ou fatos recentes
3º Despertar os ouvidos para escutar
De acordo com o texto bíblico Mc 1,40-45, Jesus restaura a dignidade humana. A grandeza de Deus que Jesus anuncia é misericórdia, perdão, bondade, gratuidade total. O marginalizado agora se torna testemunho vivo, que anuncia Jesus, aquele que, purifica fora da cidade, lugar que se torna o centro de nova relação social: o lugar do marginalizado é o lugar onde se pode encontrar Jesus.
Ao ouvir o texto de Mc 1, 40-45 prestemos atenção na missão de Jesus que consiste em despertar a esperança escondida no coração dos pobres que mantinham a memoria das ações libertadoras de Deus na história do seu povo.
Leitura de Mc 1, 40-45
Perguntas que nos ajudam a interpretar a vida e a Bíblia.
1Em que consiste nossa missão na Comunidade?
2- O que Jesus espera da gente na sociedade marginalizada?
3- Deus é presente de quem hoje na minha vida?
4º Momento Orante
- Preces espontâneas
- Rezar o Pai-Nosso – assumindo um compromisso individual
- Abraço da paz e canto
5º Benção final 
4º Encontro
Foi tentado por satanás e os anjos os serviram. (Mc 1,13)
1º Abertura
Mantra:Ò luz do Senhor que vem sobre a terra. Inunda meu ser, permanece em nós.
Oração ao Espírito Santo
Silêncio – Oração pessoal.  A seguir, rezar ou cantar o canto de abertura do 1º encontro.
2º Recordação da vida: Lembrar pessoas ou fatos recentes
3º Despertar os ouvidos para escutar:
O texto bíblico nos relata a tentação no deserto resume nos conflitos que Jesus vai experimentar em toda sua vida. Deverá enfrentar o representante das forças do mal que escravizam as pessoas. E Deus o sustentará nessa luta. Não é mais tempo de esperar. É hora de agir. O Reino é o amor de Deus que provoca a transformação radical da situação injusta que domina as pessoas. Na dinâmica do está próximo, sempre crescendo.
Ao ouvir o texto de Mc 1, 12-15, prestemos atenção na conversão: a ação de Jesus exige mudança radical da orientação de vida. Acreditar na Boa Notícia: é aceitar o que Jesus realiza e empenhar-se com Ele.
Leitura de Mc 1, 12-15
Perguntas, que nos ajudam a interpretar a vida e a Bíblia.
1 – Como podemos sentir o Reino de Deus perto de nós? Existem sinais de sua presença em nosso meio? Quais?
2 – As vezes, nas nossas celebrações, nos momentos das preces espontâneas, alguém reza assim: pela conversão dos pecadores, parecendo colocar-se num outro nível. Será que também nós precisamos de conversão ou somente aquelas pessoas que estão entregues aos vícios ou outros tipos de comportamentos?
3 – Os Bispos do Brasil, sobretudo no último Documento: Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia, falam numa conversão pastoral das paróquias. O que entendemos com isso? Percebemos a necessidade de conversão nas nossas comunidades?
4º Momento Orante
- Preces espontâneas.
- Rezar o Pai-Nosso, assumindo um compromisso coletivo.
- Abraço da paz e canto
5º Benção final

46 - Círculo Bíblico - Outubro 2014 


 “Como Jesus morreu e ressuscitou, Deus ressuscitará os que Nele morreram. E, como  todos morrem em Adão, todos em Cristo terão a vida (1Ts 4.14; 1Cor 15,22).

1º ENCONTRO

RESSURREIÇÃO: Sinal de Vida e Esperança
Acolhida: Equipe de Animação
I- Abrir os olhos para ver
No texto do Círculo Bíblico de Hoje, Jesus nos apresenta que a vontade de Deus é que creiamos no seu Filho e Nele tenhamos a vida eterna.
 - Quais os sinais de ressurreição na nossa comunidade?
II- Despertar o ouvido para escutar o evangelista João
Introdução à Palavra: “Fomos criados para a eternidade, vivendo dia a dia  a esperança, que não decepciona. O Senhor, nossa luz e salvação, vive para sempre, e por Ele nós seremos ressuscitados”
III- Canto de aclamação e leitura
Texto bíblico (Jo 6, 37-40)
IV- Momento de silêncio e perguntas para ajudar a refletir e partilhar.
·         Qual o ponto desse texto que você mais gostou ou que chamou mais a sua atenção. Por quê?
·         Como podemos acolher a vontade de Deus em nossa comunidade?
·         Conversar sobre esta afirmação:
“E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas o ressuscite no último dia”.
V- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.
- Esta parte termina com a oração do Pai Nosso
SUGESTÃO MISSIONÁRIA: Visitar um doente

2º ENCONTRO

O ZELO PELA CASA DO PAI
Acolhida: Equipe de animação
1º. Abrir os olhos para ver
O zelo pela casa do meu  Pai consome minha alma.(Jo 2, 17).Em comunhão com as Comunidades Cristãs do mundo inteiro, nós, templos vivos do Espírito Santo,queremos celebrar a Páscoa de Jesus, transbordantes da alegria e da vida que manam do seu corpo ressuscitado
2º. Despertar o ouvido para escutar.
1 – Introdução à Leitura do texto: O templo onde a Comunidade se reúne para celebrar é manancial de vida e de bênção. Nele ouvimos a Palavra de Deus, que nos alicerça em Cristo. Jesus ressuscitado é o novo e definitivo templo onde Deus se manifesta.
2-Canto de Aclamação e Leitura do Texto Bíblico Jo 2, 13 – 22.
3-Momento de silêncio
4-Pergunta para ajudar a refletir e partilhar.
-O que chamou mais a sua atenção neste texto?
-Quem é para nós, morada do Espírito Santo, construção edificada sobre Cristo?
-O que o texto nos faz dizer a Deus?(preces e orações com base no texto).Terminar esta parte com um Pai Nosso.
3º. ORAÇÃO QUE BROTA DA PALAVRA.
Ó Pai de bondade, o gesto de vosso Filho nos mostra o valor do templo, casa de oração e de encontro dos membros da Comunidade entre si e convosco. Ajudai-nos a respeitar todos os lugares sagrados e valorizar nosso corpo, verdadeiro templo do Espírito Santo. Queremos ser pedras vivas do templo da vossa Igreja, testemunhando a fé no cotidiano de nossa vida. Assim, podemos render-vos um culto que seja do vosso agrado: a religião autêntica em espírito e verdade. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
4º. Nosso Compromisso com a Palavra: Jesus nos coloca diante de um novo modo de proceder, do caminho coerente que cada cristão deve seguir: erguer os templos vivos caídos. Comprometamo-nos, pois, a assumir essas atitudes na simplicidade das nossas vidas.
5º. Bênção final e despedida fraterna.

3º ENCONTRO

TODOS NÓS RECEBEMOS ALGUM DOM DE DEUS
PARA QUE SERVEM OS DONS?
Acolhida: Equipe de preparação
1º Abrir os olhos para ver.
Hoje vamos ouvir a parábola dos talentos. Ela fala sobre os dons que as pessoas recebem de Deus. Toda pessoa tem alguma qualidade ou sabe alguma coisa que pode ensinar aos outros. Ninguém é só aluno, ninguém é só professor. Aprendemos uns dos outros. Vamos conversar sobre isto.
1 – Para que servem os dons?
2 – Na nossa Comunidade, procuramos conhecer e valorizar os dons de cada pessoa?
3 – Às vezes, os dons de uns geram inveja e competição nos outros. Como reagimos?
2º Despertar o ouvido para escutar.
1-    Introdução à Leitura do Texto
Vamos ouvir a comparação conhecida como “A parábola dos talentos”. Ela trata dos dons ou carismas que as pessoas recebem de Deus. Vamos prestar atenção em como cada um desenvolve o seu dom.
2-    Canto de Aclamação e leitura do Texto Bíblico MT 25, 14 – 30
3-     Momento de silêncio
4-     Pergunta para a reflexão:
- Vamos lembrar junto à parábola que ouvimos: O que mais chamou nossa atenção?
- Na parábola, os três recebem conforme sua capacidade. Como cada um desenvolve o seu dom?
- Como entender a frase: A todo aquele que tem, será dado mais, e terá em  abundância. Mas daquele que não tem até o pouco que tem lhe será tirado?
- Nossa Comunidade é o espaço onde as pessoas podem desenvolver os seus dons?
3º - Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.
 1 – Preces: O que o texto nos faz dizer a Deus? Colocar em forma de prece tudo aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida. Como refrão, após cada prece, digamos:”Senhor, ajuda-nos a fazer da nossa vida um serviço aos irmãos!” Terminar esta parte com  um Pai Nosso.
2 – Rezar um Salmo. Sugestão: Salmo 103 (102). Agradecer a Deus os dons recebidos.
PREPARAR O PRÓXIMO ENCONTRO
1 – Anotar o texto que será estudado no próximo encontro
2 – Distribuir as várias tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.

 4º ENCONTRO

O grande julgamento: Jesus se identifica com os pobres e necessitados.
Acolhimento – Equipe de preparação
1º - Abrir os olhos para ver
No encontro de hoje, vamos aprofundar o discurso em que Jesus nos fala como vai ser o Juízo Final. O texto mostra que Jesus se identifica com os pobres, os marginalizados, os desamparados, os que sofrem nas prisões. Gente assim é o que  não falta hoje. E o número de pessoas nestas condições sempre aumenta, devido ao sistema neoliberal que vivemos, produzindo sempre mais desemprego, pobreza e falta de um atendimento a quem precisa. Vamos conversar sobre isto:
1 – No seu sítio, na sua rua e no seu bairro, é grande o número de pessoas carentes? De que maneira nossa Comunidade se relaciona com elas?
2º Despertar o ouvido para escutar. 1- Introdução à Leitura do Texto.
Vamos, agora, ouvir a Palavra de Deus. A Leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Vamos ouvir atentamente o discurso de Jesus sobre o Juízo Final. Durante a leitura fiquemos com esta pergunta na cabeça: Como e onde nossa Comunidade encontra Jesus, hoje?
2- Canto de Aclamação e Leitura bíblica MT 25,31-46.
3-Momento de silêncio
4-Perguntas para ajudar a refletir e partilhar.
.Como e onde nossa Comunidade encontro Jesus, hoje?
.Quais os critérios que Jesus usa para acolher uma pessoa no Reino?
.Como entender que Jesus se faz presente no meio de nós por meio de uma pessoa necessitada?
3º Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.
1.    Colocar em forma de prece tudo aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida. Como refrão, após cada prece cantemos: “Entre nós está e não o conhecemos. Entre nós está, e nós o desprezamos! Terminar esta parte com um Pai Nosso.
2.    Rezar um Salmo. Sugestão: Salmo 22 –“Deus ouve o clamor do pobre”
3.    Canto e despedida fraterna.
SUGESTÃO MISSIONÁRIA: Na sua convivência e atividade comunitária fazer o exercício do servir uns aos outros, livrando-se da omissão.
45- Círculo Bíblico - Agosto 20141°Círculo - A Paróquia: “Fonte a que todos acorrem na sua sede”1.Para Início de conversaa)    Acolhimento do animador e canto
b)    Invocação ao Espírito Santo e oração inicial
c)    Pode-se colocar uma foto da Igreja Matriz ou da Comunidade e / ou cartaz com o nome do padroeiro (a) da comunidade.
2.Introdução à Palavra de DeusLeitor (a) 1: Ao se referir à Paróquia, o Papa São João XXIII a apresentava como a fonte de uma aldeia a que todas as pessoas poderiam acorrer quando lhes viesse a sede. Certamente a comunidade paroquial viva é fonte. Oferece a todos os peregrinos a mais pura água: o seu Senhor e Mestre, Jesus Cristo. No meio de tantas realidades que desafiam a pessoa em sua vivência comunitária, quando as comunidades desenvolvem atividades que promovem a comunhão e a participação de todos, é possível beber da fonte mais limpa da experiência cristã. E a sede de infinito nos leva a encontrar-nos com aquele que nos trouxe a vida e com Ele fazemos a mais perfeita experiência do amor. Cantar o refrão: Sou cidadão do infinito, do infinito, do infinito. E levo a paz no meu caminho, no meu caminho...Leitor (a) 2: Acalmar o mar é a certeza de que Jesus está presente. No Evangelho que vamos meditar e rezar, a barca dos discípulos caminhava em meio a desafios e obstáculos. Tentaram por meios próprios navegar pela escuridão e em meio à tempestade.  De repente, já é possível visualizar o sol. É a certeza de que o dia vai raiar. Tudo isso é a presença de Jesus. Sem Ele o nosso barco vai aos troncos e barrancos e os nossos esforços são mínimos, se não reconhecemos e não sentimos a sua presença em nossas atividades pastorais e no navegar da nossa vida. O mar é grande e perigoso, nosso mundo atual também é marcado pela mesma realidade. Sem a presença de Jesus não podemos acalmar a imensa tempestade na qual navegamos. Canto de acordo / ou: De repente aparece Jesus, pouco a pouco se acende uma luz. É preciso pescar diferente que o povo já sente que o tempo chegou. E partiram sem mesmo pensar nos perigos de profetizar, Há um barco esquecido na praia (3vx)3- Deus nos fala – Canto de Aclamação à Palavra. Ler Mt 14, 22-33. Silêncio. Chave de leitura:a)    Como estava o barco dos discípulos antes do despertar de Jesus? Como eram os ventos?
b)    Na atualidade, quais os ventos que nos atrapalham ou até nos impedem de caminhar ao encontro de Jesus?
c)    O que significa para você navegar com a presença de Jesus?
Leitor (a) 3: Olhando a nossa realidade, não é difícil compreender o quanto são desafiantes as novas situações que se apresentam. No nível pessoal, uma das marcas do nosso tempo é a supervalorização da pessoa em prejuízo da comunidade. O individualismo tende a criar uma sociedade de consumistas. Esperam milagres prontos e rápidos, sem compromissos. A família sofre igualmente esses efeitos. Num chamado “amor sem compromisso”, muitos valores são perdidos. Tudo isso nos desafia, mas não pode nos causar medo. Lembremos com confiança a oração de Jesus:Não peço que os tires do mundo, mas que os guarde do maligno (Jo 17,15)Cantar: Tu és a razão da jornada, Tu és minha estrada, meu guia, meu fim. No grito que vem do meu povo, te escuto de novo, chamando por mim!Leitor (a)1:A certeza que nos conduz é que no nosso barco não estamos sozinhos. A misericórdia infinita de Deus presente em nós nos faz arregaçar as mangas e nos lançar no infinito, que é o mundo e as realidades que se apresentam. Ele continua nos chamando: “Vem!”, Nossas comunidades precisam de novo ouvir a proposta de Jesus vivendo a fé em meio às dificuldades. Mais necessário se torna acolher a todos como fez o Mestre: “Coragem! Sou eu. Não tenham medo”. O medo de enfrentar, de mostrar ao mundo a nossa fé e em quem acreditamos deve ser vencido pelo envio do Mestre para a missão.  Cantar: Tenho que gritar, tenho que arriscar; ai de mim se não o faço! Como escapar de Ti, como calar,se tua voz arde em meu peito? Tenho que andar, tenho que lutar,ai de mim se não o faço! Como escapar de ti, como calar, se tua voz arde em meu peito?4.Puxando conversaa)    A realidade atual tem desafiado ou desanimado nossa comunidade?
b)    Quais são os medos que aprisionam a nossa fé e as esperanças que trazem segurança em nosso caminho?
5. Rezando a partir da Palavra de Deus –Que a presença de Jesus, na Palavra, no Pão e a prática de todo cristão seja constante em nossa comunidade, rezemos: Senhor, nós confiamos em Vós!Outras preces espontâneas
6.Compromisso da semana: 1.Ler em casa o texto: Mt 16,13-20. 2. Convidar novas famílias para o próximo encontro, vamos refletir e rezar com o tema: “A espiritualidade cristã na família”  3. Cada família deve levar a sua Bíblia e contar como faz o uso dela em sua casa e com qual personagem da Bíblia se identifica mais. Colocar um copo com água sobre a mesa e um ramo verde.
7.Encerramento: Avisos. Canto Vocacional. Pai Nosso. Bênção final e despedida.

2° CIRCULO –A espiritualidade Cristã na família

1.Iniciando o encontro.a)    Acolhimento e canto. Invocação ao Espírito Santo.
b)    Oração pela família.2. Introdução à Palavra de DeusLeitor (a) No evangelho que vamos ler, está prefigurada a família cristã assistida por Cristo, através da intercessão de Maria, na presença dos apóstolos. As Bodas de Caná expressam o desígnio de Deus, agora plenificado, sobre a família já presente em toda a história do povo de Deus. O centro das Bodas de Caná é Jesus, o convidado. O esposo nupcial vem pessoalmente ao encontro dos noivos e perpetua a sua presença na celebração de cada matrimônio, multiplica a alegria e revela uma nova aliança de amor. É precisamente a verdade escondida e preciosa do casamento O sacramento tem um nome e um rosto: o nome e o rosto de Jesus, Esposo da sua Igreja.
3. Deus nos fala –Canto de Aclamação. Ler Jo 2,1-12. Silêncio. Chave de leitura1)    O que mais chama a sua atenção neste Evangelho?
2)    O que a presença de Jesus, de Maria e dos apóstolos numa festa de casamento significa para nós?
3)    Quais são as práticas de espiritualidade na sua família que mais parecem com as de Jesus Cristo?
4)    A espiritualidade cristã desenvolve-se pela mística, oração, celebração, amor fraterno, vivência missionária. O que precisa ser mais exercitado na sua família?
4.Aprofundando-Leitor 1:A beleza da mensagem bíblica sobre a família tem a sua raiz na criação do homem e da mulher, ambos à imagem e semelhança de Deus. Ligados por um vínculo sacramental indissolúvel, os esposos vivem a beleza do amor, da paternidade, da maternidade e da dignidade suprema de participar da obra criadora de Deus. Na união eles assumem a responsabilidade do crescimento, da educação de outras pessoas para o futuro do gênero humano. Através da procriação, o homem e a mulher realizam na fé a vocação de serem colaboradores de Deus na preservação da criação e no desenvolvimento da família humana.
Leitor 2. São João Paulo II comentou esse aspecto dizendo: “Deus criou o homem á sua imagem e semelhança”: chamando-o à existência por amor, chamou-o ao mesmo tempo ao amor. Deus é amor e vive em si mesmo um mistério de comunhão pessoal de amor. Criado á sua imagem e conservando-a continuamente no ser Deus inscreve na humanidade do homem e da mulher a vocação e, assim, a capacidade e a responsabilidade do amor e da comunhão (cf Gaudium et Spes.12)  O amor é, portanto, a fundamental e originária vocação do ser humano.(FC11)
5.Vamos fazer nossas preces, a partir do que refletimos.Rezemos juntos: Jesus, Maria e José, em vós, contemplamos o esplendor do verdadeiro amor. A vós, com confiança, nos dirigimos. Sagrada família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculo de oração, escolas de Evangelho e pequenas Igrejas domésticas.  Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais se faça, nas famílias, experiências de violência, egoísmo e divisão: quem ficou ferido ou escandalizado, depressa conheça consolação e cura. Que a Sagrada Família de Nazaré desperte, em todos, a consciência do caráter Sagrado e inviolável da família, a sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, escutai e atendei a nossa súplica. Amém.
Pai nosso Ave-Maria. Canto. Bênção

3° Círculo- Desafios na comunidade

1.    Iniciando o Encontroa)    Preparação do ambienteb)     Acolhida. Um canto vocacional.c)    Oração inicial2. Introdução à Palavra de Deus- Leitor 1: Jesus chama a atenção dos discípulos para ver quem está atento e O reconhece como aquele que se identifica com o Pai. Através do diálogo, Jesus vai se revelando aos poucos. Pedro, inspirado pelo Espírito de Deus, reconhece em Jesus o Filho de Deus vivo. Assim como os discípulos, nós somos chamados a reconhecer e fazer uma experiência profunda de Jesus. Vivemos num mundo em que o consumismo cresce deliberadamente em consequência de uma sociedade capitalista, onde o capital está influente na consciência social. Isto nos impede de viver uma relação profunda e verdadeira com o outro, formando relações fragilizadas. Desenvolve uma sociedade do individualismo, que torna a pessoa voltada para si mesmo.
3. Deus nos fala:Canto de aclamação. Ler Mt 16,13-20 . Silêncio. Chave de leitura:1.    No dia a dia, somos chamados a viver uma experiência íntima com Jesus. A partir dessa experiência, damos nossa contribuição à sociedade, pois o encontro com Cristo nos motiva a mudarmos nossas atitudes diariamente. Como fazemos esta experiência? Quem é Jesus para nós?
2.    A partir da experiência íntima que Pedro faz com o Cristo, ele proclama Jesus como o Filho de Deus. Podemos proclamar Jesus como o Filho de Deus vivo, sem antes termos feito uma experiência íntima com Ele?
3.    As propostas do mundo hoje nos seduzem e nos cegam, impedindo que enxerguemos as propostas do Reino de Deus. Jesus apaixonado pelo Pai, anunciava um novo Reino. Esse Novo Reino, o Reino de Deus, é uma proposta que nos atrai ainda hoje?
Vamos cantar: O Senhor me chamou a trabalhar, a messe é grande a ceifar; a ceifar o Senhor me chamou.  Senhor, aqui estou! Vai trabalhar pelo mundo afora. Eu estarei até o fim contigo. Está na hora, o Senhor me chamou: Senhor, aqui estou!Aprofundando: Leitor 1:Os desafios para a evangelização são muitos, entre eles se destacam o relativismo e o fundamentalismo.Relativismo, o que é ?  Por não estar devidamente enraizado, oscila entre as inúmeras oportunidades oferecidas O relativismo leva a pessoa a não distinguir mais o certo do errado, pois tudo é relativo ao entendimento de cada pessoa Por não ter raiz, perde o sentido do essencial.  Vai   na onda.  Exemplo: perde o sentido do pecado e da necessidade dos Sacramentos.
Leitor 2:O fundamentalismo fechando-se em determinados aspectos, não considera a pluralidade e o caráter histórico da realidade como um todo. Estabelece regras fixas e impede de perceber outro como diferente.  Faz uma leitura e aplicação reducionista da Palavra de Deus. Leitura ao pé da letra, sem levar em conta o contexto, a realidade. Tem dificuldade de aceitar a renovação proposta pelo Vaticano II. Isto atrapalha a vivência numa comunidade eclesial.
Leitor 3:A paróquia não é apenas uma prestadora de serviços religiosos, um lugar para viver uma espiritualidade sem compromisso ou simples cumprimento de preceitos religiosos. É na comunidade paroquial que se constrói a identidade comum e lá crescem os vínculos de convivência. É no cotidiano o lugar da construção comunitária da experiência cristã. A Igreja se abre para a participação dos leigos esperando respostas e atitudes. As redes de comunicação invadem o cotidiano, contudo falta-se comunicação, sem a qual, as relações ficam superficiais. Uma sociedade cheia de informações e pouco formada, onde a desigualdade social cresce reclama a falta de encantamento pela vida e de sentimento de pertença à comunidade.
Um canto de acordo/ ou: Um dia escutei teu chamado, divino recado batendo no coração.4.Puxando conversa: 1.Com relação ao encontro de hoje, o que mais me chamou atenção no texto bíblico e no tema apresentado sobre os “desafios na comunidade”? 2.No dia a dia, somos chamados a nos envolvermos com a Igreja e com a sociedade em geral? Estamos cumprindo a nossa função de leigos? Como desenvolvemos esta nossa vocação?
5. Rezar a Palavra de Deus na vida- Preces espontâneas. Rezar pelas vocações.6.Compromisso da semana: 1.Visitar uma família e convidar para participa do Círculo Bíblico.2. Ler em casa: Mt 16,21-27.
7.Encerramento: Avisos. Canto. Pai Nosso, Ave-Maria.  Bênção.
CÍRCULO-SER DISCÍPULO EM MEIO AOS DESAFIOS DA SOCIEDADE ATUAL1.Iniciando o nosso encontro.a)    Acolhimento do animador (a)
b)    Invocação ao Espírito Santo. Oração inicial.
2.Introdução à Palavra de DeusLeitor (a) 1. Somos convidados a meditar sobre a atitude corajosa de Jesus em percorrer o caminho da cruz e as condições que Ele pede para sermos seus discípulos. O texto do Evangelho nos mostra que para seguir a Jesus é preciso renunciar ao comodismo, ao egoísmo, e comprometer-se mais com a instalação do Reino de Deus, aqui na terra, com o próximo e a fazer a vontade do Pai.
4.    Deus nos falaCanto de Aclamação. Ler na Bíblia. Mt 16,21-27. Silêncio. Chave de leitura1)    Que tipo de Messias é Jesus?
2)    Quais as condições requeridas para se tornar discípulo de Jesus?
3)    Em nossa comunidade predomina a atitude de Pedro ou a atitude de Jesus?
Leitor 1.Vivemos num mundo, marcado pelo consumismo e pelo utilitarismo, onde as possibilidades de fraternidade são deterioradas. As relações humanas são regidas pelas leis do mercado. O ser humano é valorizado não por aquilo que é, mas pelo que tem. Atualmente há uma tendência para que a religião não interfira na esfera pública. Alguns estados, no Brasil, estão proibindo que as escolas participem de eventos religiosos. Isto impede que a religião cristã influencie nas tomadas de decisões morais que regem a sociedade.
Vamos cantar: Eu sou feliz é na comunidade/ na comunidade eu sou feliz.  A nossa comunidade se reúne todo o dia a nossa comunidade se transforma a cada dia.L2. A pluralidade tem seu ponto positivo, impede que as pessoas sejam coagidas por normas fixas. Por outro lado, há o risco de as pessoas se orientarem por aquilo que julgam trazer seguramente para a sua vida. A verdade passa a ser fruto do desejável. Correm atrás de muitas coisas que não são essenciais, esquecendo o essencial. Ficam cheias, sem tempo, cansadas e até desiludidas. Sentem um vazio daquilo que dá  sentido pleno à sua existência, Experimentam a sede de Deus.
Nós cristãos, que somos membros que constituem a paróquia, rede de comunidades, precisamos rever a nossa maneira de viver a fé. Numa época em que se clama por beleza, verdade, bondade não faz sentido uma fé apagada, sem brilho, sem entusiasmo. Conversão ao Evangelho é o caminho a ser perseguido por todos nós. Os documentos da Igreja nos mostram que o mundo é o lugar dos discípulos que Cristo convocou para formarem a Igreja. O nosso Papa Francisco quer uma Igreja em “saída” e ao encontro...
L3. Nossa Igreja Comunidade deve ser de diálogo, que acolhe as diferenças; includente, aberta, generosa e misericordiosa, especialmente com o sofredor, o excluído. A verdadeira relação é sempre buscar e ir ao encontro, por cima dos próprios interesses. É isso que aprendemos com Jesus Cristo com sua encarnação.
4.    Puxando conversa:a)    O que você achou mais importante no assunto desta reunião?
b)    Quais têm sido os desafios na nossa comunidade que impedem um seguimento autêntico à proposta de Cristo?
5.    Rezando a Palavra de Deus.Preces espontâneas. Rezar pelas vocações do leigo na Igreja. Ave-Maria e bênção final
Bom trabalho neste mês vocacional. Rezemos uns pelos outros. Abraço. Ir. Cristiana

44- Círculo Bíblico - Julho 2014


1° Círculo O PAI SE REVELA AOS SIMPLES-
COMUNIDADE, LUGAR DE ACOLHIDA E ESCUTA
1.INICIANDO O CÍRCULO
a) Acolhida do animador (a) e canto. Criar um bom ambiente.
b) Invocação ao Espírito Santo e oração inicial.
c) Partilhar nossa vivência, a partir do último encontro.
2. OLHAR A NOSSA PRÁTICA PESSOAL E A PRÁTICA DA COMUNIDADE.
 O texto que vamos ler mostra a ternura com que Jesus acolhia os pequenos. Ele queria que os pobres encontrassem descanso e Paz. Por causa disso Jesus foi muito criticado e perseguido. Sofreu muito! O mesmo acontece hoje. Para uns a comunidade é lugar de consolo, descanso e paz. Para outros, é lugar de crítica, desgaste e sofrimento. Vamos conversar sobre isto.
1.  Para você, a comunidade é fonte de paz ou de tensão? Por quê?
2.  O que causa a tensão e o que traz a paz?
3.OLHAR A PRÁTICA DE JESUS
1.(Anim.:)Vamos ouvir as palavras de Jesus. Durante a leitura abra os olhos, ouvidos e coração e faça de conta que Jesus está falando estas palavras para você neste momento.
2. Canto de aclamação. (Leitor) Leitura do texto: Mateus 11,25-30.  Momento de silêncio. Perguntas para reflexão partilhada do texto e da vida.
1. Vamos lembrar juntos o que foi lido. Qual o ponto que mais chamou a sua atenção?
2. Na primeira parte do texto (vers.25-27), Jesus fala ao Pai. Quais os motivos que leva Jesus a dar louvor ao Pai? Como e quando você louva o Pai?
3. Para quem Jesus fala nos versículos 28-30?  Ele faz três apelos.Vamos destacá-los: O primeiro está no versículo 28. É dirigido a quem?  Veja agora o vers. 29. Qual a orientação?  No versículo 29, a que Ele recomenda?
4. Qual o Rosto de Deus que Jesus nos mostra neste pequeno texto de Mateus?

3.REZANDO A PALAVRA DE DEUS NA VIDA
1. O que este texto nos faz dizer a Deus?Colocar em forma de preces espontâneas, tudo o que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida. Após cada prece, digamos:“Nós te louvamos,  ó  Pai , porque te revelastes aos pequenos”!
2. Rezar o Salmo 28.  “ O Senhor é minha força e meu escudo. É nele que eu confio.”
Encerramento: Marcar o texto para ser lido em casa: Mt 13,1-23. Dividir as tarefas do próximo encontro: Preparar o ambiente, acolhimento, leitores. Avisos. Canto.  Pai Nosso. Ave - Maria, Bênção. Despedida.

2° Círculo      SEMEAR O EVANGELHO
1. INICIANDO O CÍRCULO
a) Acolhida do Animador (a) e Canto. Criar um bom ambiente.
b) Invocação ao Espírito Santo – Oração Inicial.
c) Partilhar a experiência vivida a partir do último Círculo.
2 .OLHAR A PRÁTICA PESSOAL E PRÁTICA DA COMUNIDADE
Anim. Distribuir entre os participantes algumas sementes variadas. Conversar sobre o que nos chama atenção ao contemplá-las. Você já viveu a experiência de semear?
3.OLHAR A EXPERIÊNCIA DE JESUS REVELADA NA PARÁBOLA DO SEMADOR.
Aprender a semear como Jesus.Não foi fácil para Jesus levar para frente o seu projeto. Sua palavra não teve a acolhida que se esperava. Entre os seus seguidores mais próximos começava a despertar o desalento e a desconfiança. Valeria apenas continuar trabalhando ao lado de Jesus? Tudo aquilo não era uma utopia impossível?
Jesus lhes dizia o que pensava. Contou-lhes a Parábola do semeador, para fazê-los ver o realismo com que trabalhava e a fé inquebrantável que o animava.  É preciso continuar semeando. No final haverá uma colheita abundante.
Os que ouviam Jesus sabiam que ele estava falando de si mesmo. Assim era Jesus. Semeava a sua palavra em qualquer parte onde via alguma esperança de que poderia germinar. Semeava gestos de bondade e misericórdia até nos ambientes mais suspeitos: entre pessoas muito afastadas da religião.
Semeava com o realismo e a confiança de um lavrador. O importante era a colheita final. Algo semelhante ocorre com o Reino de Deus. Não faltam obstáculos e resistências, mas a força de Deus dará o seu fruto. Seria absurdo deixar de semear.
Canto (sobre o tema) Leitura do texto: Mt 13, 1-23.Momento de silêncio. Perguntas para ajudar a refletir e a Partilhar o Evangelho e a vida.
1. O que chamou mais a sua atenção neste Evangelho?
2. Como Jesus apresenta o semeador? E quem é o semeador desta Parábola?
3. A Parábola do Semeador continua interpelando a todos nós: Que frutos poderiam produzir, hoje, a palavra de Jesus acolhida com fé em nossos corações?
4.  Como se semeia o Evangelho em nossas comunidades? Como podemos, Senhor, despertar entre nós a acolhida ao Semeador?
4.REZANDO A PALAVRA DE DEUS NA VIDA
1. O que este texto nos faz dizer a Deus?Colocar em forma de preces espontâneas tudo aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.Após cada prece cantemos “Põe a semente na terra ,/ não será em vão. /  Não te preocupe a  colheita. / Plantas para o irmão”.
2. Rezemos o Salmo 23 (22)
Encerramento: Marcar o texto para ser lido em casa: Mt 13,24-30. Dividir as tarefas: Preparar o ambiente, acolhimento, leitores.Avisos. Canto.  Pai Nosso. Ave – Maria.  Bênção. Despedida.

3° Círculo - VIVER EM COMUNIDADE
              JOIO E TRIGO CRESCEM JUNTOS –
1. INICIANDO O CÍRCULO
a) Acolhida do animador (a). Canto. Criar um bom ambiente
b) Invocação ao Espírito Santo. Oração Inicial.
c) Partilhar a experiência vivida a partir do último encontro.
2.OLHAR A PRÁTICA DA NOSSA COMUNIDADE
No Círculo de hoje, vamos meditar sobre a Parábola do joio e do trigo. Tanto na sociedade como na comunidade e na vida de todos nós existe tudo misturado qualidades boas e incoerências, limites e falhas. Nas nossas comunidades se reúne, as vezes, gente que vem de lugares e regiões diferentes. Cada um com a sua história, a sua vivência, a sua opinião, os seus anseios, as suas diferenças. Há pessoas que não sabem conviver com as diferenças. Querem ser juiz dos outros. Acham que só elas estão certas e os outros errados. A parábola do joio e do trigo ajuda a não cair na tentação de querer excluir da comunidade os que não pensam como nós. Vamos conversar sobre isto.
1. Como a mistura do joio e do trigo acontece em nossa comunidade?
2. Que consequências traz para a nossa vida?
3.OLHAR A PRÁTICA DE JESUS
Introdução à leitura do texto
L1.Vamos ouvir a parábola do joio e do trigo, tirada do Sermão das Parábolas. Nela aparecem as recomendações mais importantes para as comunidades da época e também para as comunidades de hoje. Durante séculos, por causa da observância das leis de pureza, os judeus tinham vivido separados das outras nações. Este isolamento marcou a vida deles Mesmo depois de convertidos, alguns continuavam nesta mesma observância que os separava dos outros. Qualquer sinal de impureza devia ser extirpado em nome de Deus. “Não pode haver tolerância com o pecado”, diziam eles. Mas outros, como Paulo, ensinavam que a nova lei de Deus trazida por Jesus estava pedindo o contrário! Não pode haver tolerância com o pecado, mas deve haver tolerância com o pecador!”
L2.Chegou o momento central, o coração do nosso encontro: a Palavra de Deus!  Vamos aclamar, com entusiasmo, o Santo Evangelho. Quem trouxe a sua Bíblia acompanhe a leitura na Bíblia.
Durante a leitura, observemos com atenção as atitudes dos empregados e a reação do Dono da terra. Cantemos.
Leitor 3.Proclamação do Evangelho de Mt. 13,24-30. Momento de silêncio. Perguntas para refletir e partilhar.
1. Vamos lembrar juntos a parábola que acabamos de ouvir.
2.               Qual a diferença entre a atitude dos empregados e a do dono da terra?
3. Qual o ponto da parábola que você mais gostou? Por quê?
4. Olhando no espelho da parábola, com quem a gente mais se parece? Por quê?
4.REZANDO A PALAVRA DE DEUS NA VIDA
1.               O que este Evangelho nos faz dizer a Deus? Colocar em forma de prece espontâneas tudo aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida. Como refrão, após cada prece, digamos:“Ajudai-nos, Senhor, a acolher as diferenças”!
2. Vamos rezar na Bíblia o Salmo 33 (32)
5.Encerramento: Marcar o texto para ser lido em casa: Mt 13.44-52 Dividir as tarefas: Preparar o ambiente,  acolhimento, leitores. Avisos. Canto. Bênção.

4° CírculoOS SEGREDOS DO REINO –
 UM TESOURO A SER DESCOBERTO
1.INICIANDO O CÍRCULO
a) Acolhida do animador. Canto. Criar um bom ambiente.
b) Invocação ao Espírito Santo. Oração Inicial.
c) Partilhar a experiência vivida a partir do último encontro
2.OLHNDO EXPERIÊNCIAS VIVIDAS
Conversar sobre a dificuldade que algumas pessoas têm de entender a prática e o compromisso de quem se envolve com as realizações da comunidade. Pessoas solidárias, nas lutas, acreditando ser possível um mundo melhor para todos. Refletir sobre os diferentes modos de compreender os engajamentos sociais e políticos.
3.ESCUTAR OS ENSINAMENTOS DE JESUS
L1. Nem todos se entusiasmavam com o projeto de Jesus, o Reino de Deus. Para “seduzir” os que permaneciam indiferentes, Jesus contou duas breves parábolas. Queria semear em todos uma pergunta decisiva: Não haverá na vida um  “segredo” que ainda não foi descoberto?
As palavras de Jesus eram “sedutoras”.  Descobrir um “tesouro” mais belo e atrativo, mais sólido e verdadeiro do que tudo o que estamos vivendo, desfrutando?Será que Deus é assim? Será isso encontrar-se com Ele?
L2. A descoberta do Reino de Deus muda a vida de quemo descobre. Sua alegria é inconfundível. Encontrou o essencial, o melhor que pode transformar sua vida. Vale a pena comprometer-se no seu projeto de humanizar a vida ou é mais prático e mais fácil ocupar-nos com o nosso bem estar?
A Parábola da rede mostra às comunidades qual será a sua sorte final, se perseverarem na opção definitiva pelo Reino de Justiça.
Leitor 3. Proclamação do Evangelho de Mt. 13,44-52.Momento de silêncio. Perguntas para refletir e partilhar
1. O que significa na nossa vida encontrar o tesouro escondido e a pérola preciosa?
2. Quem no tempo de Jesus, pode ter ficado por fora do que Ele queria dizer?
3. Quem hoje tem dificuldade para colocar em prática os ensinamentos de Jesus sobre a opção pelo reino de justiça, de partilha, de solidariedade?
4. Das parábolas refletidas, qual a que mais nos desafia? Por quê?
4.REZANDO A PALAVRA DE DEUS NA VIDA
1. O que este Evangelho nos faz dizer a Deus? Colocar em forma de prece espontâneas tudo aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida. Como refrão, após cada prece, digamos: “O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo”
2. Vamos rezar na Bíblia o Salmo 118 (117)
5.Encerramento: Avisos. Canto. Bênção.
Evangelizemos criando e animando Comunidades. 


43- Círculo Bíblico - Junho 2014 

 Círculos Bíblicos-Igreja: Comunidade dos Peregrinos da fé. Junho 2014
1° Encontro Do Sopro de Jesus nasce a Comunidade
1. Iniciando o encontro
·         Acolhimento do animador e canto
·         Invocação: O Espírito Santo e oração inicial
2. Introdução à Palavra de Deus
Leitor(a) 1: Somos convidados a meditar sobre a aparição de Jesus aos discípulos e a missão que eles receberam. Jesus se faz presente na comunidade. As portas fechadas não podem impedir que Ele esteja no meio dos que Nele acreditam. Até hoje é assim! Quando estamos reunidos, mesmo com todas as portas fechadas, Jesus está no meio de nós. E a Palavra de Jesus é e será sempre: “A paz esteja com vocês!” Paz significa construir uma convivência humana harmoniosa entre as pessoas. Esta foi a missão de Jesus, e é também a nossa missão.  Numa Palavra, é criar comunidade, a exemplo da Comunidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Por isso, Pentecostes é o nascimento da Igreja pelo envio de Jesus.  Canto: Paz, Paz de Cristo!
3. Deus nos fala
Canto de Aclamação. Ler na Bíblia: Jo 20,19-23  Chaves de Leitura:
1)    Por que estavam fechadas as portas onde se achavam os discípulos?
2)    Qual a atitude de Jesus, ao entrar na casa?
3)    Para você, o que significa ”receber o Espírito Santo”?
L2: Quando se capricha na reforma de uma casa antiga, mudando totalmente sua fachada, costuma- se dizer que ela ficou nova. A palavra nova é apenas força de expressão, pois a casa continua velha, apenas com aparência de nova. O que o Espírito de Deus realiza em nós não é uma reforma de fachada, não somos uma casa velha  e reformada, mas Nele somos recriados, renascidos e renovados passando a ser realmente novas criaturas, porque estamos em Cristo. A Paróquia, como casa, não pode ser um grupo fechado e particular que tenha exclusividade sobre o Espírito Santo, monopolizando seus dons e carismas. O Espírito Santo é derramado sobre todos e não canalizado para alguns em particular, como pensam algumas denominações religiosas. Canto.
L3. O Papa acusa a Igreja de ser de tal maneira exigente, em seus “padrões”, que desencoraja o conjunto das pessoas: muitos buscam atalhos, porque se apresentam demasiado alta a “medida” da grande Igreja. Também existem aqueles que reconhecem o ideal do homem e de vida, proposto pela Igreja, mas não têm a audácia de abraçá-lo. Pensam que este ideal seja grande demais para eles, esteja fora de suas possibilidades; a meta a alcançar é inatingível. Devemos levar em conta os “sinais dos tempos”: desejo de participação, que COM-PARTILHA. A missão da Evangelização é dada a toda a Igreja e não somente a um pequeno grupo. Todo batizado é missionário.
L3: A ideia de paróquia como casa ‘pretende fornecer o conceito de lar, ambiente de vida, referência e aconchego de todos os que transitam pelas estradas da vida. Recuperar a ideia de casa requer passar de uma paróquia centralizadora para uma paróquia Rede de Comunidades; “grupos capazes de se articular em, conseguindo que seus membros se sintam realmente discípulos e missionários de Jesus Cristo em comunhão”(n172).  Como nos diz o Papa Francisco: “O discípulo missionário é um descentralizado:o centro é Jesus Cristo, que convoca  e envia. O discípulo é enviado para as periferias existenciais”. Nas Comunidades Eclesiais de Base, fazemos a experiência do Ressuscitado, que nos envia em missão. Canto.
Anim. Fato da Vida – No último mês de janeiro, aconteceu o 13° Encontro de CEBs, em Juazeiro do Norte CE e, pela primeira vez, o encontro que envolve pessoas das comunidades de base de todo o Brasil recebeu uma carta de apoio do Papa. Atendendo aos apelos do Espírito Santo, que quer renovar toda a Igreja, o Papa Francisco chamava as comunidades a serem testemunhas do Evangelho vivo. E Dom Fernando Panico, Bispo de Crato, afirmava que: as CEBs são o jeito “normal” de ser Igreja. A Igreja é a casa mãe, que precisa acolher todos os seus filhos, inclusive os mais “machucados” pela vida.
4.Puxando conversa
a)    O que você achou mais importante no assunto desta reunião de hoje?
b)    Nós, batizados, nos sentimos verdadeiramente enviados por Jesus para Evangelizar?
c)    Você gostou de ter participado do 3° Encontro das CEBs da nossa Diocese, e o que você pode partilhar animando os que não participaram?
5.Rezando a Palavra de Deus na vida
1)    Que o envio missionário, recebido de Jesus em nosso Batismo, nos leve a continuar plantando as sementes do Reino na comunidade, rezemos. Todos: Senhor,fazei-nos perseverantes na missão.
2)    Que nossas comunidades se transformem em casa de acolhida a todos, sem excluir ninguém, rezemos. Todos: Senhor, fazei-nos perseverantes na missão.
3)    Preces espontâneas
6. Compromisso da semana: Participar da Festa de Pentecostes, no próximo domingo dia 08 de junho. Ler em casa Jo 3,16-18.
7. Encerramento: Avisos. Canto. Oração final:Pai Nosso, Ave-Maria, bênção e despedida.

2° Encontro – A TRINDADE NOS CONVOCA A SER COMUNIDADE
1.Iniciando o encontro
·         Acolhimento do animador e canto.
·          Invocação ao Espírito Santo e oração inicial.
·         Partilhar como foi a participação das celebrações de Pentecostes, no último domingo.
2. Introdução à Palavra de Deus
Leitor (a)1: Estamos reunidos em nome da Trindade. Celebrar este mistério é para nós um chamado ao compromisso com o amor de Deus por nós. Se o nosso Deus, Uno e Trino, nos amou e continua nos amando, apesar  de nossas fraquezas, devemos também nós nos comprometermos a viver esse amor, sobretudo porque somos nós, batizados, os convocados e enviados pelo Mestre Jesus, para anunciar o seu amor e o amor do Pai, pela força do Espírito, a todos os povos. Essa é a nossa missão como batizados. Esse anúncio passa, sobretudo, através do testemunho das nossas Comunidades, que são os lugares privilegiados da vivência e do compromisso com esse amor. Porque somos amados por Deus, devemos também nos amar, para sermos, para este mundo, anunciadores, com a vida, do grande amor de Deus. Canto.
3.Deus nos fala
Canto de Aclamação. Leitura na Bíblia: Jo 3,16-18.   Chave de Leitura
1)    Para que Deus enviou seu Filho ao mundo?
2)    O que acontece com quem age conforme a verdade?
3)    O que significa missão profética do Batismo?
L2: A paróquia é a casa da Palavra, que se torna a casa do discípulo que acolhe e pratica a Palavra. Se quisermos que as paróquias sejam centros de irradiação missionária em seus próprios territórios, elas devem ser também lugares de formação permanente. Isso exige que se organizem, nelas, várias instâncias formativas, que assegurem o acompanhamento de todos os agentes pastorais e dos leigos inseridos no mundo. (DA,306). Podemos destacar duas exigências para o protagonismo dos leigos. 1ª Exigência: o leigo deve recuperar a consciência de sua missão, como agente responsável de transformação não só no mundo mas também na Igreja; 2ª Exigência: As estruturas fechadas do poder hierárquico devem ser abertas e substituídas por estruturas de comunhão e participação. Canto.
L3: A Igreja, morada de Deus, casa do Pão, precisa, como o seu Senhor, acolher a todos. Devemos ser gestores abertos, inclusivos como Jesus: Jesus supera as barreiras do sexo, religião, etnia, e de classe. Ele não se fecha dentro da sua própria cultura, mas sabe reconhecer as coisas boas que existem em todas as pessoas. (Cf. CNBB,2013, n. 26)Cantando: Eu sou feliz é na comunidade, na comunidade eu sou feliz! (bis) ‘
L1: O Papa Francisco diz: “Quando a Igreja se erige em centro’, se funcionaliza e pouco a pouco se transforma em uma ONG. Então, a Igreja pretende ter luz própria e deixa de ser aquele ‘mysterium lunae’ (ou seja: o mistério da lua que reflete a luz do sol), Torna-se cada vez mais auto referencial e sua necessidade de ser missionária se enfraquece. Deixa de ser esposa para acabar sendo administradora, de servidora se transforma em ’controladora’. Aparecida quer uma Igreja Esposa, Mãe, Servidora, mais facilitadora da fé que controladora da fé”. Cantar: Somos a Igreja do pão, do pão repartido, do abraço e da paz!
L1: O Espírito humanitário, regado pela força da fé, nos leva a formar uma Igreja, capaz de prestar serviços aos mais pobres e necessitados Os Vicentinos e a pastoral da Criança são dois grupos que se dedicam a promover a vida dos preferidos de Jesus. Nossa fé cristã não é uma teoria. É um jeito de viver. É uma manifestação da amizade com Deus. Sem cair no assistencialismo, nossas comunidades precisam recuperar os gestos dos primeiros cristãos: “entre eles não havia necessitados”. Ser Igreja é ser missionário.
4.Puxando conversa
a)    Do que você mais gostou no assunto de hoje?
b)    Quantas pessoas nós temos, na nossa comunidade, que prestam serviços aos irmãos mais pobres?
c)     Como deve ser o rosto da nossa Igreja pintado pelo Papa Francisco?
5. Rezando a Palavra de Deus na vida
a)    Ajudai-nos,Senhor, a formar nossa Igreja sempre mais voltada para os pobres e necessitados, rezemos. Todos: Senhor,fazei-nos seguidores do vosso Filho, Jesus.
b)    Senhor, fazei de nós uma Igreja sempre mais comprometida com as causas do Evangelho, rezemos. Todos: Senhor,fazei-nos seguidores do vosso Filho
c)    Outras preces espontâneas.
6. Compromisso da semana: Procurar ajudar uma das famílias mais pobres da comunidade. Ler em casa o texto: Mateus 10,28-33.
7. Encerramento: Avisos. Canto. Oração final: Pai Nosso. Ave-Maria. Bênção e despedida.

3° Encontro – A fé nos ajuda a vencer os desafios da vida
1.Iniciando o nosso Círculo
a)    Acolhimento do animador e canto
a)    Invocação ao Espírito Santo e oração inicial
b)    Fazer a partilha da experiência da família visitada.
2 Introdução à Palavra de Deus
Leitor (a) 1: Enviando os discípulos em missão, Jesus fala sobre provocações por que passarão. O compromisso com Jesus é fonte de alegria, o que não exclui as tribulações que passarão, no que serão assistidos pelo Espírito do Pai. Todo aquele que quer ser discípulo de Jesus deve estar pronto para enfrentar os problemas decorrentes do discipulado. Ser discípulo de Jesus significa não aceitar os contra valores que estão presentes no mundo e, ao mesmo tempo, anunciar os valores do Evangelho. Ser discípulo de Jesus significa ser profeta da Nova Aliança e arcar com todas as consequências do agir profético, ou seja, a perseguição, o sofrimento e até mesmo a morte. A história da Igreja está repleta de mártires que acreditaram nos valores do Evangelho, foram perseguidos e derramaram o seu sangue como o Cristo.Cantar: É por causa do meu povo machucado,/ que acredito em religião libertadora/ É por causa de Jesus Ressuscitado,/ que acredito em religião libertadora!
3. Deus nos fala
Canto de Aclamação. Leitura na Bíblia: Mt. 10,28-33.Silêncio.  Chave de Leitura
1)    De quem Jesus pede para não termos medo?
2)    Qual a promessa de Jesus para aqueles que declaram a favor Dele perante os homens?
3)    Quais são os maiores desafios que encontramos para viver o Evangelho hoje?
L2. As tribulações, por amor a Jesus, não são motivo de tristeza, mas sim de alegria. O Deus que caminhou no deserto com o povo de Israel fez a sua morada entre nós(cf. Jo 1,14). Mostrou-se solidário conosco, fez-se um de nós; nasceu em Belém, a “casa do Pão”. Como sempre, o Evangelho não só ilumina a nossa fé, mas nos ajuda, também, a compreender a nossa realidade cotidiana. Da amizade, da intimidade com Jesus brota a missão. Como diz o Apóstolo João: “Aquilo que existia desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que contemplamos e o que nossas mãos apalparam: falamos da Palavra, que é a Vida... Isso anunciamos (1jo1,1-3). Por isso, a comunidade dos amigos e amigas de Jesus não pode ficar calada. Como Maria, tem a missão de ser servidora da Palavra de Deus, o que a faz ser neste mundo voz profética, libertadora e terna. Cantar: E mataram a Jesus de Nazaré/ E no meio de ladrões puseram sua cruz/ Mas o mundo ainda tem medo de Jesus/ que teve tanto amor.
L3: Atento aos sinais dos tempos, o Papa evoca a questão da adaptação às questões existenciais do homem de hoje, e leva em conta a existência de universos culturais diferentes. “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e angústias dos discípulos de Cristo” (GS). Crescem no mundo de hoje pessoas que se declaram indiferentes à religião e até mesmo em relação a Deus. Cresce o indiferentismo e o ateísmo. Cantar: Nossa alegria é saber que um dia/ todo esse povo se libertará,/ Pois Jesus Cristo é o Senhor da vida,/ nossa esperança se realizará.
L1.Precisamos de uma Igreja que saiba dialogar com aqueles discípulos, que, fugindo de Jerusalém, viajam sem meta, sozinhos, com o seu próprio desencanto, com a desilusão de uma religião sem compromisso, incapaz de gerar sentido. Hoje, precisamos de uma Igreja capaz de fazer companhia, aberta e acolhedora. Ajudar aos que não creem a descobrir as razões de nossa fé. E mesmo aos que crêem, mas  descomprometidos, devemos ajudá-los a descobrir o sentido de pertença a uma comunidade.Cantar o refrão: Cristo é a felicidade,/ Cristo é a felicidade!/ Sem ter amor nesta vida, não há/ quem seja feliz de verdade.
L2: Nossas famílias, pequenas Igrejas, devem ser escola da fé. A onda de paganismo acaba solapando valores profundamente humanos de nossas Igrejas domésticas. Solidariedade e partilha não se aprende na escola do mundo. A caridade fraterna será sempre a identidade dos seguidores de Cristo. Nossos Círculos Bíblicos – grupos de reflexão, comunidades, buscam na Palavra e na Eucaristia construir um mundo de partilha. A relação com Deus nunca pode vir desvinculada com o amor ao próximo. Essa relação com Deus e com o próximo são duas faces de uma mesma moeda.  Cantar: Jesus Cristo é o Senhor,/ o Senhor, o Senhor/Jesus Cristo é o Senhor/ Glória a ti, Senhor!
4. Puxando conversa
a)    O que mais chamou a sua atenção no encontro de hoje?
b)    O que significa: testemunhar Jesus Cristo diante dos homens?
c)    Comparando as famílias modernas com as famílias antigas, quais os valores mais importantes que ainda conservamos?
5.Rezando a Palavra de Deus na vida
a)    Para que nossas famílias nunca percam os verdadeiros valores humanos e cristãos, rezemos. Todos: Senhor, ajudai-nos a sermos firmes na fé.
b)    Para que nossas Igrejas sejam perseverantes no anúncio dos valores evangélicos, rezemos. Todos: Senhor, ajudai-nos a sermos firmes na fé.
c)    Para que as festas juninas nos ajudem a resgatar a cultura do dom e da partilha, rezemos: Senhor, ajudai-nos a sermos firmes na fé.
d)    Outras preces espontâneas.
6. Compromissos da semana- Ler em casa o texto de Mateus 16,13-20
7. Encerramento- Avisos. Canto. Oração final: Pai-nosso, Ave- Maria, bênção e despedida.

4° Círculo -Ser Comunidade de Jesus Cristo pela fé
1. Iniciando o encontro
a)    Acolhimento do Animador e canto
b)    Invocação ao Espírito Santo e oração inicial
c)    Fazer a partilha da conversa que tivemos com pessoas idosas que tivemos na semana.
2.Introdução à Palavra de Deus
Leitor (a) 1: Depois de sua missão na Judéia, Jesus parte para terras estrangeiras. Leva seus discípulos e discípulas para fazer um balanço de sua missão neste momento crítico. Jesus surpreende os seus com a pergunta: “Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?” Mt 16,13b). Desta maneira, Jesus antecipa sua vitória, não afasta o sofrimento, nem da sua vida, nem da vida da sua comunidade, mas oferece a esperança da vitória sobre a morte. Fundada numa fé forte como a rocha, e confiante nestas palavras de Jesus, as comunidades cristãs caminham entre luzes e sombras, buscando servir os homens e mulheres de todos os tempos, como aprendeu de seu Mestre e Senhor, para que todos tenham vida e vida em abundância. Cantar:Me chamaste para caminhar na vida contigo./ Decidi para sempre seguir-te e não voltar atrás./ Me puseste uma flecha na alma e uma brasa no peito./ É difícil agora viver sem lembrar-me de Ti.
3. Deus nos fala
Canto de Aclamação. Leitura na Bíblia: Mt 16,13-20 Silêncio. Chave de leitura:
1)    Qual a pergunta que Jesus faz aos seus discípulos em Cesaréia de Filipe?
2)    O que os discípulos responderam?
3)    Veja no versículo 15, a pergunta é dirigida diretamente aos discípulos.Quem respondeu e o que respondeu?
4)    Qual é a promessa de Jesus, ao ouvir Simão dizer que Ele é o Cristo, Filho de Deus?
L2 Na Palavra e na Eucaristia, o cristão, nova criatura pelo Batismo, vive uma nova dimensão na relação com Deus e com o próximo: a dimensão do amor-ágape. Nessa relação, temos que progredir; como diz Papa Francisco: “Num hospital de campanha, a emergência é curar as feridas”. A outra dimensão é a empatia afetiva e a proximidade:“Eu gostaria que hoje nos perguntássemos todos: Somos ainda uma Igreja capaz de aquecer o coração? Cantar o refrão: Quero que o meu coração/ Seja tão cheio de paz./ Que não se sinta capaz/ de sentir ódio ou rancor.
L3: Diz o Papa Francisco:Precisamos de ser uma Igreja que dá espaço ao mistério de Deus; uma Igreja que alberga de tal modo em si mesma esse mistério, que ele possa encantar as pessoas, atraí-las. Somente a beleza de Deus é o encanto que atraí. Deus faz-se levar para casa. Ele desperta no homem o desejo de guardá-lo em sua própria vida, em sua casa, em seu coração. Ele desperta em nós o desejo de chamar os vizinhos para dar-lhes a conhecer a sua beleza. A missão nasce precisamente dessa fascinação divina, dessa maravilha do encontro. Falamos de missão, de Igreja missionária. Pensamos nos mártires da nossa história. Sem a simplicidade do seu comportamento,a nossa missão está fadada ao fracasso.Cantar o refrão: Eu pensei muitas vezes calar e não dar nem resposta./ Eu pensei na fuga esconder-me, ir longe de ti./ Mas tua força venceu afinal e eu fiquei seduzido./ É difícil agora viver sem saudades de Ti.
L1. A renovação missionária das paróquias e comunidades exige de nós IMAGINAÇÃO e CRIATIVIDADE para chegar às multidões de afastados (n 173). O resultado do trabalho pastoral depende muito da criatividade do amor.A força da Igreja não reside nela própria, mas se esconde nas águas profundas de Deus, nas quais ela é chamada a lançar as redes. Não podemos afastar-nos da simplicidade; caso contrário, não compreendemos a linguagem do Mistério.
L2: Vivemos no mundo atual, onde a busca religiosa é forte. Mas a mentalidade do passageiro e do descartável leva as pessoas a não quererem compromissos com a comunidade. Cresce uma cultura da fé descomprometida. Isto nos leva ao erro de compreendermos a religião apenas como uma teoria. Os Círculos Bíblicos ou Grupos de Reflexão, ou Grupos de Rua nas Comunidades ou nas Paróquias aproximam as pessoas umas das outras e todas de Deus. A Igreja, fundada sobre a rocha, deve ser capaz de dar a razão da esperança e da fé que professa em seu fundador. Eu construirei a minha Igreja e nada poderá vencê-la. Vamos ver (Mt 13,18). Cantar um refrão sobre  Igreja.
4. Puxando conversa
a)    O que mais chamou sua atenção no encontro de hoje?
b)     O que significa: sobre esta Pedra eu construirei a minha Igreja?
c)    Quais as principais características ou qualidades de uma verdadeira Igreja de Cristo?
5.Rezando a Palavra de Deus na vida
a)    Para que nossos grupos e Círculos Bíblicos nunca se desanimem diante dos problemas da vida, rezemos. Todos: Senhor, ajudai-nos a sermos semeadores do Reino.
b)    Para que nossa Igreja seja perseverante nos valores da unidade, rezemos. Todos: Senhor, ajudai-nos a sermos semeadores do Reino.
c)    Outras preces espontâneas
6. Compromissos da semana: a) Procurar conhecer a nossa história, como foi a criação da nossa comunidade. b) Ler em casa: Mt 11,25-30.
7. Encerramento: Avisos. Canto. Oração final: Pai Nosso, Ave-Maria, bênção e despedida.


42 - Círculo Bíblico - Maio 2014 

1° Círculo -      O primeiro Círculo Bíblico Lc 24,13-35
PREPARAR O AMBIENTE: Colocar em destaque a Bíblia, alimentos para partilhar no final do encontro
1. ACOLHIDA
v  Um canto inicial
v  Criar um bom ambiente
v  Invocar a luz do Espírito Santo
v  Lembrar o compromisso assumido no encontro anterior.
2. A VIDA ILUMINA A BÍBLIA
Vamos conversar sobre a experiência do Círculo bíblico. Que tipo de ajuda o grupo tem, ao ligar Bíblia e vida?
3- A BÍBLIA ILUMINA A VIDA
Animador: Ao ouvir o texto, vamos perceber como foi o desenrolar dos fatos acontecidos no caminho de Emaús.
Aclamação ao Evangelho. Ler o texto: Lucas 24,13-35. Instante de silêncio.
4. A PARTILHA DA PALAVRA ESQUENTA O CORAÇÃO
1)    Anim: Quais foram as etapas do encontro de Jesus com os caminhantes para Emaús? Vamos colocar na sequência o que aconteceu.
2)    Como o modo de agir de Jesus e dos dois discípulos(um casal)  pode ser comparado com o que fazemos no Círculo Bíblico? Dá para confirmar que esse deve ter sido o primeiro Círculo Bíblico?  Por quê?
3)    “A Palavra esquenta o coração, mas o gesto é que abre os olhos”. Como isso pode ser confirmado no texto?
4)     O que nos ensina este modo de agir de Jesus com os discípulos?
Leitor 1: FATO DA VIDA: Maria é uma senhora que gosta de cantar as ladainhas, os cantos bonitos da Igreja e tem um coração cheio de amor e carinho. Participa dos acontecimentos da comunidade e, sempre que existe uma campanha, ela é a primeira a fazer a sua doação. Tem uma sensibilidade muito grande para ver a necessidade dos outros. Sabe aproximar e ajudar, envolvendo também outras pessoas. Interessante foi quando alguém falou para ela: Você tira dinheiro das latinhas para fazer doação, e o que sobra para você?  Muito mais do que eu dou, respondeu ela, porque eu sinto Deus multiplicando tudo o que preciso dentro de minha casa, e nunca faltou nada para mim.
Leitor 2. Em Comunidade, fazemos uma experiência mais profunda de Cristo no meio de nós.. Aprendemos com a Palavra de Deus a caminhar juntos, a conhecer a nossa realidade, a lutar pelo bem de todos. .Assim, construímos  o Reino de Deus no meio de nós e para nós. Cantar (à escolha)
5. Puxando conversa:
1.    O que mais nos chamou atenção no texto bíblico e no fato da vida?
2.    .Estamos vivendo o nosso compromisso missionário? Como?
6-Rezar a Palavra de Deus na vida:
v  Preces: Vamos expressar em forma de preces os pedidos e os compromissos que surgiram no nosso coração nas reflexões deste encontro.
v  Salmo: Vamos rezar o Sl 15 Glória ao Pai.. Pai Nosso Ave Maria.
7. Compromissos da semana
Buscar praticar este jeito de solidariedade de Jesus...
. Ler em casa: João 10,7-18, preparando o próximo encontro
8. Encerramento: Avisos, canto, bênção, despedida.

2° Círculo A Pastoral de Jesus Jo10,7-18
Acolhida
v  Um canto Inicial
v  Criar bom ambiente
v  Invocar a luz do Espírito Santo
v  Lembrar o compromisso do encontro anterior
1. Abrir os olhos para ver
Leitor1: A palavra “pastoral” vem de “Pastor”. Pastor é aquele que cuida das ovelhas e as conduz para verdes pastagens (Sl 23,2) Jesus se apresentava como o Bom Pastor. De fato, o que mais chamava atenção era a bondade e a ternura com que ele acolhia o povo, sobretudo os pobres. Deus se fazia presente nesta atitude de ternura acolhedora. Jesus não só falava sobre Deus, mas também o revelava. Comunicava algo que ele mesmo vivia e experimentava.
Leitor 2: Sua “Pastoral” valorizava as pessoas e as estimulava a se firmar em Deus e a ter confiança em si mesmas. Alguns exemplos: Ele elogiou o escriba quando este chegou a entender que o amor a Deus e ao próximo era o centro da lei de Deus.  Animou Jairo. Curou a mulher com fluxo de sangue. Encorajou o cego Bartimeu e o pai do menino epiléptico. Revelou o valor da esmola sem valor da viúva. Consolou e curou os doentes.
Leitor 3-Jesus era o Bom Pastor. A Pastoral de Jesus irradiava luz sobre os discípulos e fazia nascer neles maior liberdade e coragem de ação, frente aos costumes religiosos da época..
Animador: Como fazemos o nosso trabalho Pastoral? Somos Pastores( pastoras) como Jesus?
Deus nos fala – Aprender com Jesus, ser Pastor ( pastora).
3.    Animador (a): Vamos ouvir Jesus se apresentar ao povo como o Bom Pastor. Durante a leitura vamos ficar com esta pergunta: Quais são as características de Jesus como Bom Pastor?
Canto de Aclamação. Ler João 10,7-18. Momento de silêncio.
1.    Qual o ponto que me chamou mais atenção nestas palavras de Jesus? Por quê?
2.    Quais são, uma por uma, as características de Jesus como Bom Pastor?
3.    Meditando sobre as palavras de Jesus, qual o segredo mais profundo da ação do Pastor ou da ação Pastoral?
4.    O que deve melhorar na nossa Pastoral para estarmos mais de acordo com a atitude de Jesus?
5.    Orientação pastoral do Papa Francisco: “Quando se assume um objetivo pastoral e um estilo missionário que chegue realmente a todos, sem exceções nem exclusões, o núcleo concentra-se no essencial, no que é mais belo, mais importante, mais atraente e, ao mesmo tempo, mais necessário. A proposta acaba simplificada, sem com isso perder a profundidade e verdade, e, assim, se torna mais convincente e radiosa”. (Exortação Apostólica 198-  n°35)
Vamos comentar esta orientação do Papa Francisco...
3. Rezar a Palavra de Deus.
v  Preces: Vamos expressar em forma de preces os pedidos e os compromissos que surgiram no nosso coração durante as reflexões deste encontro.
v  Salmo: Vamos rezar o Salmo 23. Glória ao Pai... Pai nosso. Ave Maria
4. Compromissos da semana:
v  O sentido fundamental da pastoral é ir às pessoas por Cristo e conduzi-las através dele ao verdadeiro bem. A quem iremos nesta semana? Vamos combinar como e com quem iremos.
v  Ler em casa João 14,1-12 preparando o próximo encontro.
5. Encerramento: Avisos, canto, bênção, despedida.

3° Círculo – Jesus, Caminho, Verdade e Vida
Acolhida
v  Um canto Inicial
v  Criar bom ambiente
v  Invocar a luz do Espírito Santo
v  Partilhar o compromisso da semana.
1. Abrir os olhos para ver
Leitor 1. Existe um desejo muito profundo dentro do coração de cada pessoa: o desejo de ver a Deus, de falar com Deus, de conhecer a Deus. Há uma canção do Pe. Zezinho que expressa este desejo. Ele canta assim:“Estou com saudades de Deus”. Muitos revelaram esta experiência do desejo de Deus. Santo Agostinho disse:“O meu coração está irrequieto enquanto não repousa em Deus”.Sta. Teresa fala: “Não te perturbes, nada te espante, basta Deus, só Deus!”  Você já observou o quanto os salmos falam deste profundo desejo de Deus que existe no coração do ser humano?
Leitor2. Os Evangelhos nos mostram que tudo em Jesus – sua liberdade, suas palavras inspiradas, seu agir libertador, seu amor profundo aos excluídos- têm uma raiz, uma origem:  sua profunda experiência de Deus.O Pai era sua grande referência, seu primeiro e derradeiro amor. Em tudo buscava, via e sentia a vontade, o desejo, sobretudo a presença amorosa de Deus, seu Pai.
Partilhemos a nossa experiência espiritual: você já viveu ou vive a experiência do desejo de Deus, ou de sentir saudades de Deus? Como você reage?
2. Deus nos fala- João 14,1-12
Animador (a)- O texto de hoje, do Evangelho de João, é uma conversa íntima, espiritual, muito profunda e bonita de Jesus com os seus discípulos. Vamos ouvir, como se estivéssemos presentes.  Prestemos atenção em duas coisas: a preocupação de Jesus com os seus discípulos; e o que Ele diz respondendo às perguntas de Tomé e de Filipe.
Canto. Leitura:João 14,1-12. Ler o texto mais uma vez, por partes: leitor 1: vers. 1 a 4;  L 2:vers. 5 a 7; L. 3:vers.8 a 12.
Partilha da Palavra:
1.    O que mais chamou a sua atenção nesta conversa de Jesus com os seus discípulos?
2.    Qual a resposta de Jesus às perguntas de Tomé e de Filipe?
3.    Veja a relação entre os versículos 4-6 e Êxodo 33,14.
3. Rezar a Palavra de Deus.
Anim. “O que pedirdes em meu nome eu o farei, para que pelo Filho se manifeste a glória do Pai. Se pedis algo em meu nome, eu o farei”, disse Jesus.
v  Vamos expressar em forma de preces os pedidos e os compromissos que surgiram no nosso coração durante as reflexões deste encontro..
v  Rezemos juntos: “Deus é amor”. Amor que ama primeiro e é conhecido em Jesus, mas também quando amamos nossos irmãos.
v  Salmo: Vamos rezar ou cantar o Sl 24.Glória ao Pai. Pai Nosso. Ave Maria.
4 Compromissos da semana:  Seguindo o “caminho”, que é Jesus, fazer algo concreto em comunidade que expresse  o amor de Deus.
5. Encerramento: Avisos, canto, bênção, despedida.

4° Círculo Bíblico – Promessa do Espírito
1. Acolhida
v  Um canto Inicial
v  Criar bom ambiente  
v  Invocar a luz do Espírito Santo
v  Partilhar o compromisso da semana
2. Abrir os olhos para ver
Leitor1.Na vida, em todos os ambientes: família, trabalho, comunidade observa-se que quem revela amar mais assume mais compromissos, mas também, recebe maior consideração e amizades. Há um dito popular: “quem dá recebe em dobro”. “Quem ama cuida”.
Leitor 2.Em Dt 6,4-5 Escuta, Israel, o Senhor nosso Deus é somente um. Amarás o Senhor teu Deus com todo o coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças”. Se inculca o amor de Deus com toda a alma, a seguir se inculcam a  lembrança e a observância dos mandamentos. Em Jo 14, 15-21 Jesus propõe o mesmo esquema: do guardar seus mandamentos se seguirão os dons: O Espírito da Verdade, o amor do Pai, a presença do Pai e do Filho no fiel.
3. Deus nos fala
Canto de acolhida ao evangelho. Leitura de João 14,15-21. Silêncio. Partilha da Palavra.
1.    O que chama a sua atenção neste texto?
2.    Como você sente o amor de Deus e como o manifesta em sua vida?
3.    Qual a condição que Jesus coloca para que possamos receber o Espírito Santo?
4.    Qual a importância da ação do Espírito Santo na nossa vida pessoal, na Igreja e no mundo?
Orientação Pastoral do Papa Francisco: É o Espírito Santo, enviado pelo Pai e o Filho, que transforma os nosso corações e nos torna capazes de entrar na comunhão perfeita da Santíssima Trindade. O Espírito Santo constrói a comunhão e a harmonia do povo de Deus. Ele mesmo é a harmonia, tal como é o vínculo de amor entre o Pai e o Filho. É ele que suscita uma abundante diversificada riqueza de dons e, ao mesmo tempo, constrói uma unidade numa multiforme harmonia que atrai. (Exortação Apostólica 198)
3. Rezar a Palavra de Deus.
Anim. Rezemos juntos-: o que disse Jesus: “Quem me ama será amado por meu Pai; eu o amarei e me manifestarei a ele”.
v  Preces: Vamos expressar em forma de preces os pedidos e os compromissos que surgiram no nosso coração durante este encontro.
v  Salmo 138.
4. Encerramento: Avisos, canto, bênção, despedida..


41 - Círculo Bíblico - Abril 2014

Círculos Bíblicos- Abril 2014
Nestes Círculos Bíblicos consideramos dois objetivos: 1) Fazer conhecido o 13° Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base, realizado em Juazeiro, nos dias 7 a 11 de Janeiro de 2014, que foi realmente um acreditarna caminhada das CEBs.2) Preparar  o nosso 3° Encontro  Diocesano de CEBs, que será no  dia    27 de Abril, em Guarabira.  Tema: A Dimensão Profética e Missionária das CEBs.

1° Círculo - Alegria, emoção,esperança  marcaram o 13° Intereclesial das CEBs
1.Iniciando o encontro. 
a)    Preparar o ambiente.
b)     Acolhercom entusiasmo..  Falar dos objetivos dos encontros deste mês.
c)    Oraçãoinicial Invocando o Espírito Santo.
2. Apresentando o 13° Intereclesial – Vamos refletir a partir de um trecho da carta da CartaFinal 13° Intereclesial de Base ao Povo de Deus , em Juazeiro do Norte. 7a11/1
L1. Em atitude Romeira, o povo das Comunidades Eclesiais de Base de todos os cantos do Brasil Chegou a Juazeiro, respondendo o chamado da grande fogueira acesa pela Diocese de Crato CE, convocando para o XIII Intereclesial. A luz da fogueira alumiou tão alto que fez chegar representante de Igrejas Evangélicas e de outras religiões. Até foi avistada em toda a América Latina e Caribe, Europa, África e Ásia.
L2. O Cariri, “coração alegre do Nordeste”, se tornou a casa onde se encontraram a fé profunda do povo Romeiro, nascida do testemunho do Pe Ibiapina e do Pe Cícero, da beata Maria Madalena do Espírito Santo e do beato Zé Lourenço, com a fé encarnada do povo das CEB’s nascida do grito profético por justiça e da utopia do Reino. Houve um encontro entre a Religiosidadepopular e a Religiosidade libertadora das CEB’s as duas reafirmaram seu seguimento de Jesus de Nazaré, vivido na fé e no compromisso com a justiça a serviço da vida.  Bem aventurado o povo que acreditou! A moda da viola e da sanfona cantou este acreditar.Canto:
L3.As palavras de Dom Fernando Panico, Bispo de Crato, na celebração de abertura confirmou este acreditar proclamando: “As CEBs são o Jeito da Igreja ser. As CEB’s são o Jeito “normal” da Igreja ser. Jeito normal de o povo de Deus responder no hoje à  proposta de Jesus: ser comunidade a serviço da vida.
Ao ouvir a proclamação destaboa notícia, o ventre  do povo que veio em romaria para Juazeiro do Norte, ficou de novo grávido deste sonho. A esperança foi fortalecida, a perseverança e a resistência na luta foram confirmadas. O compromisso com a justiça a serviço do bem viver foi assumido.
L1.A vivência comunitária no terreiro do semiárido renovou nosso acreditar. Exultamos de alegria como as crianças que saltaram de alegriano ventre das mães vislumbrando o novo. O Reino se fez presente no meio de nós. Seus sinais estão presentes na irmandade: Oramos, reavivamos à nossa frente rostos de profetas e mártires da caminhada, refletimos e debatemos, formamos a mesma fila para comer juntos  a gostosa comida  do Cariri, à mesma pia lavamos os nossos pratos. Na circularidade do serviço, do canto, do testemunho, reafirmamos o compromisso de ser CEB’sRomeiras do Reino, profetas da justiça que lutam pela vida, a serviço do bem viver, sementes do Reino e da sua justiça, comunidades profetas da esperança e da alegria do Evangelho.
O que chama a sua atenção neste texto da carta do 13° Intereclesial?
b) E sobre o encontro Diocesano das Comunidades que realizamosem Guarabira no ano passado, de que você se lembra? o que mais gostou?  Que frutos colhemos para as nossas comunidade?
3. Deus nos fala
Canto de aclamação. Ler At 4,31-36. Um instante de silêncio, atento ao que foi lido. Chave de leitura: “tudo o que tinham era comum. Não havia necessitado”. Esta era a forma de vida dos que tinham “um só coração e uma só alma” por terem abraçado a fé.
1)    Que mudança esta forma de vida dos primeiros cristãosprovoca em nós?
2)    Que barreirasprecisamos quebrar para vivermos este testemunho dos primeiros cristãos?
3)    O que chama a sua atenção neste texto da carta do 13° Intereclesial?
4)     E sobre o encontro Diocesano das Comunidades que realizamosem Guarabira no ano passado, de que você se lembra? o que mais gostou?  Que frutos colhemospara as nossas comunidade?
4.  Rezar a Palavra de Deus na vida
a) Senhor,que nos destes o mandamento do amor, ajuda- nos a quebrarmos  a crosta do nosso egoísmo e vivermos em verdadeira comunhão com o outro, tornando a vida mais alegre,  mais feliz. Ensina-nos a ser Comunidade.Rezemos ...     b) Preces espontâneas.
5. Atenção! Boa Notícia para as Comunidades!!!No dia 27 de Abril, em Guarabira, vamos realizar o nosso 3° Encontro de CEB’s.      Todas as Comunidades, osGrupos dos Círculos Bíblicos, outros grupos da paróquia, Rede de Comunidades, estão convidados a participar. Na carta enviada aos Párocos e às Comunidades, em anexo, está a programação da participação por Regiões Pastorais.
6. Compromisso da semana-Procurar a carta einiciar a movimentar-se preparando a participação da sua comunidade no encontrão das CEB’s.
7.Oração final: Canto – Bênção.

2°CírculoA Dimensão Profética das CEBs “não deixe cair a  profecia!”
1.Iniciando o encontro.
Preparar o ambiente- Bíblia e flores, fotografias de profetas e profetizas da nossa Igreja, da nossa comunidade.
1.Acolhida- Criar ambiente acolhedor. Dar as Boas vindas. Lembrar os compromissos assumidos o encontro anterior.
Hoje vamos refletir sobre a Dimensão Profética das CEBs. A profecia nasce do Divino Espírito Santo que sustenta nossa caminhada. Estamos nos preparando paro o 3° Encontro Diocesano das CEBs, que é uma graça que Deus está nos oferecendo. Vamosacolhe-la com alegria. Invoquemos a luz do Espírito Santo.Canto
 2. Testemunhos de Profecia -Carta do 13° Intereclesial
L1- A alegria estourou como fogos a vista e do meio da alegria escutamos a memória da voz queridade Dom Helder Câmara, a se fazer ouvir: Não deixem a Profecia cair! Não deixem a profecia cair!
A profecia não caiu.  Ecoou nas palavras do Índio Anastácio: “Roubaram nossos frutos, arrancaram nossas folhas, queimaram nossos troncos, mas não deixamos arrancar nossas raízes”.  Raízes indígenas e quilombolas que afundam na memória dos ancestrais, no sonho de viver em terras demarcadas, livres para dançar, celebrar e festejar a terra que é mãe.Cantar
L2. Emergiu a memória do Pe. Ibiapina que já ensinava a construção de cisternas de pedra e cal e o plantio de árvores frutíferas, para conviver com a realidade do semiárido. Reanimavaassim a esperança e a dignidade do povo sertanejo. O protagonismo da beata Maria Araújo canalizou o desejo mais profundo de vida e vida em abundância. O Pe. Cícero e o beato Zé Lourenço continuaram acolhendo os excluídos no mesmo espírito deIbiapina. Organizaram a comunidade do Caldeirão movida pela fé, trabalho, fartura e liberdade. Esta forma de convivência com o semiárido tem continuidade nas CEB’s, nas pastorais e entidades comprometidas com os pobres.
L3. A profecia ecoou na análise de conjuntura, que levou a constatar que o Brasil ainda precisa reconhecer que no campo e na cidade,não basta realizar grandes projetos. O grande capital prioriza o agro e o hidronegócio e as mineradoras, continuando a expulsar do campo para concentrar as pessoas nas cidades, tornando-as objeto de manipulação e exploração. De concepções dominadoras e produtoras de profundas injustiças. O povo continua sendo despojado de sua dignidade: seus filhos e filhas definham no mercado das drogas e no tráfico de pessoas; é destituídode seus direitos à saúde, educação moradia, lazer; a juventude é exterminada, obscurecendo a possibilidade de se projetar no futuro por falta de oportunidades.Cantar o refrão:
L1. O amor é manifestado na profecia da mulher que no acariciar, no amassar o pão, na liderança e revolução carrega em seu ventre a nossa libertação; na profecia que por amor à justiça se torna ecumênica; em Jesus de Nazaré que por primeiro viveu a justiça e a profecia a serviço da vida e nos desafia a sermos CEB’s Romeiras do Reino no campo e na cidade.
3-Deus nos fala
1.    Canto de Aclamação. Chave de leitura-A Palavra que  vamos ouvir, traz  logo no início esta belíssima expressão profética:  ‘Onde está o teu tesouro, aí está o teu coração”. O coração na Bíblia é visto como centro da vida consciente e livre. Inspirados no tesouro que é Jesus, somos chamados a viver na comunidade a nossa vocação profética, buscando e anunciando o Reino de Deus.
Ler o texto: LucasI2,32- 48. Momento de Silêncio. Partilhar:
1.           O que mais chamou a sua atenção neste texto do Evangelho?
2.            Quais são os gritos proféticos de Jesus presentes neste texto?
3.           Qual foi o ponto principal da profecia de Jesus, que aparece nos Evangelhos? 
4.           O que mais chamou a sua atenção nos testemunhos proféticosno trecho da carta do XIII Intereclesial?
5.           Quais os sinais proféticos percebemos na nossa Igreja,na nossa comunidade?

4-Rezar à luz da Palavra de Deus para transformá-la em vida
1) O que estas reflexões que estamos fazendo nos levam a falar com Deus?  Colocar tudo issoem forma de preces espontâneas.2)  Rezar o Sl 74.
5-Nosso Compromisso na semana: Continuar a preparação para a nossa participação no 3° encontro das CEB’s no dia 27. Que testemunho profético nossa comunidade pode partilhar no encontro?
6- Avisos. Despedida. Bênção e canto.

3° Círculo – Comunidade missionária para anunciar o amor
Preparar o ambiente. Bíblia, vela flores, cartilha dos direitosdo idoso, dos direitos da criança e do adolescente, fotos ou gravura de grupos em missão.
1.Iniciando o encontro.  Acolher com um canto e um abraço fraterno.
1.           Oração Invocando o Espírito Santo.
2.           Ver os compromissos assumidos no encontro anterior. Como está a nossa preparação para o encontro Diocesano das CEB’s?
3.            Lembrar que precisamos levar lanche para partilhar no café da manhã.
2.Introdução à Palavra de Deus  L1. Nas comunidades, para as quais Mateus escreve o seu Evangelho, havia opiniões diferentes frente à Lei. Para alguns ela não tinha mais sentido. Para outros, a Lei devia ser cumprida até nos mínimos detalhes. Por isso havia muitos conflitos e brigas. Uns chamavam os outros de imbecis e de idiotas. Através deste texto Mateus tenta ajudar os dois grupos a entenderem o verdadeiro sentido da Lei. Só observa plenamente a Lei quem pratica o amor. Todos: Quem ama o próximo cumpre a Lei de Deus!
3. Deus nos fala
a)    Canto de Aclamação. Leitura na Bíblia: Mt 5,17-37. Silênciopara lembra o que escutou. Chave de leitura:
1.    O que Jesus quis dizer no versículo 17?
2.    Quando Jesus cita cinco mandamentos da antiga Lei dos Judeus, o que na verdade Ele queria que a comunidade observasse no seu dia a dia?
3.    É fácil a reconciliação na família e na comunidade? Por que?
L2: O Evangelho de hoje traz alguns conselhos de Jesus para ajudar a enfrentar e superar os conflitos que surgem dentro da família, da comunidade e da missão. Pois onde pessoas humanas convivem, é natural que apareçam dificuldades de relacionamentos. Seremos justos diante de Deus, quando acolhemos e perdoamos as pessoas, da mesma maneira como Deus nos acolhe e nos perdoa, apesar de nossos defeitos e erros. Cantando: O Deus que me criou me quis,me consagrou para anunciar o seu amor!
L3: Fato da vidaNas Olimpíadas Especiais de Seattle, Washington, em 1989, nove participantes, todos com deficiência física ou mental alinharam-se para largada da corrida dos 100 metros rasos. Ao sinal todos partiram,não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar.  Todos, com exceção de um garoto, que tropeçou no asfalto, caiu rolando e começou a chorar. Os outros oito ouviram o choro. Diminuíram o passo e olharam para trás. Então eles viraram e voltaram. Todos eles. Uma das meninas, comSíndrome de Down, ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse: “Pronto, agora vai sarar”. E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada. Cantar: O Deus que me criou me quis,me consagrou para anunciar o teu amor!
L1: Deacordo com os Evangelhos, após o batizado Jesus inicia sua vida pública. Passou a se identificar com a missão do servo de Deus, anunciado por Isaias: “Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos.” (Mc10,45)  A certeza da presença do Espírito de Deus em sua vida dava-lhe a consciência clara de ser chamado para “anunciar a Boa Nova aos pobres, proclamar a libertação aos presos e, aos cegos, a recuperação das vista; para dar liberdade aos oprimidos e proclamar um ano aceito da parte do Senhor” (Lc 4,18-19) Jesus aponta um caminho novo para atingir o objetivo da lei, através da reconciliação, do acolhimento e da prática do amor. Cantar o refrão: Prova de amor maior não há/ que doar a vida pelo irmão! (bis)
L2: O Papa Francisco, em uma de suas Homilias disse: “Sede também vós verdadeiros evangelizadores!As vossas iniciativas sejam “pontes”, estradas, que levam a Cristo, a fim de caminhardes com Ele. E, neste espírito, permanecei sempre atentos à caridade. Cada cristão e cada comunidade é missionária, na medida em que transmite e vive o Evangelho e testemunha o amor de Deus por todos, especialmente por quem se encontra em dificuldade”. Esta é a missão da comunidade: “ser missionária do amor e da ternura de Deus”. Cantar: Eu sou como a chuva em terra seca, / Pra saciar, fazer brotar./ Eu vivo pra amar e pra servir! È missão de todos nós!/ Deus chama,/ eu quero ouvir a sua voz!
4.  Puxando conversa
1.O que mais chamou a sua atenção no texto bíblico, no fato da vida e no tema apresentado nos leitores?
2. De que maneira os conselhos de Jesus podem ajudar a melhorar o relacionamento dentro da nossa família e da nossa comunidade?
5. Rezar a Palavra de Deus na vida
a)    Para que arranquemos de nós a raiva, o desejo de vingança e a exploração, rezemos.  Todos: Ajudai-nos, Senhor a viver o amor!
b)    Para que através da experiência do amor verdadeiro, possamos enfrentar e superar os conflitos dentro da família e da comunidade, rezemos...
c)    Para que nasnossas comunidades sejamos profetas de esperança e da alegria do Evangelho, rezemos...
Preces espontâneas
6.Compromisso da semana – Ver o que ainda falta na preparação  do 3° Encontro Diocesano das CEB’s  e colaborar. Preparar o lanche para ser partilhado pela manhã. Que testemunho missionário a sua comunidade pode partilhar no encontro?
7. Encerramento: Avisos / canto. Pai Nosso, Ave Maria Bênção. Despedida.


40 - Círculos Bíblicos - Março 2014

 Campanha da Fraternidade 2014

Tema: Fraternidade e Tráfico Humano

Lema: É para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl 5,1)

(Texto da CF 2014 – CNBB)

1° Círculo “Onde está o teu irmão? (Gn 1,9)

1. Iniciando nosso encontro

a)    Preparando o ambiente: Arranjo, destacando a Bíblia, vela acesa, cartaz da CF e algo que lembre os rostos sofridos do tráfico humano.

b)    Acolhida: Acolher com um abraço fraterno e um canto acolhedor.

c)    Animador: Sinal da Cruz, invocação ao Espírito Santo (rezada ou cantada)

2. Comentário do tema do encontro

L1: A Campanha da Fraternidade nos leva a contemplar o rosto de Cristo sofredor nos sofredores dos dias de hoje. Jesus continua sendo perseguido, preso, condenado e crucificado nos crucificados de nossa história. Este ano somos convidados a contemplar Jesus no drama de vida de muitas pessoas que são traficadas, exploradas e até mortas. Esta CF quer nos ajudar a identificar estes rostos sofridos, vítimas do tráfico humano. São irmãos nossos sacrificados em nome do capital e da vantagem financeira. Diante desta situação, a Palavra de Deus nos recorda que somos responsáveis uns pelos outros. Deus também nos pergunta como perguntou a Caim: “Onde está o teu irmão Abel?” (Gn 4,9)

3. Deus nos Fala – Canto de Aclamação. Ler na Bíblia: Gênesis 4,1-10.

Animador: Vamos refletir

1.    Qual a diferença entre a oferenda de Caim e a oferenda de Abel?

2.    Por que Caim mata seu irmão?

3.    Qual a reação de Deus diante da morte de Abel?

4.    Qual a nossa reação diante das pessoas desaparecidas e escravizadas, hoje?

L.3. Caim e Abel são irmãos. A Bíblia recorda sempre que também nós somos todos irmãos. Deus quer que sejamos protetores, zeladores de nossos irmãos e de nossas irmãs. O egoísmo e a busca desenfreada pelo dinheiro e poder têm feito que irmãos se tornem exploradores dos próprios irmãos. Ainda hoje há pessoas como Caim que exploram e matam os próprios irmãos. Isto destrói a fraternidade. Assim, ao tratar da situação do tráfico humano, a Igreja no Brasil deseja reforçar e recuperar o sentido de fraternidade em nossas comunidades e na sociedade de hoje. Cada pessoa traficada, explorada ou escravizada é um reflexo do Cristo Sofredor que celebramos durante a Quaresma. Canto: Entre nós está e não o conhecemos, entre nós está e nós o desprezamos. (bis)

L.1. Esta CF reaviva para cada cristão a pergunta que Deus faz a Caim. “Onde está o teu irmão?” Deus espera de nós uma resposta mais comprometida que a resposta dada por Caim. Não podemos ignorar a sorte, o destino de tantas pessoas escravizadas, abusadas, exploradas. O sangue de Abel, espalhado pelo chão, clamava a Deus. Hoje o sangue, o suor e as lágrimas de tantos agredidos pelo tráfico humano também clamam a Deus. Sim, somos os guardiões de nossos irmãos, somos devedores do amor ao próximo. “amarás o Senhor teu Deus (...) amarás teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22, 37-40) Canto: Eis-me aqui, Senhor; eis-me aqui, Senhor:/ Pra fazer tua vontade, pra viver no teu amor: (bis) Eis-me aqui, Senhor.

L.2. No relato da criação, vemos que Deus nos criou para a liberdade e para uma vida digna. Deus nos criou homens e mulheres livres. Assim, quando há irmão escravizando irmão, quando há irmão tirando a vida do irmão é sinal de que o pecado da violência e da ganância está desprezando o plano da fraternidade querida por Deus. A Sagrada Escritura testemunha que Deus se volta decididamente para a defesa dos que sofrem violência e injustiça. Deus não deixa seus filhos abandonados. Ele desce para libertá-los e conta conosco nesta tarefa. Também nós temos a missão de zelar pela vida. Também nós viemos ao mundo para que todos tenham vida em abundância. Canto: Eu vim para que todos tenham vida. Que todos tenham vida plenamente. (Bis)

L.3. Fato da vida que nos coloca mais perto desta realidade: “O Conselho tutelar de uma cidade no Pará denunciou a existência de uma realidade de tráfico humano no município. Pelo menos 12 jovens era forçados a se prostituir em uma boate. O conselho recebeu a denúncia  de um rapaz e uma adolescente que conseguiram fugir da boate. Havia ali de 12 a 15 mulheres. Elas vinham de Santa  Catarina, eram levadas para essa boate e forçadas a se prostituir. As jovens seriam aliciadas com a promessa de uma renda mensal de 14 mil. Porém, ao chegarem ao Pará,  eram mantidas em regime de cárcere privado, vigiadas por capangas armados. Elas ficavam trancadas em quartos sem ventilação. Elas já chegavam devendo 3 mil da passagem aérea.

4. Nossa resposta à Palavra- Animador: Diante desta realidade do tráfico humano, enxergamos as vítimas como nossos irmãos ou como simples desconhecidos? O que fazer para melhorar nossa atitude? (Tempo para discussão)

5. Rezar a Palavra de Deus na vida:a)Senhor, ajudai-nos a conhecer melhor a realidade em que vivemos, para que nossa presença de cristãos seja como uma luz que afugenta as trevas  da exploração e da escravidão. Rezemos... Todos: Senhor, ajudai-nos a ouvir o clamor dos que sofrem! b) Outras Preces espontâneas, com a invocação: Senhor, ajudai-nos...

6. Compromisso da semana: Participar das atividades da Quaresma em sua Comunidade. Ler em casa a passagem bíblica do próximo Círculo: (Mt 25,41-46).

7. Encerramento: a. Avisos. b.Canto / Bênção Final (para todos os dias) “O Senhor nos abençoe e nos guarde/ O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante;/ O Senhor se compadeça de nós; O Senhor nos conceda sempre a Sua paz. O Senhor nos abençoe e abençoe a nossa família. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo Amém! (cf. Nm 6,23-27)


2° Círculo: “Senhor, quando foi que te vimos (...)?” (Mt 25,44)

1. Iniciando nosso encontro–

a)    a) Preparação do ambiente: Arranjo, destacando a Bíblia, vela acesa, cartaz da CF e nomes de pessoas desaparecidas.

b)    Anim.:Acolher a todos com um abraço fraterno. Canto de acolhida.

c)    Anim: Sinal da Cruz, invocação ao Espírito Santo. d) Partilhar o compromisso da semana.

2.Comentário do Tema do Encontro

L.1. Na Quaresma sempre fazemos um caminho de conversão, de volta para Deus. Voltar para Deus significa ser capaz de enxergar o que Ele deseja e espera de nós no dia a dia da vida. Voltar para Deus implica ações, atitudes concretas a favor da vida e dos irmãos. Quem diz que ama a Deus e não ama seu irmão é mentiroso (cf1Jo 4,19). Nossa CF 2014 quer nos ajudar a nos aproximarmos, concretamente, das vitimadas pela exploração por meio dos vários tipos de tráfico humano. Com atenção queremos ouvir o que o Senhor vem nos falar. Vamos cantar aclamando a Palavra de Deus.

3. Deus nos Fala –Canto de aclamação. Ler na Bíblia: Mt 25,41-46.

Animador: Vamos refletir e partilhar

1.    Qual é o motivo que leva o Senhor a decretar o afastamento das pessoas?

2.    Qual o destino daqueles que se afastam do Senhor?

3.    Nossa atitude diante dos mais sofridos e escravizados está nos aproximando ou nos afastando do Senhor? Por quê?

L.3. Vemos, com muita clareza, no Evangelho, que Jesus se identifica com os mais sofridos: famintos, nus, presos, peregrinos, injustiçados etc. Por isso, quem os acolhe e ampara, acolhe e ampara o próprio Jesus. Deus quer ser reconhecido nos mais sofridos. Infelizmente, nossa sociedade, em muitos sentidos, caminha à margem do Evangelho. Em pleno século 21, convivem, lado a lado, tecnologia de ponta e formas de exploração da mão de obra das mais antigas. Há crescente exploração de mão de obra vulnerável: os migrantes temporários, vindos das regiões mais empobrecidas do país.  Todos cantando: Quero ver no meu irmão a imagem d´Ele, meu irmão que até nem tem o necessário pra ter paz./ Quero ser pro meu irmão a resposta dele, eu que vivo mais feliz e às vezes tenho até demais.

L1. Vale lembrar que, mesmo após a extinção legal do tráfico e da abolição da escravidão,a expansão do capital, no Brasil e no mundo, continuou recriando formas de tráfico de trabalhadores e de submissão a regime de trabalho, parecidos com a antiga escravidão. Os migrantes estão entre os mais vulneráveis às seduções e pressões do tráfico. Seja na exploração pelo trabalho, seja no uso do corpo para exploração sexual, são utilizados os mesmos procedimentos: isolamento, distância da terra de origem, retenção de documentos, ameaças. Trata-se da mesma violação dos direitos da dignidade humana como meio para aumentar os lucros por meio através da coisificação das pessoas.Todos cantando:Quero ver no meu irmão a imagem d´Ele, que até não tem o necessário pra ter paz./ Quero ser pro meu irmão a resposta dele, eu que vivo mais feliz e às vezes tenho até demais.

L.2. Exemplo disso são os inúmeros maranhenses trabalhando nos canaviais e na construção civil em Mato Grosso, Goiás, São Paulo, e os milhares de imigrantes hispano-americanos presentes em São Paulo, trabalhando em redes de pequenas oficinas de costura para o mercado popular ou mesmo para grandes grifes. Atividades como turismo, grandes eventos, indústria do entretenimento também vêm sendo incorporadas à lógica global do mercado.  Na expectativa de algum ganho ou de ascensão social por meio da migração, milhares de pessoas, entre elas muitos jovens, acabam ingressando nos mercados informais, inclusive o da exploração do sexo.

Cantar o refrão: Amar como Jesus amou, / sonhar como Jesus sonhou,/ pensar como Jesus...

L.3. O tráfico de pessoas é caracterizado por recrutamento, transporte, transferência, alojamento ou acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou ao uso da força ou a outras formas de coação; ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou á entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração”.Todos cantando o refrão: amar como Jesus amou...

L.1.Fato da vida para nos colocar mais próximos da situação dos nossos irmãos. “Onze mulheres bolivianas,em situação de escravidão, numa grande capital brasileira: a moradia e o local de trabalho se confundiam. A casa que servia de base para a oficina chegou a abrigar 11 pessoas divididas em apenas três quartos. Além do trabalho de costura, eram forçadas a preparar as refeições e a limpar a casa. Devido ao controle rígido, tinham exatamente uma hora para o almoço e fazer todos esses serviços e voltar para o trabalho. Até a forma do banho seguia as ordens estabelecidas pelo dono. O banho era tomado em dupla (junto com outra colega) água fria e durante 5 minutos, para poupar água e energia. Cantar o refrão do Hino da CF.

4. Nossa resposta à Palavra – Anim.: Em nossa comunidade, ou em nosso bairro, ou em nossa região, existe alguma ação de apoio às vítimas do tráfico humano? Qual? (dar espaço para que todos dêem sua opinião).

5.Rezar a Palavra de Deus na Vida

a.    Senhor, que esta Quaresma seja uma fonte de bênçãos para nós e sinal de mais vida e de esperança para todos os que, ainda hoje, são explorados e escravizados, rezemos...Todos:Senhor, que nossa Igreja seja, cada vez mais, verdadeiro sinal do Reino.

b.    Outras preces espontâneas. / Pai Nosso. Oração da CF.

6, Compromissos da semana

a.    Ler, em casa, a carta \a Filêmon 8-20.

b.    Procurar no cotidiano a resposta à pergunta que o Evangelho nos faz.

7. Encerramento:a) Avisos. b) Bênção final, (como no primeiro encontro).


3° Círculo- “Recebe-o como se fosse a mim mesmo” (Filêmon 17)

1.Iniciando Nosso Encontro

a)    Preparando o ambiente: Arranjo, destacando a Bíblia, vela acesa, cartaz da CF. Acrescentar algo que lembre a liberdade.

b)    Animador: Acolher a todos com alegria e entusiasmo. Canto de acolhida.

c)    Animador: Sinal da Cruz, invocação ao Espírito Santo (rezada ou cantada). Convite a partilhar o compromisso da semana passada.

2.Comentário do Tema do Encontro

L.1.Dentro de cada pessoa há um grande sonho de liberdade. Um grande desejo de ser feliz e realizada. Este sonho vem de Deus, Ele nos criou para sermos livres. Devemos sempre trilhar um caminho de liberdade. Este caminho implica fazermos boas escolhas. Escolhas que permitam a liberdade e que para ela conduzam. Com certeza, este não é o caminho mais curto,mas é o mais eficaz para que haja, no mundo, mais paz e justiça. Precisamos ser capazes de ver o outro como igual, não como escravo ou inferior. Tratar a todos como verdadeiros irmãos. Eis o caminho a seguir. Vamos ouvir com atenção o que o Senhor tem a nos dizer. Canto aclamando a Palavra de Deus.

3. Deus nos fala –Canto de aclamação.  Ler na Bíblia:Filêmom 8-20.

Animador: Vamos refletir e partilhar

1.    Ao invés de ordenar ou obrigar, qual o caminho escolhido por Paulo?

2.    Qual o pedido que Paulo fez a Filêmon?

3.    Diante desta Campanha da Fraternidade, o que Deus nos pede hoje?

L.2. O texto lido traz a situação de um escravo, Onésimo, que muito ajuda Paulo na prisão. Paulo tinha consciência de que combater contra o sistema de escravidão da época seria inútil, então propõe uma prática concreta que pode levar a uma nova ordem social. Filêmon deve acolher Onésimo como verdadeiro irmão. Deve perdoar as dívidas dele e acolher o escravo da mesma forma que acolheria o apóstolo Paulo. Seria interessante a gente se perguntar o que Paulo pediria a nós, hoje, diante desta situação do tráfico humano. Qual o caminho que a Palavra de Deus nos indica?Cantar o refrão: Fala Senhor! Fala Senhor! Palavras de fraternidade./ Fala Senhor! Fala Senhor! És luz da humanidade. (bis)

L.3. Estudos mostram que as principais rotas utilizadas pelos traficantes de pessoas são estrategicamente construídas desde cidades próximas a rodovias, portos e aeroportos, regulares ou clandestinos. Costumam sair do interior dos estados em direção aos grandes centros urbanos ou a regiões de fronteira internacional. As rotas internacionais são destinadas principalmente ao tráfico de mulheres. Essas rotas possuem conexão com o crime organizado, sobretudo com o tráfico de drogas. Há relação entre o turismo e o tráfico de pessoas, especialmente nas capitais do Nordeste. Esta situação clama a nós por conversão. Conhecer esta realidade é o primeiro passo para mudar esta situação. Cantar o refrão:Vem, Senhor, vem nos salvar,/ com teu povo, vem caminhar. (bis)

L.1. Ainda hoje muita gente enfrenta a situação de escravidão, o que é feito de maneira velada, aparentemente legal. É bom saber que o transporte das mulheres traficadas acontece, em geral, como se fosse uma viagem de férias, já que elas costumam entrar nos países de destino com vistos de turista. As redes de aliciamento se camuflam atrás de atividades legais, como o recrutamento de modelos, babás, garçonetes, dançarinas ou, ainda, agências de casamento. Não podemos ficar indiferentes, como se isso não fosse problema nosso. Cantar o refrão: Vem, ó Senhor, com o teu povo caminhar...

L.2.Muitas vezes, na vida real, um sonho acaba virando pesadelo: “Maria acorda cedo, levanta-se antes do sol. Pega duas conduções para chegar a um bairro grã-fino, onde trabalha. Chega a sua casa exausta. Sabe que a vida pode ser melhor. Maria sonha em dar um destino melhor para seu filho e seus pais. Ela é bonita. Um dia, Maria recebe uma proposta para trabalhar em uma boate na Espanha. Desconfia, mas o dinheiro é tanto, dizem. Pode garantir o futuro. Sem saber o que a espera, resolve arriscar. Maria ainda não sabe, mas terá o mesmo destino de outras 75 mil brasileiras que foram traficadas para a Europa. Assim que chegar à boate combinada, ficará sabendo que deve a passagem. Seu passaporte será retido pelos cafetões, para que ela não fuja. Do dinheiro prometido, não vai ver nada.

4.Nossa Resposta à Palavra – Anim. Nossa fé nos ajuda a abrir os olhos para estas situações de escravidão ou nos anestesia? O que Jesus espera de nós? (para partilhar)

5.Rezar a Palavra de Deus na vida – anim.:Senhor, dá-nos maior gosto para a leitura e a meditação da Palavra de Deus. Que a Palavra de Deus seja, realmente, a grande motivadora de todas as nossas ações e decisões. Rezemos...Todos:Que a Palavra de Deus ilumine nossa luta e fortaleça nossa caminhada.

(Outras preces espontâneas e Pai-Nosso).

6.Compromissos da semana - Participar das atividades da Quaresma. Ler:Gl 5,13-18

7. Encerramento:Avisos. Canto final. Bênção (como no primeiro encontro).


4° CírculoFostes chamados para a liberdade” Gl 5,13

1.Iniciando Nosso Encontro

a)    Preparando o ambiente: Arranjo, destacando a Bíblia, vela acesa, cartaz da CF. Acrescentar algo que lembre o chamado de Deus para vivermos na liberdade.

b)    Anim.: Acolher a todos com alegria e entusiasmo. Canto de acolhida.

c)    Anim.: Sinal da Cruz, invocação ao Espírito Santo.  Partilhado compromisso

2. Comentário do tema

L.1. Toda a Bíblia nos revela a ação de Deus para libertar seu povo de todas as situações de injustiça, violência e morte. Todo cristão é chamado a viver a liberdade dos filhos de Deus, afirmada de uma vez por todas, com a ressurreição de Jesus. A liberdade é, ao mesmo tempo, dom e tarefa. No entanto, nossa liberdade não pode ser causa de escravidão e de sofrimento para os outros. A verdadeira liberdade busca a justiça e a igualdade. Ela nos coloca a serviço dos outros, na generosidade e na capacidade de doação de nós mesmos. Assim, quem ama o próximo, o sofrido, o violentado, o explorado faz a vontade de Deus. Vamos ouvir com atenção o que Deus vem nos falar.

3. Deus nos fala - Canto de Aclamação. Ler na Bíblia: Gálatas 5,13-18.

Animador: Vamos refletir e partilhar

1.    Que advertência Paulo faz sobre o dom da liberdade?

2.    Qual é a plenitude dos mandamentos de Deus?

3.    De acordo com o texto, como devemos viver hoje?

L.2. “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1).  À medida que amamos o próximo, passamos da morte para a vida.(cf.1Jo3,14) Essa é a lei do Espírito, que dá a vida (cf.Rm8,2). Ao inaugurar a liberdade, Cristo inaugura também a lei do amor(cf. Jo15,12). “Caríssimos, se Deus nos amou assim, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos ouros, Deus permanece em nós e seu amor em nós é plenamente realizado” (1Jo 4,11-12). “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” (Jo 13,34). Cantar: Quero ouvir teu apelo Senhor, ao teu chamado de amor responder./Na alegria te quero servir e anunciar o teu reino de amor:/ E pelo mundo eu vou, cantando o teu amor,/ pois disponível estou, para servir-te Senhor. (bis)

L.3.Portanto, a liberdade de Cristo é liberdade para o serviço e para o compromisso com a justiça do Reino (Rm6,16) pois onde está o Espírito do Senhor aí está a liberdade”: assim, o verdadeiro amor purifica de toda a forma de indiferença e das falsas justificativas diante do sofrimento do outro. Todos somos responsáveis pelo bem de todos, pois a liberdade oferecida em Cristo diz respeito à pessoa humana em todas as suas dimensões: pessoal e social, espiritual e corporal. Essa libertação começa a se realizar aqui e agora, no hoje. Seu pleno cumprimento encontra-se, porém, no futuro que Deus reserva na eternidade. Cantar o refrão: O Senhor me chamou a trabalhar a messe é grande a ceifar,/ a ceifar o Senhor me chamou, Senhor aqui estou. (bis)

L.1. O reto exercício da liberdade exige condições de ordem econômica, social, política e cultural. A libertação das injustiças promove a dignidade humana: “Realmente fostes comprados! Não vos torneis, pois escravos de seres humanos. (1Cor.7,23). Pessoa alguma pode ser comprada, vendida ou explorada para fins alheios à sua dignidade Traficar uma pessoa é submetê-la à indignidade. Ninguém pode ser reduzida à dimensão matéria, econômica ou afetivo-sexual.Cantar o refrão: Vem, Senhor, vem nos salvar

L.2. Embora sejamos chamados à liberdade, é grande o atentado contra ela. Eis algo da nossa realidade “Em 2003, no Brasil, com a chamada “Operação Bisturi” a Polícia Federal decretou um esquema de comércio de órgãos. O comprador era um grande polo médico que realizava transplante de rins, na África do Sul. Os vendedores eram da periferia de Recife. Para manter a segurança só eram aceitos candidatos indicados por “ex-doadores,ou seja, as vítimas viravam agenciadores. Novamente, fica evidente que o tráfico de pessoas aproveita das situações de pobreza. A procura para ser doador cresceu tanto que os traficantes reduziram à metade o valor pago por cada rim. Cantar o refrão do hino da CF

4.Nossa resposta à Palavra

Anim. O que podemos fazer para melhor glorificar a Deus, a partir desta CF 2014. Dar exemplos concretos.

5.Rezar a Palavra de Deus na vida – Senhor, que esta Campanha da Fraternidade sensibilize também os poderes públicos e as autoridades em geral para a transformação desta triste situação do tráfico humano. Rezemos. Todos: Iluminai, Senhor, nossas ações e decisões.  (Outras preces espontâneas e Pai-Nosso)

6. Compromissos da semana - Procurar levantar alguma situação de tráfico humano em nossa região e partilhar no próximo encontro.                  

7.Encerramento – Avisos. Canto final e Bênção como no 1° encontro.

                                                      ********************

Vamos com a graça de Deus e o nosso esforço pessoal e comunitário viver bem o tempo quaresmal. Refletir, rezar e agir no espírito desta CF. tão urgente nos nossos dias.


38 - Círculos Bíblicos – Janeiro 2014.

1º- Encontro: Vimos uma Estrela no Oriente

Preparando o ambiente- Colocar símbolos que representam o lugar do nascimento do Menino, indicando-nos assim, o caminho para a Manjedoura.

1- Acolhida: Acolhendo-nos, vamos nos abraçar, desejando à pessoa abraçada a felicidade que brota da experiência de centrar-se no Menino Deus.

2- Canto (à escolha)

3- Invocação à Santíssima Trindade

4- Motivação: Neste nosso encontro, vamos escutar o Evangelho, que proclama, o nascimento do Menino, o Rei dos judeus. Que o nascimento seja contínuo em nossos corações, permitindo-nos viver a experiência do amor que se revela em sua totalidade no Messias, o Filho de Deus. Quem acolhe esse Projeto de Vida tem motivos para ser feliz, por viver em sintonia com o Pai.  Vamos cantar: (canto à escolha).

5- História da vida:

Conversar sobre o que queremos dizer quando falamos: “aquela pessoa é santa”.

Que características apresentar? Qual é o seu agir?

5- Deus nos fala:

Canto de aclamação ao Evangelho.  Ler na Bíblia: Mt 2,1-12. Momento de silêncio, lembrando algo marcante de nossa caminhada.

PARTILHANDO:

1.     Onde e com quem Jesus está?

2.    Como seguir a Estrela de Jesus?

3.    O que esse nascimento proporcionou na vida da humanidade? E na minha vida?

4.    Como assumir a fidelidade da Sagrada Família, que a todo momento estiveram ao lado do Menino Deus?

6 – Canto – à escolha

7- Preces: 1- Senhor, estou longe de ser verdadeiramente feliz, como o Senhor quer que eu seja.  Ajuda-me a perceber isso e a deixar-me atrair por ti. Todos: Jesus, põe no meu coração, o teu coração!

Rezar juntos: Divino Espírito, centra meu coração em Deus, de modo que a vivência das bem-aventuranças testemunhe minha condição de discípulo (a) do Reino.

7- Preparar o próximo encontro: Acertar com todos: a hora, o dia e o lugar do próximo Círculo Bíblico. Marcar o texto para ler em casa: Mateus 3, 13-17.  Repartir as tarefas do encontro. É sempre bom fazer o convite a novas pessoas, assim seremos “Discípulos Missionários”, como Jesus nos chama a ser.  Lembrar de trazer a Bíblia.

8- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção Bíblica: Cada um põe a mão na cabeça da pessoa ao lado..

  O Senhor o abençoe e o guarde! O Senhor lhe mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de você! O Senhor lhe mostre o seu rosto e lhe conceda a paz! (Nm. 6,24-27)

2º Encontro: Batismo do Senhor – “Este é o meu Filho amado, no qual pus meu agrado”. (Mt 3,17)                         

Preparando o ambiente: colocar símbolos que identifiquem o batismo.

1- Acolhida: Queridos irmãos e irmãs, sejamos bem-vindos ao nosso momento de partilha e aprofundamento com a Palavra de Deus.  Este encontro semanal nos fortalece no seguimento de Jesus, nos tornando pessoas vivas ao encontro de Deus vivo, amigo da vida. Canto de acolhida.

2- Saudação á Santíssima Trindade - invocar o Espírito Santo.

 3  Motivação:

Concluindo o tempo do Natal, celebramos a festa do Batismo do Senhor, que se faz solidário a todos os que buscam o Batismo de João. Batismo, que externa o desejo de conversão para todo aquele povo. Que nós, assumamos o desejo da conversão. Mas, com Jesus, o Batismo é revestido pelo fogo do Espírito Santo, de modo, a suscitar em nós o compromisso de batizados. Canto à escolha.

4-História da vida

Vamos conversar sobre as opiniões que já ouvimos de pessoas, ou de grupos, sobre o Batismo do Senhor e sobre o que acontece  após recebermos o batismo.

·         O que você já ouviu alguém dizer?

·         O que você pensa desta realidade?

5- Deus nos fala:

Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler Mateus 3, 13-17. Silêncio, para pensar no que escutamos.

PARTILHANDO

1.    Vamos lembrar cada parte do Evangelho que escutamos.

2.    Qual o conflito, no protesto de João e a resposta de Jesus, que aparece no texto?

3.    Como Jesus fala do cumprimento da justiça de Deus? (vers 15-16)

4.    Qual a face de Deus que aparece no evangelho, quando diz “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus meu agrado”?

5.    Recordemo-nos: quais as exigências e compromissos temos que assumir no sacramento do Batismo. 

Preces: 1. Vamos fazer de forma espontânea nossas preces.

2. Cristo, enviado do Pai, envia sobre nós e sobre tua Igreja teu Espírito Consolador.

Todos: Envia-nos, Senhor, Teu Espírito.

3. Cristo, Filho amado do Pai, abençoa todas as famílias e as motiva a uma vida na caridade.

 6- Preparar o próximo encontro: Acertar o próximo encontro. Marcar o texto para ler em casa: João 1, 29-34. Repartir as tarefas do encontro. É sempre bom fazer o convite a novas pessoas, assim seremos “Discípulos Missionários”, como Jesus nos chama a ser.  Lembrar de trazer a Bíblia.

7- Oração Final: Pai Nosso.  Ave- Maria. Bênção Bíblica: Cada um põe a mão na cabeça da pessoa ao lado.

  O Senhor o abençoe e o guarde! O Senhor lhe mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de você! O Senhor lhe mostre o seu rosto e lhe conceda a paz! (Nm. 6,24-27)

8-Despedida – Canto Final

3º Encontro – “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1, 29)

Preparar o ambiente: colocar em destaque frases do Evangelho do dia, uma vela acesa...

1- Acolhida: Vamos acolher uns aos outros com um abraço fraterno e uma palavra de estímulo à perseverança. A perseverança revela a nossa adesão incondicional ao Pai.

2- Saudação à Santíssima Trindade: Em Nome do Pai...

3- Invocação ao Espírito Santo

4- Motivação: Somos chamados a uma vida de conversão, de modo que, na experiência do batismo, possamos exercitar a fé como fundamento de nossa entrega e resposta ao Cordeiro de Deus. Temos que assumir a atitude de humildade de João Batista, só assim, perceberemos o valor no serviço de anunciador da Palavra. Temos que ser vigilantes, porque o Reino dos céus está próximo. Vamos refletir o texto comparando com o que acontece hoje.

 5 - Mantra: Teu sol não se apagará, tua lua não terá minguante, porque o Senhor será a tua luz! Ó povo, que Deus conduz!

6 - História da vida

Vamos conversar sobre a realidade de nossa sociedade, que a todo custo vem sendo destruída pelas falsas ideologias, que tem por finalidade destruir o vínculo familiar. Dá para prever o que está para acontecer? Haverá jeito de impedir que tudo aconteça segundo as previsões feitas até agora?

7- Deus nos fala- Canto de aclamação - Leitura do Evangelho – Canto de Aclamação. Ler João 1, 29-34 – Silêncio, para contemplar a Palavra escutada.

PARTILHANDO...

1.    Quando ouvimos o evangelho, em que é que pensamos?

2.    Como entender o versículo 33?  Por que Jesus podia prever o que estava para acontecer?

3.    Dá para fazermos previsões sobre o que pode acontecer no futuro, levando em conta fatos de hoje? Cite exemplos.

4.    O que podemos fazer para superar o medo da morte e alimentar a esperança de um mundo melhor para todos?

8- Canto

9- Preces: 1- Vamos fazer nossas preces  espontâneas.  2. Vamos rezar ou cantar o  Salmo

10- Preparar o próximo encontro: Acertar o próximo encontro. Marcar o texto para ler em casa: Mateus 4,12-23. Repartir as tarefas do encontro. Fazer o convite a novas pessoas.

11- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção.

12- Canto final e despedida.


4º Encontro – “Convertei-vos, porque o reino dos céus está próximo” (Mt 4,19).

Preparar o ambiente: Em conformidade com o Evangelho.

1- Acolhida (A ser preparada pela coordenação).

2- Saudação à Santíssima Trindade: Em Nome do Pai...

3- Invocação ao Espírito Santo

4-Motivação: O Círculo Bíblico é uma escola na qual aprendemos a partilhar o saber, os dons recebidos. Ler a Bíblia olhando a realidade nos impulsiona a descobrir as necessidades dos outros, a buscar caminhos de esperança, de serviço e de solidariedade.

Quase todas as comunidades tiveram seu início, marcado pela leitura bíblica feita nos grupos de reflexão. Esse é um dos caminhos para criarmos comunidades de fé e de compromisso com as mudanças necessárias, seja no campo religioso, seja no campo social ou político. Assim estaremos no caminho do serviço que faz presente o Reino do Pai, como Jesus fez.

4- Mantra: Dá um coração grande para amar...

                   Dá um coração forte para lutar (Bis).

5- Olhando a nossa vida: Em qualquer circunstância, a vida exige do homem e da mulher um serviço, que é também condição básica de sustentação e realização humana. Vamos conversar sobre os diferentes modos de servir: na família, no trabalho, na Igreja, na sociedade. Iniciemos nossa meditação deixando-nos envolver pelo convite de Jesus. Que Jesus ilumine nosso grupo, permitindo-nos viver a plena fraternidade. Os cristãos/as fazem a diferença?

Palavra de Deus

Canto de Aclamação. Ler Mateus 4,12-23. Silêncio, para meditar o que escutamos.

PARTILHANDO...

1.    O que mais chamou a sua atenção no texto?

2.    O que significa proclamar o reinado dos céus?

3.    Que imagem de Rei aparece na cena do Evangelho que ouvimos?

4.    Como estamos vivendo em nossa comunidade o anúncio do Reino dos Céus?

5.    O que estou fazendo para testemunhar os ensinamentos de Jesus?

6.    Estou promovendo a unidade na comunidade, ou sou promotor da divisão?

7.    O chamado de Jesus encontrou resposta em nosso coração?

8.    Sejamos atentos ao chamado de Cristo, de modo que, nossa resposta seja externada através de nossas atitudes e ações, no serviço à família, e da caridade.

7- Canto (à escolha)

8- Preces espontâneas-

9- Rezemos juntos: Divino Espírito, coloca-nos sob a proteção do Rei Jesus, pois só Ele nos faz crescer em humanidade e nos convoca para o serviço da humanização dos empobrecidos.

9-Preparar o próximo Círculo Bíblico. Ver as tarefas. Animar as pessoas a participar.

10- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção Final. Canto e despedida.



37 - Círculos Bíblicos – Dezembro

1° Círculo – Atenção! Deus chega a cada momento. Mt 24,37-44

Iniciamos o Tempo do Advento, um novo ano litúrgico. Para nós, cristãos, é o verdadeiro “ano novo”, pois nossa vida de fé é marcada e ritmada pela celebração do Mistério de Deus. O Advento é tempo de preparação para o Natal: intensificar a leitura e a meditação da Palavra de Deus e a penitência. Nele aprendemos a esperar com paz e com amor o Senhor que vem. Deus encherá de amor nosso coração e a nossa esperança. Vamos preparar o berço do nosso coração.  O que a Palavra de Deus vem nos dizer neste dia de hoje?


Preparar o ambiente: Bíblia, vela, flores.


1.Acolhida Acolhida calorosa a todos os participantes.


2.Oração Inicial: Anim. Saudemos a Deus presente na vida de todos nós, cantando: Em nome do Pai....Que seu Espírito permaneça conosco.Todos: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis...


Rezemos juntos: Senhor, faz de nosso encontro de hoje um ninho do teu amor. Que saibamos buscar juntos a tua Palavra, e em comunidade levá-la aos nossos irmãos, que, sem perceber, estão sedentos dela. Isto vos pedimos, por Cristo, Nosso Senhor, na unidade do Espírito Santo. Amém.


3.Recordar a vida:


Somos convidados a ler os sinais dos tempos. Observando as plantas, saberemos quando o verão vai chegar. Pessoas que têm experiências rurais fazem com sabedoria uma leitura do tempo. Gente do mar sabe conhecer os sinais do mar, sabe falar da vida do mar.


 Cada época exige de nós olhares diferentes para que possamos entender o mundo, o ser humano, a vida no seu todo. Precisamos estar atentos para reconhecer os sinais do Reino de Deus  dentro do nosso tempo. Estar vigilantes. Deus vem numa hora em que a gente menos espera. Pode até acontecer que ele vem e a gente não percebe a hora da sua chegada.


·         A partir da nossa experiência,que sinais percebemos no nosso tempo e como podem ser lidos?


·         Vigiamos e somos vigiados! Que valor tem a vigilância, hoje? O que ela significa?


4.Iluminar a vida


a)    Canto de Aclamação.

b)    Chave de leitura:Vamos ouvir o evangelho, prestando atenção nas comparações que Jesus usou para transmitir sua mensagem.

c)    Leitura do texto:Mt 24,37- 44. Momento de silêncio.

COMPARTILHANDO A RIQUEZA DA PALAVRA DE DEUS

1.    Vamos lembrar cada parte do texto. O que mais chamou a sua atenção?

2.    Jesus diz claramente que ninguém conhece a data do fim do mundo, “nem os anjos, nem o Filho, mas só o Pai”. Então, o que ele quer nos ensinar com as comparações da figueira e da história de Noé?

3.    “Uma pessoa é tomada, a outra é deixada!” O que Jesus quer ensinar com esta frase?



4.    Estamos atentos aos sinais dos tempos de hoje? Quais são eles?

5.    Como demonstramos, na prática, atitudes de quem está vigilante, em estado de alerta, para não deixarmos passar as oportunidades de reconhecer o Senhor que vem a nós no rosto dos irmãos e irmãs?

L1. Somos chamados a acolher com sinceridade a boa nova. Retomar com mais vigor o caminho do Reino de Deus que também é nosso. Ser comunidade que evangeliza é envolver-se em todos os aspectos, para que a justiça aconteça, em prol do bem estar social e econômico. Como nos diz o Documento de Medellín, assim como Cristo consumou a obra da redenção na pobreza e na perseguição, também a Igreja não foi instituída para buscar a glória terrestre, mas para proclamar, também, com seu próprio exemplo a humildade e a renúncia. Devemos, pois, estar atentos a uma nova forma de levar a Palavra de Deus às pessoas, tornando-a fonte de inspiração para a nossa vida.

Cantar: É como a chuva que lava,/ é como o fogo que abrasa:/ Tua Palavra é assim,/ não passa por mim sem deixar um sinal!

L2. Todos nós, devemos nos sentir responsáveis pela evangelização. È uma ação de todos os batizados, principalmente neste clima de preparação para a grande celebração do nascimento do Mestre. O Natal é um momento forte para descobrir um novo rosto de Jesus na comunidade. E por isso, somos todos convidados a fixar os olhos nele; mas um olhar fixo que não distrai, que não pisca, que não cochila. Um olhar que se mantém atraído por aquele que tudo contém. Se quisermos corresponder a este momento de graça, nossa atitude deve ser a de vigilância, discernimento e empenho na atividade cotidiana de nossa missão.

Cantar: É missão de todos nós, Deus chama, quero ouvir a sua voz! ( Bis)

5. Rezar a Vida- O que esse texto nos faz dizer a Deus?

1. Preces espontâneas: Após cada prece, vamos dizer: “Abri, Senhor, nossos olhos, para perceber vossa presença”. 2. Rezar o Salmo 94

6. Compromissos da semana: 1°Repartir as tarefas do próximo Círculo Bíblico.Preparar a celebração da Festa da Imaculada Conceição, especialmente nas comunidades que a tem como Padroeira. 3° Combinar a participação da Novena de Natal. Ajudar a alistar as casas das famílias, para que todas as famílias participem. Trazer sugestões para o Natal da comunidade.

7. Encerramento: Canto. Pai Nosso. Ave-Maria. Bênção. Despedida.


2° Círculo- Maria a Primeira Discípula do Reino de Deus

Preparação do ambiente- Colocar os símbolos: Bíblia, vela flores, imagem ou estampa de Maria. Frase: “Faça-se em mim segundo a tua Palavra” Lc 1,38

1. Acolhida Como Maria acolheu seu Filho e nos acolhe, vamos acolher nossos irmãos e companheiros de caminhada.

2. Oração inicial- será preparada pela equipe de animação do Círculo Bíblico.

3. Recordar a vida

Vamos conversar sobre o papel da mulher na sociedade, na família, nas Igrejas. Destacar mudanças na sociedade que trazem a marca da força e da garra das mulheres. 

4- Iluminar a vida com a Palavra de Deus.

a)    Chave de leitura – O texto que vamos ler conta a visita do Anjo Gabriel a Maria. Durante a leitura vamos prestar atenção no seguinte: Como a visita de Deus chega na vida de Maria e como Maria reage? Que traços da identidade de Maria, o texto revela?

b)    Canto de aclamação. Ler o texto:  Lc1,26-38. Silêncio.

 COMPARTILHANDO A RIQUEZA DA PALAVRA DE DEUS

1.    Lembrar juntos o que foi lido.

2.    Quais as surpresas que as palavras do Anjo provocam em Maria?

3.    Por que podemos dizer que Maria foi a primeira discípula do Reino? E como discípula, qual foi a missão de Maria?

4.    Que expressões do texto mostram que a iniciativa é de Deus e que Ele vai garantir sua presença constante?

5.    Como estamos vivendo nossa vocação de discípulos? O que nos falta ainda?

5. Rezar com a Palavra de Deus

.Preces espontâneas e, após cada prece, vamos responder com Maria: Faça-se em mim segundo a tua Palavra !

.Rezar na Bíblia o Salmo 106,1-8. No início e no final do Salmo dizer o refrão: Visita-me com a tua salvação!

.Rezar juntos: Divino Espírito, como Maria, desejo estar profundamente enraizado em Deus, a ponto de o egoísmo e a maldade estarem banidos do meu coração. Pai Nosso - Canto a Nossa Senhora.

6.Compromissos da semana

1Preparar o próximo Círculo Bíblico. Anotar o texto Mt 11,2-11.2 Conversar com alguém sobre a visita de Deus na nossa vida. Ela é tão presente e tão contínua, que muitas vezes, já não a percebemos e, por isso, perdemos uma grande oportunidade de viver na paz e na alegria. 3 Combinar a confraternização natalina da comunidade. 

7. Encerramento:Bênção.  Despedida.


3° Círculo – “Que devemos fazer?”

Preparar o ambiente: Bíblia, vela, cruz e flores.

1. Acolhida: Anim.Acolher a todos com alegria.

2 Oração Inicial (Preparada pelo grupo de animação). Invocar o Espírito Santo.

3.Recordar a vida

O texto que vamos ler e rezar afirma que as ações de Jesus em favor dos desprotegidos lhes davam identidade.

·         Quais as nossas ações que nos dão maior identidade de discípulos, discípulas de Jesus?

·         Olhando pelo retrovisor da história de 2013, tivemos muitas atividades importantes que marcaram nossa caminhada de Igreja Discípula Missionária. Vamos lembrar estas atividades marcantes da nossa Igreja, em nível de mundo, de diocese, de paróquia, de comunidade, que mostram a nossa identidade de Igreja seguidora de Jesus.

·          O que esta recordação da vida nos sugere a cantar?


4.Iluminar a vida com a Palavra de Deus

1-Chave de leituraDurante a leitura, vamos prestar atenção em duas coisas: na pergunta que João Batista, na prisão, manda fazer a Jesus e na resposta de Jesus aos discípulos de João Batista.

2-Canto de aclamação. Ler Mt 11,2-11. O que diz o texto?  Deixar um tempo de silêncio.

COMPARTILHANDO A RIQUEZA DA PALAVRA DE DEUS

1.    O que João ouviu falar de Jesus na prisão?

2.    O que Jesus mandou responder a João? Ver os versículos 4 e 5.

3.    Dentre os discípulos das primeiras comunidades havia muitos que tinham sido discípulos de João Batista, Para eles era importante saber que Jesus valorizava muito João Batista. Como isso aparece nos versículos 8 a11?

4.    Que atitudes ou gestos nossos manifestam a prática de Jesus de Nazaré?

Cantando: É por causa de meu povo machucado que acredito em religião libertadora; é por causa de meu povo machucado que acredito em religião libertadora.

5. Comentando o tema

L1: Pela fé conhecemos a Deus e experimentamos os efeitos de sua graça em nós. A carta aos hebreus nos ensina que a fé é um modo de já possuir aquilo que se espera; é um meio de conhecer realidades que ainda não se veem (Hb 11,1). Pela fé crescemos na amizade com Deus e o seu projeto de vida. Por ela experimentamos realidades do céu já aqui na terra.

Cantar o refrão: Te amarei, Senhor;/ Te amarei, Senhor./ Eu só encontro a Paz e alegria bem perto de Ti. (bis)

Animador: Terminamos hoje nossos Círculos Bíblicos deste ano. Vamos iniciar a Novena do Natal. Chegou a hora de avaliarmos nossa caminhada e sermos capazes de olhar tudo aquilo de bem e de graça do Senhor em nossa vida e na vida de nossa comunidade. Com certeza, o Natal deste ano será celebrado com muito mais expressão de fé e gratidão ao nosso Deus por nos presentear Jesus, nosso Salvador.

5.Rezar a Vida: Vamos rezar? O que este evangelho e a caminhada neste ano me levam a dizer a Deus?

·         Preces espontâneas.

·         Rezar ou cantar o Salmo 146 (145)

6. Nossos compromissos: Vamos iniciar a Novena do Natal nas famílias e vamos também preparar a confraternização natalina no nosso grupo de Círculo Bíblico,  se possível envolver a Comunidade

Renovar o propósito de, no próximo ano 2014, assumir com entusiasmo os Círculos Bíblicos, como missão da comunidade. O Círculo Bíblico é uma forma eficaz de evangelizar, formar discípulos missionários, criar e animar comunidades de fé.

7.Encerramento: Pai Nosso. Ave Maria. Bênção. Despedida


É preciso ser capaz de levar o pouco que temos para oferecer a Deus, como os pastores assim o fizeram. Quem persiste na caminhada chega ao fim, onde está Deus feito carne.

Meu abraço. Votos de Feliz Natal e o Ano 2014 cheio de bênçãos e de persistência na caminhada em comunidade. Ir. Cristiana                                                                                      


CANTIGA DOS PASTORES( Pode ser aproveitada nas comemorações natalinas)

À meia noite no pasto,/ guardando nossa vaquinhas,/ um grande clarão no céu /Guiou-nos a esta lapinha. / Achamos este Menino, entre Maria e José, / um Menino tão formoso / precisa dizer quem é?

Seu nome santo é Jesus,/ Filho de Deus muito amado, / em sua caminha de cocho / dormia bem sossegado.

Adoramos o Menino / nascido em tanta pobreza / e lhe oferecemos presentes de nossa pobre riqueza: / a nossa manta de pele, o nosso gorro de lã, nossa faquinha amolada, o nosso chá de hortelã.

Os anjos cantavam hinos, cheios de vivas e améns./ A alegria era tão grande / e nós cantamos também: Que noite bonita é esta / em que a vida fica mansa, / em que tudo vira festa / e o mundo inteiro descansa?

Esta é uma noite encantada,/ nunca assim aconteceu, / os galos todos saudando: / O Menino Jesus

Texto do suplemento Folhinha, Jornal Folha de São Paulo.


CÍRCULO BÍBLICO – MÊS DE NOVEMBRO 2013

1º- Encontro:
A FELICIDADE DE CENTRAR-SE EM DEUS
Preparando o ambiente- Colocar figuras que representam aventuras, e figuras que representam as pessoas que Jesus declara bem-aventuradas.
1- Acolhida: Acolhendo-nos, vamos nos abraçar, desejando à pessoa abraçada a felicidade que brota da experiência de centrar-se em Deus.
2- Canto ( à escolha)
3- Invocação à Santíssima Trindade
4- Motivação: Neste nosso encontro, vamos escutar Jesus, que proclama, no Sermão da Montanha, a novidade do Reino de Deus. A nova lei, semente do Povo  de Deus que Ele veio renovar. Quem acolhe esse Projeto de Vida tem motivos para ser feliz por viver em sintonia com o Pai.  Vamos cantar: (canto à escolha).
5- História da vida:
Conversar sobre o que queremos dizer quando falamos: “aquela pessoa é santa”.
Que características  apresenta? Qual é o seu agir?
5- Deus nos fala:
Canto de aclamação ao Evangelho.  Ler na Bíblia: Mt 5,1-12. Momento de silêncio, lembrando algo do que foi lido.
PARTILHANDO:
1.     Onde e com quem Jesus está?
2.    Por que Jesus declara felizes os pobres, os que choram, os que têm fome e sede de justiça?
3.    Que alerta Jesus faz aos Discípulos nos dois versículos finais?
4.    È possível viver as Bem-aventuranças? Consigo ter espírito pobre, ser manso de coração? sofrer quando o Reino de Deus não vem, ser misericordioso, atuar pela justiça, encarar a perseguição?

6 – Canto – à escolha
7- Preces: 1- Senhor, estou longe de ser verdadeiramente feliz, como o Senhor quer que eu seja.  Ajuda-me a perceber isso e a deixar-me atrair por ti. Todos: Jesus,  põe no meu coração, o teu coração!
Rezar juntos: Divino Espírito, centra meu coração em Deus, de modo que a vivência das bem-aventuranças testemunhe minha condição de discípulo (a) do Reino.
7- Preparar o próximo encontro: Acertar com todos: a hora, o dia e o lugar do próximo Círculo bíblico. Marcar o texto para ler em casa: Lc  20, 27-38.  Repartir as tarefas do encontro. É sempre bom fazer o convite a novas pessoas, assim seremos “ Discípulos Missionários”, como Jesus nos chama a ser.  Lembrar  de trazer a Bíblia.
8- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção Bíblica: Cada um põe a mão na cabeça da pessoa ao lado..
  O Senhor o abençoe e o guarde! O Senhor lhe mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de você! O Senhor lhe mostre o seu rosto e lhe conceda a paz! (Nm. 6,24-27)


2º Encontro:  DEUS DOS VIVOS
Preparando o ambiente:
1- Acolhida: Queridos irmãos e irmãs, sejamos bem-vindos ao nosso momento de partilha e aprofundamento com a Palavra de Deus.  Este encontro semanal nos fortalece no seguimento de Jesus, nos tornando pessoas vivas ao encontro  de Deus vivo, amigo da vida. Canto de acolhida.
2- Saudação á Santíssima Trindade - invocar o Espírito Santo.
 3  Motivação: “Deus é amigo da vida”. esta é uma das convicções básicas de Jesus. Por isso, discutindo certo dia com um grupo de saduceus, que negavam  a ressurreição, confessou-lhes claramente sua fé: ‘Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos’. O sentido de toda a criação é viver para Deus, e essa vida não conhece fim . O que está com Deus, está vivo. O amor de Deus dura para sempre e não pode fracassar nem diante da morte. Canto à escolha.
4-História da vida
Vamos conversar sobre as opiniões que já ouvimos de pessoas,  ou de  grupos,  sobre a morte e sobre o que acontece  após a morte.
·         O que você já ouviu alguém dizer?
·         O que você pensa desta realidade?
5- Deus nos fala:
Canto de Aclamação ao Evangelho. Ler Lucas 20, 27- 38. Silêncio para pensar no que escutamos.
PARTILHANDO
1.    Vamos lembrar cada parte do Evangelho que escutamos.
2.    Qual o conflito, entre os Saduceus e Jesus,  que aparece no texto?
3.    Como Jesus fala das relações do ser humano ressuscitado? vers 35-38
4.    Vamos ouvir uma mensagem inesquecível a respeito de Deus que encontramos no AT. no livro Sb 11, 23-26.
5.    Qual o rosto de Deus que aparece no evangelho e no texto  da Sabedoria?
Preces: 1. Vamos fazer de forma espontânea nossas preces.
2. Jesus veio para que todos tenham vida e a tenham em abundância.
Todos: Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.
3. Divino Espírito, faze-nos compreender a vida eterna como comunhão definitiva de todos os seres humanos na fraternidade definitiva, almejada pelo Deus dos vivos
 6- Preparar o próximo encontro: Acertar o próximo encontro. Marcar o texto para ler em casa: Lc 21, 5-19. Repartir as tarefas do encontro. É sempre bom fazer o convite a novas pessoas, assim seremos “Discípulos Missionários”, como Jesus nos chama a ser.  Lembrar de trazer a Bíblia.
7- Oração Final: Pai Nosso.  Ave- Maria. Bênção Bíblica: Cada um põe a mão na cabeça da pessoa ao lado.
  O Senhor o abençoe e o guarde! O Senhor lhe mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de você! O Senhor lhe mostre o seu rosto e lhe conceda a paz! (Nm. 6,24-27)
8-Despedida – Canto Final

3º Encontro - SALVOS PELA PERSEVERANÇA
Preparar o ambiente:
1- Acolhida: Vamos acolher uns aos outros com um abraço fraterno e uma palavra de estímulo à  perseverança. A perseverança revela a nossa adesão incondicional ao Pai.
2- Saudação à Santíssima Trindade: Em Nome do Pai...
3- Invocação ao Espírito Santo
4- Motivação: As profundas e difíceis mudanças sócio-culturais e a crise religiosa do nosso tempo nos convocam a buscar em Jesus a luz e a força que precisamos para ler e viver estes tempos, de maneira lúcida e responsável. Jesus nos recomenda uma atitude fundamental: a perseverança. A  resistência no caminho do bem, o trabalho constante dos incansáveis nos abrem para tempos melhores. Encontramos esta luz no Evangelho. Vamos refletir o texto comparando com o que acontece hoje.
 5 - Mantra: Teu sol não se apagará, tua lua não terá minguante, porque o Senhor será a tua luz! Ó povo que Deus conduz!
6 - História da vida
Vamos conversar sobre os riscos que toda a humanidade está correndo, de acordo com as pesquisas sobre o aquecimento global do planeta. Dá para prever o que está para acontecer? Haverá jeito de impedir que tudo aconteça segundo as previsões feitas até agora?
7- Deus nos fala- Canto de aclamação - Leitura do Evangelho – Canto de Aclamação. Ler Lucas 21,5-19 – Silêncio, para contemplar a Palavra escutada.
PARTILHANDO...
1.    Quando ouvimos o evangelho que foi lido, em que é que pensamos? Ficamos preocupados com o “fim do mundo” ou comprometidos com o “acabamento do mundo” que está em nossas mãos?
2.    Como entender o versículo 6?  Por que Jesus podia prever o que estava para acontece?
3.    Dá para fazermos previsões sobre o que pode acontecer no futuro, levando em conta fatos de hoje? Cite exemplos.
4.    O que podemos fazer para superar o medo da morte e alimentar a esperança de um mundo melhor para todos?
8- Canto
9- Preces: 1-  Vamos fazer nossas preces  espontâneas.  2. Vamos rezar ou cantar o  Salmo
10- Preparar o próximo encontro: Acertar o próximo encontro. Marcar o texto para ler em casa: Lc 23, 35-43. Repartir as tarefas do encontro. Fazer o convite a novas pessoas.
11- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção.
12- Canto final e despedida.

4º Encontro – HUMANO ATÉ O FIM
Preparar o ambiente:
1- Acolhida ( A ser preparada pela coordenação).
2- Saudação à Santíssima Trindade: Em Nome do Pai....
3- Invocação ao Espírito Santo
4-Motivação: O círculo Bíblico é uma escola na qual aprendemos a partilhar o saber, os dons recebidos. Ler a Bíblia olhando a realidade nos impulsiona a descobrir as necessidades dos outros, a buscar caminhos de esperança, de serviço e de solidariedade.
Quase todas as comunidades tiveram seu início, marcado pela leitura bíblica feita nos grupos de reflexão. Esse é um dos caminhos para criarmos comunidades de fé e de compromisso com as mudanças necessárias, seja no campo religioso, seja no campo social ou político. Assim estaremos no caminho do serviço que faz presente o Reino do Pai, como Jesus fez.
4- Mantra: Confiar no Senhor é bom, confiar.  É bom esperar sempre no Senhor.
5- Olhando a nossa vida:
Em qualquer circunstância, a vida exige do homem e da mulher um serviço, que é também condição básica de sustentação e realização humana. Vamos conversar sobre os diferentes modos de servir: na família, no trabalho, na Igreja, na sociedade. Os cristãos/as fazem a diferença?
Palavra de Deus –-
Canto de Aclamação. Ler Lucas 23,35-43. Silêncio para meditar o que escutamos.
PARTILHANDO...
1.    O que mais chamou a sua atenção no texto?
2.    O que significa proclamar o reinado do Crucificado?
3.    Que imagem de Rei aparece na cena do Evangelho que ouvimos?
4.    Leia Jo 13, 12-16. Qual a conclusão? Qual o apelo para nós?
7- Canto (à escolha)
8- Preces espontâneas-
9- Rezemos juntos: Divino Espírito, coloca-nos sob a proteção do Rei Jesus, pois só Ele nos faz crescer em humanidade e nos convoca para o serviço da humanização dos empobrecidos.
9-Preparar o próximo Círculo Bíblico. Ver as tarefas. Animar as pessoas a participar.
10- Oração Final: Pai Nosso. Ave- Maria. Bênção Final. Canto e despedida.




Círculos Bíblicos – Outubro 2013- Atividade Missionária da Igreja

“A quem eu te enviar, irás” (Jr 1,7)

Oração Inicial (para todos os encontros)
Animador: Irmãos e irmãs, estamos reunidos para o nosso encontro de reflexão e partilha da Palavra de Deus. Que neste mês nos põe em sintonia com a campanha missionária 2013. Iniciemos: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
 Anim.: Peçamos ao Espírito Santo que venha sobre nós e nos ilumine em nossa missão.
Todos: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo de vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.
Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.
L 1:Senhor, olhai e protegei a Igreja, espalhada em todo o mundo. Conservai-a na unidade com o nosso Papa Francisco. Pedimos, particularmente, pela Igreja no Brasil, para que a Campanha Missionária desperte maior ardor pela Missão entre todos os povos do mundo.
L. 2:Senhor, olhai e iluminai todos os jovens do mundo, Protegei-os do consumismo, das drogas, do mau uso dos meios de comunicação social e de todos os perigos.
Anim.: Rezemos a Oração Missionária 2013: T: Senhor, a Jeremias que resistia ao teu chamado/ por ser ainda jovem, / Tu respondeste: a quem eu te enviar, irás, / eu estou contigo. / Apesar de nossas limitações, envia-nos! Dá-nos o teu Espírito, que realiza em nós a tua Palavra e nos torna missionários e profetas do Reino.
Anim.: Rezemos ainda a oração sobre o nosso grupo do Círculo Bíblico: Todos: Senhor, envia sobre nós os dons do vosso Espírito, para que eles possam transformar nossa reflexão e oração num forte encontro convosco, para sermos mais discípulos missionários, em nossa comunidade.

1° Encontro – INSPIRAÇÃO MISSIONÁRIA
1-Iniciando o Encontro-Preparar o ambiente: colocar algo relacionado com o tema.
a)    Acolher a todos com um abraço fraterno, cantando um canto de acolhida.
b)    Invocação ao Espírito Santo e a oração inicial para todos os encontros do mês.
c)    Fazer a memória do último encontro.
2-Introdução à Palavra de Deus - L 1: O evangelho que vamos refletir começa com uma prece dos apóstolos: “Senhor, aumenta a nossa fé”. A resposta de Jesus é uma admoestação sobre a profundidade e a gratuidade da fé. Fé é a adesão firme a Deus, que é fiel. É uma entrega total aos planos de Deus, que muitas vezes superam a nossa compreensão. Mas quem se entrega confiante a Deus é capaz de superar dificuldades. A comparação do empregado que aparece no texto nos dá a entender que Deus não precisa prestar contas de seus atos. Quando servimos a Deus, fazemos apenas o que devemos fazer. A nossa participação na Missão do Reino não é por causa de uma compensação extra, mas porque é obra de Deus.
3- (Deus nos fala) Canto de Aclamação. b) Ler na Bíblia: Lc 17,5-10. C) Chave de leitura:
1.    Qual é o pedido dos apóstolos?
2.    Qual é a resposta de Jesus?
3.    O que nos motiva no trabalho da missão?
L2:Neste mês missionário em que refletimos sobre a Atividade Missionária da Igreja, precisamos fazer o mesmo pedido dos apóstolos: “Senhor, aumenta a nossa fé”.  Missão é questão de fé. Ela é a medida exata da nossa fé. Sem uma fé viva não fazemos missão. É pela fé, que é um encontro com a pessoa e com o projeto de Jesus, que teremos uma participação no testemunho missionário. É por causa desta fé que não abandonaremos nunca nossos trabalhos missionários. Pela fé sabemos em quem depositamos a nossa confiança. Cantar: Creio, Senhor, mas aumentai minha fé.
L3: Fato da vida: MISSÃO: FORMIGA CORREIÇÃO – As formigas correição fazem um trabalho que envolve todas as formigas do formigueiro. Mantêm o carreiro limpo de tudo o que pode atrapalhar a passagem. Não perdem tempo na viagem. Trabalham o tempo todo. Quando entram em alguma casa, incomodam todos os seus moradores. Não deixam ninguém tranquilo. A missão é consequência de uma paixão e de um faro pelo projeto de Deus e de seu povo. Ela nos leva a fazer essa “correição de formiga” onde estamos. Envolver as pessoas no projeto da Boa Nova de Jesus. Ter a audácia e o ardor missionários. Nosso primeiro ato missionário é o testemunho. É o que está nos ensinando o nosso Papa Francisco. Seus gestos, suas atitudes têm sido uma verdadeira missão.  Todos: “Evangelizar é mais fazer, é mais fazer do que dizer”.
L1:O decreto Ad Gentes diz que a missão é uma atividade urgente na Igreja. Ela é expressão do dinamismo trinitário. A Igreja missionária é enviada por Cristo para testemunhar, anunciar e fazer discípulos, seguindo o caminho de Jesus: despojamento e serviço na entrega total. Ela tem consciência de que Deus quer a salvação de todos os homens. E por isto lhe resta uma grande tarefa missionária, diante do indiferentismo crescente do mundo de hoje. Refrão de um canto missionário.
L2:A conferência de Aparecida fala de uma conversão pastoral, assumindo uma missão permanente.  Canto: “Vai trabalhar pelo mundo afora. Eu estarei até o fim ...”
L3: O tema da Campanha missionária 2013 é “Juventude em Missão” O lema, tirado do profeta Jeremias: “A quem eu te enviar, irás”   recorda que Deus continua chamar e a enviar pessoas para anunciar a boa Nova de Jesus a todos os povos. Pela Campanha Missionária, toda a comunidade cristã é convidada a renovar seu compromisso batismal.Todos: “A quem eu te enviar, irás”.
4-Puxando conversa
1-    O que mais nos chamou a atenção no texto do Evangelho, nos comentários do encontro e no tema da Campanha Missionária 2013?
2-     O nosso trabalho missionário tem sido “uma correição de formigas?” o que está acontecendo? 
5- Rezar a Palavra de Deus na vida
Senhor Jesus, aumente a nossa fé para que ela tenha um pique missionário permanente. Faça crescer em nossas comunidades a audácia e o ardor missionário, rezemos. Faça com que a nossa Igreja esteja em estado permanente de missão. Rezemos. Todos: Que sejamos todos cada vez mais missionários ( as). (Outras preces espontâneas. Pai Nosso e Ave Maria).
6-Compromisso da Semana: a) Programar com o grupo visitas missionárias. b) Ler em casa: Lc17,11-19.
7- Encerramento: a) Avisos / Canto. b) Oração final: Todos: Senhor, ao terminar o nosso Círculo Bíblico, nós vos pedimos que sejamos fiéis ao que falamos e rezamos. Guardai, Senhor, o nosso grupo de reflexão e oração na palma de vossa mão.  C) Bênção final / Despedida.

2° Encontro - ATIVIDADE MISSIONÁRIA
1-Iniciando o encontro
a)Acolhimento do animador. b) Invocação ao Espírito Santo e oração inicial (para todos os dias do encontro).  c) Partilhar a tarefa da semana passada.
2-Introdução à Palavra de Deus
 L 1: O Evangelho fala de 10 leprosos, depois de terem demonstrado confiança na Palavra de Deus. Enquanto iam mostrar-se aos sacerdotes ficaram limpos. No entanto, só um veio agradecer, e este é, por sinal, um estrangeiro. Na vida missionária de Jesus, a graça é melhor  acolhida pelos estrangeiros, que são mais agradecidos. Muitas vezes, “as pessoas de casa” acham que tudo o que recebem é por direito e que não precisam agradecer. Basta cumprir  as prescrições legais. Chegam mesmo a apropriar-se da religião em causa própria. Não seguem Jesus missionário. Todos:Jesus, Mestre, tem compaixão de nós.
3-Deus nos fala
a)-Canto de Aclamação. b) Ler na Bíblia: Lc 17,11-19. Silêncio. c) Chave de leitura
1-    Como se dá a cura dos 10 leprosos?
2-    Como se manifesta a fé do Samaritano?
3-    Somos agradecidos diante dos benefícios de Deus?
 L 2: O ponto alto deste texto é a fé do Samaritano leproso. Sua fé nasce da esperança, cresce na obediência à Palavra de Deus e se manifesta na gratidão. Ele não só recebe cura, mas é salvo. A atividade missionária de Jesus se dá num contexto de diálogo, conversão e compromisso com a comunidade. Baseado na prática pastoral de Jesus, o Decreto Ad Gentes estabelece três etapas para a ação missionária da Igreja: o testemunho/ diálogo, o anúncio/conversão e a formação de comunidade. A Igreja deve estender a caridade apostólica a todos, privilegiando os pobres e os sofredores, dialogando fraternamente com quem procura a paz (AG12) Todos: A Igreja, por meio de seus filhos, estabelece relações com seus filhos, de qualquer condição, de modo especial com os pobres e aflitos e, de bom grado, por eles gastam suas forças. (AG 12)
L3: Fato da vida: LEIGOS EM MISSÃO: Em várias Dioceses, alguns grupos têm promovido missões nas comunidades e paróquias. Estas missões têm reanimado o ardor missionário dos leigos. Eles têm entendido que Comunidade não pode ser pião, rodando só em torno de si mesma. Não dá para entender uma Comunidade que não seja missionária. Nestes trabalhos missionários vai sendo despertada a consciência de que uma Paróquia deve ser uma rede de Comunidades. Essa rede de Comunidades é tecida com a descoberta da Palavra de Deus na vida. É na convivência com a Palavra de Deus, refletida em grupos, exemplo: os Círculos Bíblicos, que vamos formando e fortalecendo as nossas comunidades. É a Palavra de Deus que nos convoca, nos reúne, nos envia e nos fortalece na missão. Uma Comunidade se torna madura, quando tem uma atividade missionária permanente.
L1:As nossas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) insistem em suscitar em cada batizado e em cada forma de organização eclesial uma forte consciência missionária, sem a qual os discípulos missionários não contribuirão para o novo que haverá de surgir na história. A atual consciência missionária nos interpela a “sair ao encontro das pessoas, das famílias, das comunidades e dos povos para lhes comunicar e compartilhar o dom do encontro com Cristo”.Estamos num tempo de urgente saída “em todas as direções, para proclamar que o mal e a morte não têm a última palavra,...um tempo que deve levar a uma forte comoção missionária” (DGAE 31).
4-Puxando conversa
a)    O que nos chamou a atenção na reflexão da Palavra de Deus, no fato da vida e nos comentários sobre a atividade missionária da Igreja?
b)    Como está o trabalho missionário entre os jovens? Quais são os desafios desta missão?
5-Rezar a Palavra de Deus na vida – Senhor, abençoai a nossa diocese, nossas paróquias, nossas comunidades, para que elas se tornem cada vez mais missionárias. Rezemos. Todos: Senhor que sejamos apaixonados pela missão. Senhor,ajudai-nos a ser mais reconhecidos uns com os outros. Rezemos. (Outras preces espontâneas, Pai Nosso e Ave Maria)
6-Compromissos da semana– a) Participe de uma atividade dos jovens em nossa Comunidade. b) Ler em casa Lc 18,1-8.
7-Encerramento: a) Avisos / Canto. b) Oração final: Todos: Senhor, ao terminar este momento de reflexão e oração de vossa Palavra, nós vos pedimos que sejamos fiéis ao que falamos e rezamos. Guardai,Senhor, o nosso grupo de Círculo Bíblico, na palma de vossa mão. c) Bênção final / Despedida.

3° Encontro: Nossa Responsabilidade Missionária
1-Iniciando o encontro
a)    Preparação do ambiente.
b)     Acolhimento do animador: Irmãos e irmãs, sejamos todos bem-vindos para mais um encontro com a Palavra de Deus, que é a inspiração e animação da nossa vida missionária.
c)     Invocação ao Espírito Santo e oração inicial (para todos os dias do encontro).
d)      Partilhar a tarefa da semana anterior
2-Introdução à Palavra de Deus – A finalidade do Evangelho de Lucas é animar as comunidades que estão enfrentando desânimo, insegurança, cansaço e descrença. É preciso reavivar a fé das comunidades cristãs e retomar o fervor missionário. Diante desta situação, Lucas nos apresenta Jesus ensinando a rezar pela vinda do Reino. Devemos reconhecer a carência em que vivemos e assumi-la na oração insistente, a exemplo da viúva da parábola. Se não clamarmos a Deus para fazer justiça, sua vinda nos encontrará sem fé. Todos: Deus fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele (Lc 18,7)
3-Deus nos fala - Canto de Aclamação. Ler na Bíblia: lc 18,1-8. Silêncio. Chave de leitura:
1)    Como a viúva se coloca diante do juiz?
2)    Qual é a atitude de Deus diante dos que gritam por ele?
3)    Em nossa vida de comunidade temos a insistência da viúva?
L1: O texto nos fala de uma viúva que não está satisfeita com a situação em que vivia, É perseverante diante do juiz até conseguir o que queria. Quem está acomodado não tem insistência com nada. O Concílio Vaticano II quer despertar em nós uma insatisfação com este jeito de ser “católico de nome”. O decreto Ad Gentes quer desperta em nós uma inquietação missionária. Ser missionário não é favor que prestamos. Não é tarefa opcional. Faz parte da nossa identidade cristã. “Pelo batismo, pela Crisma e pela Eucaristia estamos obrigados, por dever, a colaborar no crescimento e na expansão do Corpo de Cristo (a Igreja) para levá-lo a atingir, quanto antes, a sua plenitude”. (AG35) Todos: Que todos os católicos tenham a insistência e a perseverança na missão.
L2: Fato da vida: Aconteceu em todas as paróquias e dioceses do Brasil, em preparação à Jornada Mundial da Juventude, a Semana Missionária. Foi um trabalho missionário de comunhão, integração, partilha dos jovens brasileiros com jovens peregrinos, que vieram de outros países, dentro de um processo evangelizador da juventude. Jovens evangelizando e sendo evangelizados pelos jovens. Nesta semana, os jovens peregrinos tiveram a possibilidade de partilhar, com as comunidades locais momentos de oração, e proporcionar também ocasião de turismo. Nesta Semana Missionária pode se sentir o jeito alegre de o jovem testemunhar a missão.
Todos: “Ó cristo, Redentor da Humanidade, Tua imagem de braços abertos, acolhe todos os povos. Os jovens que se alimentam da Eucaristia, Te ouvem na Palavra e Te encontram no irmão, necessitam da tua infinita misericórdia para caminhar no mundo como discípulos missionários  na evangelização”
L3: As diretrizes da Ação Evangelizadora no Brasil (DGAE), quando se referem à Igreja em estado permanente de missão, dizem:“ Não se trata, portanto, de conceber a atitude missionária ao lado de outros serviços ou atividades, mas de dar a tudo o que faz um sentido missionário”. ( Canto missionário)
4-Puxando Conversa:1. O que mais nos chamou a atenção no Evangelho, nos comentários e no fato da vida?  2.Nosso trabalho na Igreja tem sido mais um favor ou um compromisso de fé, a partir de Jesus Cristo?
5-Rezar a Palavra de Deus na vida
 Senhor, ajude-nos a ser decididos e constantes no trabalho da missão, a ser pacientes e perseverantes. Senhor, que a nossa missão seja fruto de uma vivência comunitária.
Todos: Deus fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele (lc18,7). (Outras preces espontâneas).
6- Compromissos da semana- Trazer sua Bíblia para a próxima reunião. Ler em casa: Lc 18,9-14.
7- Encerramento-  a)Avisos / Canto. b) Oração Final: Todos: Senhor, ao terminar este momento de reflexão e oração de vossa Palavra, nós vos pedimos que sejamos fiéis ao que falamos e rezamos. Guardai, Senhor, o nosso grupo de Círculo Bíblico, na palma de vossa mão. c) Bênção final / Despedida.

4° Encontro – Cooperação Missionária
1-Iniciando o encontro:      
a)    Preparação do ambiente./Acolhida dos participantes com um canto animado.
b)     Invocação ao Espírito Santo e oração inicial (para todos os dias do encontro)/     Partilhar a tarefa da semana anterior.
2-Introdução à Palavra de Deus
O texto de hoje fala da oração de duas pessoas. Uma delas, na sua oração, usa da religião para se convencer a si mesmo e ao outros de sua justiça. No entanto, despreza os outros e quer negociar com Deus na base de suas boas obras.O outro, porém, reza de coração contrito, se reconhece pecador e se confia â misericórdia de Deus. Todos: “Quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado”( Lc18,14)
3-Deus nos fala
Canto de Aclamação. Ler na Bíblia: lc 18,9-14. Silêncio. Chave de leitura:
1)    O que motiva a oração do fariseu?
2)    O que motiva a oração do publicano?
3)    Qual a lição que fica para nós deste Evangelho?
L1: No Evangelho que lemos, o fariseu se julga autossuficiente. Muito superior a todos. Faz da religião um palanque para se apresentar como pessoa justa. O documento Ad Gentesnos adverte de que a autossuficiência pode atingir certas Igrejas ou Comunidades. Julgam-se bem organizadas, têm bom dízimo. Tudo isto devido a um trabalho feito. Mas falta-lhes a solidariedade gratuita para com as Igreja e Comunidades mais carentes. É preciso tomar consciência da necessidade da cooperação missionária. É hora de comunidades fazerem dilatar o âmbito de sua caridade, até os confins da terra. Aumentarem suas solicitudes para com os mais necessitados. (AG37). Cantado: E pelo mundo eu vou,/ cantando o seua mor...
L2: Fato da vida: ENVIO DE MISSIONÁRIOS – Na comemoração dos 50 anos do Concílio Vaticano II,algumas Dioceses enviaram missionários e missionárias para outras regiões do Brasil e até para outros países  com grande urgência  de anunciadores do Evangelho. As terras africanas carecem de missionários. A Amazônia brasileira também é terra de missão, e muitas dioceses do Sul, do Sudeste e também do Nordeste têm Igrejas irmãs lá. Igreja Irmã significa o compromisso de cooperação missionária de uma Diocese com outra mais necessitada. Colaboração em todos os sentidos: na oração, ajudas para a sustentação da missão e enviando missionários. Vamos ver esta prática nos Atos dos Apóstolos. (At 16,9) alguém lê o versículo.Todos:“Venha à Macedônia e ajuda-nos”.
L3: A primeira urgência das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) nos convoca a ser uma Igreja toda missionária e em estado permanente de missão: “Ai de mim se não Evangelizar”!(Cor 9,16). A Igreja nasce da missão e existe para a missão. Existe para os outros e precisa ir a todos” (76). “Contradiz profundamente a dinâmica de uma Igreja em estado de missão, a existência de Comunidades cristãs fechadas em si mesmas, sem solidariedade para com Comunidades carentes, perto delas, sem relacionamento com a sociedade em geral, com as culturas e demais irmãos” (80). Todos: “Ai de mim, se eu não evangelizar” (1 Cor 9,16).Canto missionário
4-Puxando conversa – Anim: 1- O que mais chamou a atenção no Evangelho, no comentário e fato da vida?  2- Nossa doação missionária tem sido feita, a partir de nossa pobreza, ou a partir da sobra do nosso tempo? O que está acontecendo?
5-Rezar a Palavra de Deus na vida
Anim:a) Deus da vida, dai força e coragem a todos os missionários e missionárias que estão doando suas vidas pela causa do Reino. Rezemos. Todos: Senhor,ajudai-nos a sermos mais missionários.b) Deus da vida,iluminai os passos dos leigos e leigas que estão empenhados na missão de construir uma nova ordem social e política. Rezemos.  c) Outras preces espontâneas.
6-Compromisso da semana: Planejar, como grupo, uma visita missionária a uma comunidade próxima.

7- Encerramento: a) Avisos / Canto. b) Oração final: Todos: Senhor, ao terminar este momento de reflexão e oração de vossa Palavra, nós vos pedimos que sejamos fiéis ao que falamos e rezamos. Guardai, Senhor, o nosso grupo de Círculo Bíblico, na palma de vossa mão. c) Bênção final / Despedida.


Círculos Bíblicos - Setembro - Mês da Bíblia - 2013

Tema: Alegrai-vos comigo, encontrei o que tinha perdido! (Cf. Lc,1).
Irmãos e irmãs, a cada ano a Igreja nos apresenta um tema para o mês da Bíblia. Em sintonia com o Doc. de Aparecida, estamos refletindo os Evangelhos a partir do Discipulado Missionário. A Igreja quer nos ajudar a recuperar a alegria de sermos discípulos missionários, buscando construir uma verdadeira “rede de comunidades”, como foi refletido em Aparecida. (Assemb. dos bispos).
1° Encontro- O Anúncio da Alegria
Preparação do ambiente: Bíblia, vela acesa, algo que lembra o anúncio do Anjo a Maria, outros anúncios de alegria.
1 - Iniciando nosso encontro
a)    Acolher a todos com entusiasmo e alegria. Pode-se cantar um canto de acolhida enquanto todos se cumprimentam
b)    Oração inicial (preparada pelo animador/a – Invocação ao Esp. Santo).
c)    Partilha do compromisso do último encontro.
2 - Comentário do tema: L1: O anúncio do anjo a Maria é feito com um “Alegra-te”. Esta é a primeira Palavra de Deus a toda criatura. Maria é modelo de discípula missionária, que responde “Sim” a Deus de modo alegre e generoso. Ela é serva alegre que escuta atenta a Palavra de Deus e a põe em prática.
L2. Lucas mostra que Deus vem ao encontro do ser humano e vem com amor e vem como Boa Nova para todos. O anúncio do Anjo vem encher a todos de alegria. Maria apresenta-se disposta a colaborar na obra de Deus. Esta disposição Deus espera ver em cada um de nós. Somos chamados a sermos discípulos missionários com rosto alegre. Pessoas dispostas a dar o seu sim generoso a Deus. Pessoas que, a exemplo de Maria, oferecem o corpo, a vida e os dons, a fim de que a Palavra de Deus se cumpra no mundo. Canto: Eis-me aqui, Senhor...
L3. Logo depois do anúncio, Maria se põe a caminho, rumo à casa de Isabel. Quem se encontra com Deus tem alegria e pressa para servir. Maria vivia a Palavra de Deus. Levava em seu seio o próprio Messias, motivo de alegria para todo o povo. O velho Simeão se alegra com a presença do Menino. Diante das curas que Jesus  realiza, o povo se alegra. Jesus é a presença viva de Deus “visitando o seu povo”. Quem experimenta o amor de Deus não consegue ficar parado e parte em missão. Canto: Vai, vai, missionário do Senhor...
L1: Lucas mostra também a alegria do anúncio e nos revela o Deus de Jesus que nos acompanha em nossa jornada pela vida. Ele vai sempre à nossa frente e habita o mais profundo de cada um de nós. É Ele quem nos carrega em seus braços. Deus vem nos encorajar a superar nossos medos, nossas fragilidades, nossas dificuldades na vida. É como se Ele  nos dissesse: Não tenha medo de dar o seu sim a cada dia. Canto: “Eis-me aqui, Senhor”. (bis)
3 - Deus nos fala
a)    Canto de Aclamação
b)    Ler na Bíblia Lc14, 25-33 - Silêncio.
c)    Chave de Leitura: Apesar de parecer dura, a proposta que Jesus faz aos que querem segui-lo, é capaz de trazer alegria ao coração. Somente quem se entrega de verdade ao projeto de Jesus é capaz de experimentar as alegrias do reino.
1.    O que mais chama a sua atenção no texto?
2.     Que proposta Jesus faz aos que querem segui-lo? (vers.26 e 27)
3.    Como você percebe a relação do tema deste encontro, com esta proposta de Jesus? Quais são os motivos que hoje limitam a participação de muitas pessoas na construção do Reino de Deus no mundo?
4.    Quando Deus nos chama para uma missão, respondemos mais com um sim ou com um não? Dê exemplos.
4 - Compromissos da semana
a)    Procurar visitar alguma mulher grávida ou de bebê novo e perceber a alegria de Deus neles.
b)    Ler em casa: Lc15, 1-32. Participar de algum momento celebrativo em sua comunidade.
c)    Avisos: ver os avisos da sua comunidade e da paróquia.
5 - Rezar a Palavra de Deus na vida 
a)    Preces espontâneas.
b)    Rezar juntos: Senhor, faz crescer em nós a atitude de fé, para que, a exemplo de Maria, nossa presença na família, na comunidade, e na sociedade, comunique a alegria do encontro contigo, Amém.
c)    Rezar o Sl 62,2-9.  Pai Nosso-Ave Maria- Glória.
6 - Encerramento: Canto e bênção final. Despedida

2° Encontro - Alegrai- vos comigo,  encontrei  o que tinha perdido.
1 - Iniciando o nosso encontro
a) Preparando o ambiente - Algo que lembra a ovelha perdida e o filho perdido.
b) Acolhimento: Irmãos e irmãs, que a nossa reflexão de hoje nos ajude a viver na alegria!
c) Oração inicial - preparada pelo animador/a – Prece ao Esp. Santo).
d) Partilha do compromisso do último encontro.
2 - Preparando para ouvir a Palavra
Anim: Um tema importante no Ev. de Lucas é a alegria de encontrar o que estava perdido. A ovelha, a moeda e o filho são três formas diferentes para expressar a mesma alegria de Deus. Quando o Pai envia o seu filho ao mundo, não é para julgar e condenar. Jesus vem para procurar e salvar o que estava perdido. E grande é a alegria quando se encontram aqueles que se perderam.
3 - Deus nos fala – Aclamação. B) Ler na Bíblia: Lc 15,1-32 (É bom que a leitura seja partilhada) Silêncio.  c) Chave de leitura  (Animador):
1.    O que acontece quando se perde algo?
2.    O que acontece quando se encontra o que estava perdido?
3.    Qual a atitude do filho mais velho?
4.    Hoje somos mais parecidos com o Pai que perdoa ou com o filho mais velho que tem dificuldade de perdoar?
4 - Comentário do tema do encontro: L1: O cap. 15 de Lc. Traz as parábolas da misericórdia. A ovelha perdida, a moeda perdida, o filho perdido. Elas tentam responder à crítica dos doutores da lei e fariseus sobre o motivo de Jesus andar com os pecadores. Estas parábolas da misericórdia são uma catequese sobre o perdão de Deus. Há uma imensa alegria de Deus quando encontra aquele que se perdeu. Isto justifica a alegria da festa. Lucas apresenta Jesus como o Salvador enviado por Deus para buscar e salvar o que estava perdido. A parábola do Pai misericordioso resume, de certa forma, “a imagem que Jesus tinha de Deus”. Ele não queria que as pessoas imaginassem Deus como um juiz, um rei ou Senhor, mas como um Pai bom, que não guarda o seu patrimônio para si, que respeita as decisões dos filhos e que fica sempre à espera do retorno do filho “perdido” à sua casa. Cantar o refrão: O Senhor é o Pastor que me conduz/ por caminhos nunca vistos me enviou...
L2. Nas atitudes do filho mais novo pode-se ver o modelo de discípulo missionário, e no filho mais velho o modelo que não deve ser seguido. A exemplo do filho mais novo, discípulo missionário é aquele que dá conta de suas fragilidades e que assume seus erros, suas limitações. Por isso ele procura voltar à casa do Pai, ( Cf Sl 91, 1-2) Ele se põe a caminho, ainda que seja tratado como simples empregado. O filho mais novo se deixa amar pelo Pai, acolhe seu abraço, seu perdão e festa. Cantar o refrão: Ponho a minha confiança no Senhor,/ da esperança sou chamado a ser sinal,/ seu ouvido se inclina ao meu clamor,/ e por isso respondi: aqui estou.
L3. O filho mais velho indica a direção contrária ao discipulado missionário: ele quer a recompensa pelo tempo investido no cumprimento da lei e do serviço ao Senhor, quer colocar Deus a serviço de suas vontades. A busca desenfreada pelo cumprimento do dever o leva a se esquecer da gratuidade. Ele nunca saiu de casa, mas seu coração esteve sempre longe, por isso, não consegue perdoar o irmão, não entende o sentido da festa, fecha o coração para os pecadores. O filho mais velho não se deixa amar pelo Pai, não consegue acolher a sua misericórdia, não entra na festa. Quem não experimenta o perdão, não perdoa. Cantar o refrão: A tua ternura, Senhor,/ vem me abraçar,/ e a tua bondade infinita/ me perdoar,/ vou ser o teu seguidor/ e te dar meu coração./ Eu quero sentir o calor de tuas mãos.
L1. Lucas nos apresenta a figura do Pai misericordioso. É a melhor imagem de Deus. O Pai aguarda a chegada do filho mais novo, abraça e coloca roupa nova, anel no dedo e faz festa. Mas sai também ao encontro do filho mais velho e lhe revela o desejo mais profundo de seu coração: ver seus filhos sentados à mesma mesa, compartilhando o mesmo banquete, para além dos confrontos, ódios e condenações. As atitudes desse Pai são as atitudes de Deus para com cada um de nós. São também as atitudes que devemos cultivar com todos aqueles que se perderam e querem voltar para a comunidade. Cantar o refrão: Eu vim para que todos tenham vida.
5 - Anim. Puxando a conversa: Anim. 1. O que mais me chamou a atenção neste encontro de hoje?  2. Temos a verdadeira disposição para ir atrás daqueles que se perderam? Por quê? O que fazer?
6 - Compromisso da semana - a) Procurar ajudar a uma pessoa necessitada, Aproximar-se de alguém que se afastou da vida de fé em nossa comunidade. b) Ler em casa: Lc 16,1-13.  c) Avisos-comunicações da com. e da paróquia.
7- Rezar a Palavra de Deus na vida- 1. Preces espontâneas partir do que ouvimos e refletimos.  2. Rezar juntos: Senhor, perdoai-nos pelas vezes que não demonstramos devidamente o nosso amor a vós, descuidando da nossa participação nos momentos celebrativos da nossa fé. Dai-nos a coragem, o compromisso de procurar aqueles que se perderam no caminho da vida. 3. Rezar o sl. 149.    Pai-Nosso. Ave-Maria. Canto final. Bênção. Despedida.

3° Encontro - Alegrai-vos com justiça em todas as coisas
1 - Iniciando o nosso encontro
a)    Preparando o ambiente: Alguma coisa que lembra o trabalho missionário em nossa comunidade. 
b)    Acolhimento: Canto de boas vindas.
c)    Oração inicial - preparada pelo animador/a – Prece ao Esp. Santo.
d)    Partilha do compromisso do último encontro.
2 - Preparando para ouvir a Palavra – O Evangelho que vamos ler nos apresenta a figura de um administrador infiel. Fica claro que não se pode servir a Deus e ao dinheiro e que a fidelidade nas pequenas coisas é que nos garante a posse das maiores. Esta é a orientação que Jesus fez aos seus discípulos e que hoje é apresentada a cada um de nós.
3 - Deus nos fala – a) Canto de Aclamação b) Ler na Bíblia: Lc 16,1-13. c) Chave de Leitura: (Anim)
1.    O que faz o administrador para não ficar abandonado?
2.    O que Jesus recomenda a respeito do dinheiro injusto?
3.    O que este texto tem a dizer para nós hoje?
4 - Comentário do tema do encontro- L1: Na sequência do Evangelho, logo depois da parábola sobre o que estava perdido, há uma grande insistência, no desapego dos bens materiais para o seguimento de Jesus. Na parábola do administrador, Jesus propõe ao discípulo missionário o desafio de conquistar as pessoas e os bens do mundo para o reino, sem se deixar corromper pelo dinheiro. Jesus elogia o administrador que soube tomar uma atitude sábia. A acolhida do Reino de Deus depende da nossa tomada de atitudes prudentes. Refrão do Canto: Pelo Batismo recebi uma missão...
L2. Somos convocados por Jesus a nos tornarmos seus discípulos. Isso implica romper com todas as formas de uso dos bens que gera injustiça. Devemos ser homens e mulheres novos, construtores do Reino de Deus, que fazem as estruturas deste mundo se tornarem realmente promotoras da justiça que gera a partilha dos bens em benefício comum. Jesus encerra a Parábola mostrando que não é possível servir a dois senhores. Ou a Deus ou a riqueza. Mas, muitas vezes, nos deparamos com pessoas que fizeram da sua fé ou espiritualidade, algo intimista, e que conseguem viver bem, com a consciência tranquila diante dos dois senhores. Cantar um refrão, de acordo.
L3. Ao olharmos para Jesus, vemos que Ele só serviu a Deus e, por isso, se tornou o servidor de todos nós. É nele que devemos buscar o referencial de como nos relacionar com os bens materiais. O discípulo missionário deve aprender que o homem rico, sem nome, não entra no reino porque não abre a porta para o pobre. Lucas revela a sua opção pelos pobres. Enquanto o rico não tem nome, o pobre tem: é Lázaro. O Evangelho mostra a sintonia entre o céu e a terra. As portas do céu se abrem para quem abre as portas para os pobres na terra. O discípulo missionário é convidado a aprender a abrir a porta, o coração, e as mãos para o pobre necessitado. Este é o caminho para abrir as portas do Reino. Cantar o refrão: Entre nós está e não o conhecemos...
5 - Puxando a conversa – Anim. a) O que mais nos chamou a atenção neste encontro de hoje?   b) Somos como ovelhas que conhecem a voz de Jesus e o seguem? De que modo?
6 - Compromisso da semana - a) Participar da vida da comunidade, como discípulo missionário. Exemplificar. b) Ler em casa Lc 24,13-35
7 - Rezar a Palavra de Deus na vida - a) Preces espontâneas. b) Rezar juntos: Senhor, ajuda-nos a ser bons missionários tendo a coragem de procurar sempre a justiça do Reino de Deus em todas as situações da vida. Ajuda-nos a abrir as portas, o coração e as mãos para o pobre necessitado. Amém. c) Rezar o Sl.112. 
8 – Encerramento: Bênção e canto final.  Despedida.

4° Encontro - Alegrai-vos, o senhor vive entre nós.
1 - Iniciando o nosso encontro- (Anim.) Prosseguindo o tema do mês da Bíblia, vamos refletir hoje Lc 24,13-35.
a) Preparação do ambiente: alguma coisa que lembra os discípulos de Emaús. b) Acolhimento: Canto de Boas vindas. c) Oração, pedindo luz ao Santo Espírito. c) Partilha do compromisso anterior.
2 - Preparando para ouvir a Palavra- L1. Eles tinham tudo para acreditar em Jesus: Conheciam as escrituras, acompanharam os passos de Jesus, receberam o testemunho da ressurreição através das mulheres: “Ele está vivo”. Apesar de tudo isto, estava morrendo a esperança. Para superar essa situação, Lucas aponta o caminho da escuta da Palavra e a Eucaristia.
3 - Deus nos fala –  a) Canto de Aclamação. b) Ler na Bíblia Lc 24,13-35. Momento de silêncio. Chave de leitura: (Anim)
1.    Como Jesus se aproxima e puxa a conversa com os discípulos?
2.    Como Jesus anima os discípulos pelo caminho?
3.    O que acontece no partir do pão?
4.    O que este texto tem a dizer para nós hoje
4 - Comentário do tema do encontro – L1.Jesus estava ao lado deles, mas os discípulos caminhavam como cegos. Eles não o reconheceram. Os discípulos não conseguiam enxergar além da cruz. Por isso estavam desencantados diante da morte de Jesus. A crise dos discípulos estava na incapacidade de superar a experiência da cruz. Muitas vezes ficamos cegos diante do sofrimento. Deus está do nosso lado, mas não conseguimos ver sua presença confortadora. Cantar o refrão: Por onde formos também nós,/ que brilhe a tua luz!/ Fala, Senhor, em nossa voz,/ Nosso caminho então conduz./ queremos ser assim!/ Que o Pão da Vida nos revigore no nosso sim.
L2: Depois de caminhar, escutar e perguntar, Jesus começa sua catequese bíblica. Ele percebe que os discípulos conhecem a Palavra de Deus, mas têm dificuldade de acreditar nela de verdade. São lentos para crer naquilo que dizem as Escrituras. Jesus ajuda os discípulos a ligar a Palavra de Deus com a vida, com os acontecimentos. Assim a Palavra de Deus ajuda-os a entender o momento histórico em que eles estão vivendo. A Bíblia ilumina a vida e esquenta o coração dos discípulos. Cantar o refrão: Toda Palavra de vida é Palavra de Deus/ Toda ação de liberdade é a divindade agindo entre nós./ É a divindade agindo entre nós.
L3: Com o partir do Pão, os olhos dos discípulos se abrem e eles reconhecem Jesus. Aí recuperam a alegria de serem discípulos missionários. O medo dá lugar à coragem. A tristeza vai embora, a decepção é vencida. Se antes era dia por fora e noite por dentro, agora, ao partir do pão é noite por fora, mas dentro dos discípulos é dia, é vida nova. Agora eles enxergam para além da cruz. O estrangeiro que vinha pelo caminho é Jesus Ressuscitado. Realmente, era verdade o que as mulheres haviam falado sobre o túmulo vazio. Cantar o refrão:  Creio,  Senhor, mas aumentai a minha fé.(bis)
L1: Ao ser reconhecido pelos discípulos, Jesus desaparece da frente dos seus olhos para que eles aprendam a reconhecer sua presença mesmo sem o verem. Jesus está vivo, ressuscitado. Agora, os discípulos têm certeza de que não estão sozinhos, Jesus permanece junto deles, junto de nós. Caminha conosco em nossa história. Por isso, é hora de pegar o caminho de volta e levar a boa notícia do ressuscitado aos irmãos que estão em Jerusalém. A missão tem urgência, não pode esperar. Além disso, o pão partido comunicou a eles uma força especial que os encheu de coragem, força e alegria. Eles têm de partilhar com os irmãos. Cantar o refrão: Eu sou feliz é na comunidade, na comunidade, eu sou feliz (bis)
5 - Puxando a conversa- Anim. a) O que mais chamou a sua atenção neste encontro?  b) Somos entusiasmados com a missão em nossa comunidade?
6 - Compromissos da semana: Fazer um gesto como o dos discípulos de Emaús. Ler em casa Lc 16,19-31
7 - Rezar a Palavra de Deus na vida: a) Preces espontâneas.  b) Rezar juntos: Senhor, ajuda-nos a valorizar sempre mais o Pão da Palavra em nossas celebrações e nos Círculos Bíblicos. Pedimos também, Senhor, que deixemo-nos encorajar pelo Pão da Eucaristia, para a missão e nos renove a alegria de viver em comunidade. Amém.  c) Rezar o sl 145,5-10.   Pai-Nosso. Ave-Maria.
8 - Encerramento: Bênção e canto Final.  Despedida.

Que estes encontros bíblicos nos ajudem a crescer como discípulos missionários.


Círculos Bíblicos Mês de julho - 2013

Tema: A Jornada Mundial da Juventude

Oração Inicial Para Todos os Encontros do Mês). Invocação ao Espírito Santo.  Oração da 13°J M J, que acontecerá no Rio de Janeiro de 23 a 28 de julho 2013.
Coro1: Ó Pai, enviaste o Teu Filho Eterno para salvar o mundo e escolheste homens e mulheres para que, com Ele, por ele e Nele, proclamassem a Boa Nova a todas as nações. Concede as graças necessárias para que brilhe no rosto de todos os jovens a alegria de serem, pela força do Espírito, os evangelizadores de que a Igreja precisa.
Coro2: Ó Cristo Redentor da humanidade, Tua imagem de braços abertos no alto do Corcovado acolhe todos os povos. Em Tua oferta Pascal, nos conduzistes pelo Espírito Santo ao encontro filial com o Pai. Os jovens que se alimentam da Eucaristia Te ouvem na Palavra e te encontram no irmão, necessitam de tua infinita misericórdia para percorrer os caminhos do mundo como discípulos missionários da nova evangelização.
C1: Ó Espírito Santo, amor do Pai e do Filho, com o esplendor da Tua verdade e com o fogo do Teu amor, envia Tua luz sobre todos os jovens para que, impulsionados pela Jornada Mundial da Juventude, levem aos quatro cantos do mundo a fé, a esperança e a caridade, tornando-se grandes construtores da cultura da vida e da paz e os protagonistas de um mundo novo. Amém!Canto ( à escolha).
1° Encontro - JMJ: COMO TUDO COMEÇOU
Preparando o ambiente-Bíblia, vela, flores, fotos das Jornadas mundiais da Juventude.
Acolhida- Acolher a todos, motivando para a história das Jornadas Mundiais da Juventude, que são manifestações de fé da juventude na Igreja.
1-Oração Inicial-(para todos os encontros do mês. Início da página).
2- Preparando para ouvir a Palavra de Deus: Animador- Desta vez, Jesus envia um grande número de discípulos com a mesma missão dos apóstolos, enviados anteriormente. O texto que vamos ler pode ser considerado como documento fundamental de Jesus para todos nós que somos Igreja. Não somente os 12 apóstolos, não somente padres e religiosos (as), mas todos nós batizados, somos enviados por Jesus ao mundo para lhe anunciar que Deus tem um plano muito bom para toda a humanidade de todos os tempos.
3- Deus  nos fala- Canto de Aclamação.(...Ide pelo mundo o evangelho anunciar!)Ler na Bíblia: Lc 10,1-12.17. Silêncio, retomando o que foi lido. Chave de Leitura:
1.    Deem exemplos de como a ”messe é grande”.
2.    “Ir à frente”. O que significa para nós, missionários?
3.    “O reino de Deus está próximo”: de que maneira hoje?
4- Comentando o tema da JMJ: L 1- A JMJ é uma atividade organizada pela Igreja Católica para os jovens e com os jovens.  Ela é celebrada anualmente nas Dioceses e a cada três anos, de forma solene, em uma cidade escolhida pelo Papa, à qual acorrem milhares e milhares de jovens de todos os cantos do mundo. O convite é feito pelo Santo Padre, o Papa, que sempre propõe uma temática específica aos jovens, para que meditem e aprofundem seu encontro com Jesus Cristo e o seu comprometimento com o Evangelho.
Canto: Eu venho do Sul e do Norte, / Do Oeste e do Leste, de todo lugar./ Estradas da vida eu percorro,/ Levando socorro a quem precisar./ etc...
L 2 – O 1° dos eventos que preparou o terreno à instituição das JMJ, foi o jubileu dos jovens, em 1984. Convidados pelo Beato João Paulo II, chegaram em Roma milhares de Jovens. Foi uma enorme surpresa, pois as décadas de 1970 e 1980 foram consideradas tempestuosas, sendo a juventude mundial fortemente marcada por movimentos de contestação. A presença de tantos jovens demonstrava que a juventude ainda tinha expressão de fé e de amor à Igreja. Canto: Te amarei, Senhor!
L3- O ano de 1985 foi proclamado pelas Nações Unidas como Ano Internacional da Juventude. Aproveitando a ocasião, houve outro grande encontro de João Paulo II com os jovens do mundo inteiro. Nessa ocasião foi publicada a Carta Apostólica aos jovens do mundo, com a qual, de forma muito pessoal e direta o Papa falava aos jovens, como amigo e pai, do valor e do sentido da juventude.
L1- Ao propor a 1°JMJ, João Paulo II disse: “Todos os jovens devem sentir-se acompanhados pela Igreja. Em união com o sucessor de Pedro, a Igreja sinta-se ainda mais empenhada, a nível mundial, em favor da juventude, das suas ansiedades e solicitudes, das suas aberturas e esperanças, para corresponder às suas expectativas, comunicando a certeza que é Cristo, a verdade que é Cristo, o amor que é Cristo”.Cantando: Eu sou bom Pastor, / ovelhas guardarei.  / Não tenho outro ofício nem terei./ Quantas vidas eu tiver eu...
Leitor 2- Cada JMJ é uma grande festa da fé jovem, a epifania de uma Igreja que não envelhece, porque Cristo é sempre jovem e sempre jovem é o seu Evangelho. A epifania de uma Igreja que, para a surpresa de todos, redescobre de um modo sempre novo a sua extraordinária força atrativa e agregativa também em relação às jovens gerações. As JMJ representam realmente um dom providencial do Espírito Santo para toda a Igreja, um novo sopro de esperança. Canto à escolha.
5- Puxando a conversa: 1- O que chamou a sua atenção na história das Jornadas Mundiais da Juventude?   2- Quais são as ameaças às juventudes presentes em nossa sociedade? 3- Quais têm sido nossas atitudes diante das juventudes que têm sede de vida? O que podemos fazer?
6- Compromisso da semana: Descobrir uma ação coletiva que a comunidade pode realizar em favor de sua juventude empobrecida e excluída. Avisos.
7- Oração: Diante do que vimos no Evangelho e no tema refletido, façamos nossas preces espontâneas. Pai Nosso, Ave-Maria. Bênção e despedida.

2° Encontro
A JMJ E OS SEUS SÍMBOLOS
1-Preparando o ambiente- Bíblia, vela, Cruz, Quadro ou imagem de Nossa Senhora, e fotos de jovens.
Acolhida- Acolher a todos, motivando a conhecer o sentido dos símbolos da JMJ, explicados com as palavras do beato João Paulo II.
Oração Inicial: (Oração da JMJ para todos os encontros).
Partilhar o compromisso assumido no 1° encontro.
2- Preparando para ouvir a Palavra de Deus. Animador(a): A grande maioria dos católicos (e, quem sabe, dos evangélicos também) acha que para ser um bom cristão a gente só precisa ir à Igreja. O sacerdote e o levita do evangelho eram profissionais do templo. Mas, na hora que aquele coitado na beira da estrada estava precisando deles, os dois devotos “seguiram adiante, pelo outro lado”. Jesus, neste Evangelho, quer nos provocar fortemente. Prestemos atenção.
3- Deus nos fala – Canto de aclamação. Ler na Bíblia: Lc 10, 25-37.  Silêncio contemplando a Palavra ouvida. Chave de Leitura.
1.    Qual foi a pergunta à qual Jesus está respondendo?
2.    Quais os erros destes dois homens do templo?
3.    O samaritano faz o quê? Vamos fazer uma lista.
4.    Qual o recado para nós e para toda a Igreja?
4- Comentando o tema da JMJ: L1: O povo das JMJ é um povo em movimento, a caminho, em peregrinação através dos continentes. A dimensão da peregrinação dá a este evento um valor pedagógico particular. Ensina que a vida é um “caminhar juntos”, uma contínua busca de sentido. Ensina também a superar a nós mesmos ao enfrentarmos as dificuldades que se encontram ao longo do caminho. Canto: E pelo mundo eu vou, / Cantando seu amor.../
L2: Para acompanhar esse povo em movimento, em 1984, durante o Jubileu dos jovens, o Papa João Paulo II entregou à juventude a Cruz de Cristo, ícone do Ano Santo da Redenção. Disse aos jovens: “Caríssimos jovens, ao término do Ano Santo, confio-vos o próprio sinal deste ano jubilar: a Cruz de Cristo. Levai-a ao mundo como sinal do amor do Senhor Jesus pela humanidade e anunciai a todos que só em Cristo, morto e ressuscitado, há salvação e redenção”. Canto: No peito eu levo uma cruz,/ No meu coração... (bis)
L3- Em 2003, o Papa João Paulo II deu aos jovens um segundo símbolo da fé, que, juntamente com a cruz, passou a acompanhá-los nas JMJ: o ícone de Nossa Senhora. Quando em março do ano seguinte, o beato João Paulo II voltou a se encontrar com os Jovens, em Roma, tornou a explicar-lhes o seu sentido: Nessa Cruz, vemos a nossa redenção, vemos a vitória do amor sobre o ódio, vitória da paz sobre a guerra, sobre a violência, vemos a ressurreição” Cantando: No peito eu levo uma cruz, / no meu coração o que disse Jesus.
L1- Em 2003, o Papa João Paulo II deu aos jovens um segundo símbolo da fé, que, junto com a Cruz, passou a acompanhá-los nas JMJ: o ícone de Nossa Senhora. Ele disse: “Hoje eu confio a vocês o ícone de Maria. De agora em diante, ele vai acompanhar as JMJ, junto com a cruz. Contemplem a sua mãe! Ele será um sinal da presença materna de Maria próxima aos jovens, que são chamados, como o apóstolo João, a acolhê-la em suas vidas”. Canto: Oh! Vem conosco, vem caminhar, Santa Maria, vem (bis).
L2- A peregrinação dos símbolos tem sido uma experiência valiosa. Quantas conversões, quanta mudança de vida, quantas escolhas de vida fizeram inúmeros jovens que os encontraram. É forte o mandato de João Paulo II: “Continuai incansavelmente o caminho empreendido, para serem em toda a parte, testemunhas da Cruz gloriosa de Cristo. Não tenham medo! A alegria do Senhor, crucificado e ressuscitado, seja vossa força e Maria Santíssima esteja sempre do vosso lado”.
5- Puxando a conversa:
1- Quais os significados da Cruz e do Ícone de Nossa Senhora para a JMJ?
2- Qual convite os símbolos da JMJ nos faz?
 3-O olhar de nossa comunidade com relação à juventude é de acolhida ou de julgamento?  Como podemos melhorar ainda mais?
6- Compromisso da semana: Procurar conversar com jovens que não estão inseridos na vida da Igreja, mostrando-lhes a importância que têm no seio da comunidade.Avisos.
7- Oração e Encerramento: O que queremos dizer a Deus diante do Evangelho e do tema que meditamos? Façamos nossas preces espontâneas. Pai-Nosso, Ave-Maria, Bênção. Despedida.

3° Encontro- Tema: JMJ- Rio 2013
 “Ide e Fazei discípulos meus”

1-Preparando o ambiente- Bíblia, vela, Símbolos da JMJ 2013, sandálias, panos coloridos.
 Acolhida- Desejar boas vindas, motivando todos a dizerem uns aos outros: Cristo nos convida, sejamos missionários!   
Oração Inicial: (Oração da JMJ Para todos os encontros)
Partilhar o compromisso assumido no 2° encontro.
2- Preparando para ouvir a Palavra de Deus. Animador (a) O Evangelho de Lc 10,38-42 que vamos ler, nos mostra Jesus em casa de gente muito amiga. Tudo o que acontece, toda conversa, tem ternura e amizade. Até os momentos que parecem carregados de conflito, para Jesus só servem para ajudar as pessoas a discernirem o que é mais importante: Colocar-se aos pés do Mestre para aprender dele. Isto valeu para Marta e Maria, mas vale também para nós e para toda a Igreja.
3- Deus nos fala – Canto de Aclamação. Ler na Bíblia Lc 10,38-42                       Silêncio meditando o que escutou. Chave de Leitura.
1.    A atitude de Marta foi negativa aos olhos de Jesus? Qual a sua opinião?
2.    Por que a atitude de Maria foi considerada melhor?
3.    O nosso mundo hoje concorda com Maria? Como entender a opinião de Jesus?
4- Comentando o tema – Durante a última JMJ, em Madri, o Papa Bento XVI anunciou que o Rio de Janeiro acolheria a JMJ de 2013 e os jovens cristãos de todo o mundo . A JMJ do Rio de Janeiro, que acontecerá entre os dias 23 e 28 de julho, terá como tema: “Ide e fazei  discípulos entre todas as nações”( Mt 28,19).
L1- Graças â Conferência Geral dos Bispos da América Latina e do Caribe em Aparecida, a Igreja vive um momento forte em busca de um novo despertar missionário, através do empenho na “Missão Continental”. Sem dúvida, um papel significativo nessa missão diz respeito aos jovens. Jovens e adolescentes constituem a grande parcela da população da América Latina e do Caribe”Eles representam um enorme potencial para o presente e para o futuro da Igreja e dos nossos povos, como discípulos e missionários do Senhor” (DAp. 443). Cantando: Eis- me aqui, Senhor.
L2-Graças à JMJ, um grande número de jovens, em todos os continentes, descobriu a alegria da fé e a beleza de ser cristãos, discípulos e missionários. É necessário, portanto, sempre despertar novamente nas novas gerações, um vivo sentido de corresponsabilidade pela missão evangelizadora no mundo de hoje. Cantar um refrão missionário
5- Puxando a conversa:
1- Qual a nossa expectativa em relação â JMJ que acontecerá em nosso país?
2- O que temos feito para contribuir com este evento?
3- Que rosto de Cristo mossa comunidade manifesta aos jovens? Por quê?
6-Compromisso da semana: 1- Procurar conhecer a experiência de Cristo que nossos jovens fazem. Partilhar sobre isso no próximo encontro. Avisos.
7-Oração e encerramento: Partindo da reflexão que fizemos sobre o Evangelho e sobre o tema, o que queremos dizer a Deus? Façamos nossas preces espontâneas. Pai-Nosso. Ave-Maria. Bênção. Despedida.

4°Encontro
OS DESAFIOS PÓS-JORNADA

1- Preparando o ambiente- Bíblia, vela, um caminho com pegadas e figuras que demonstrem a caminhada da nossa juventude.
 Acolhida- Boas vindas, motivando para um abraço fraterno.
Oração Inicial: (Oração da JMJ - para todos os encontros).
Partilhar o compromisso assumido no 3° encontro.
2- Preparando para ouvir a Palavra de Deus. Animador (a):Nesta semana os nossos corações estão em sintonia com este maravilhoso evento no Rio de Janeiro: A jornada Mundial da Juventude. Milhões de jovens de todo o mundo estarão juntos, com grande alegria. O Papa Francisco estará no meio deles! O Evangelho que vamos meditar hoje, fala de um desejo nosso. “Senhor, ensina-nos a rezar”.Graças a Deus, este desejo está bem presente nos nossos tempos. Temos também muitas perguntas: Como rezar? As nossas palavras têm alguma importância para Deus? Rezar é bom para que? Por que rezar? O texto que vamos refletir quer nos ajudar a encontrar respostas às nossas perguntas e renovar a nossa confiança no Pai.
3- Deus nos fala –  Canto de Aclamação. Ler na Bíblia Lc 11,1-13. Silêncio meditando o que escutou. Chaves de leitura.
1.    O que os discípulos pedem a Jesus?
2.    Que pedidos Jesus os ensina a fazer ao Pai? Que garantias Jesus lhes dá?
3.    O que o ensinamento de Jesus aos discípulos ensina a nós também?
4- Comentando o tema: L1- As jornadas mundiais têm uma importância relevante na vida dos jovens. Mas elas não são uma realidade separada do resto. Elas devem ter um prosseguimento nas comunidades. É necessário dar continuidade ao evento na vida dos jovens. Um dos frutos esperados das Jornadas é a provocação dos agentes de pastoral juvenil e todos os educadores, em geral, para que coloquem sempre em questão e nunca parem de buscar vias eficazes para conduzir as jovens gerações, comunicando-lhes de modo efetivo e afetivo a Boa Nova de Jesus.
L2- Os jovens têm necessidade de pastores e de educadores, que saibam ocupar-se da sua inquietação e que sejam capazes de responder à sua sede espiritual e sua busca de sentido. As nossas crianças, adolescentes e jovens têm necessidade de viver a fé com alegria, de saborear aquela serenidade profunda que nasce do encontro com o Senhor. O Evangelho abre um horizonte apaixonante pelo qual vale a pena arriscar a vida. Eis, portanto, o desafio decisivo para todo projeto pastoral: a capacidade de revelar aos jovens o rosto de Cristo e o seu Evangelho, de convencê-los de que vale a pena apostar em Cristo. Cantando: O Deus que me criou,/ me quis, me consagrou / para anunciar o seu amor.
5- Puxando a conversa: 1-Quais resultados esperamos ter após a JMJ 2013? 2- O que podemos fazer para alcançar estes resultados? 3- As nossas Comunidades têm sido, de fato, um lugar de acolhimento e valorização da nossa juventude? 4- O que podemos fazer para melhorar ainda mais?
6- Compromisso da semana: Convidar Jovens para apresentar na comunidade, ou na Paróquia, algo sobre o tema dos Círculos Bíblicos neste mês. Deixá-los bem à vontade, usando a criatividade. Avisos
7- Oração e encerramento: Diante do Evangelho que meditamos e dos compromissos da pós-Jornada mundial da Juventude, vamos fazer nossas preces a Deus que nos ouve. Preces espontâneas. Pai-Nosso. Ave-Maria. Canto Final. Bênção e despedida.





Círculos Bíblicos – Junho 2013

Irmãos e irmãs, caminheiros (as) de nossas Comunidades, os encontros deste mês, foram preparados à luz do 13° INTERECLESIAL DE CEBs – 07 A 11 DE JANEIRO DE 2014 - JUAZEIRO DO NORTE - CE. Tema: JUSTIÇA E PROFECIA A SERVIÇO DA VIDA.


1° Encontro
 CEBs e a Espiritualidade Romeira

Preparando o Ambiente - Enfeitar o local com imagens de santos de devoção da Comunidade, Bíblia, flores, cruz, retratos ou faixas de Romarias, expressando a fé do povo Peregrino.

1. Acolhida- Que todas as pessoas sejam acolhidas neste nosso encontro. Vamos refletir sobre os romeiros e a sua fé. Nas CEBs e por elas, a Igreja vive sua vocação e espiritualidade romeira, em busca do Reino de Deus. Essa dimensão romeira das CEBs é uma maneira profética de vivência do juízo de Deus sobre as situações e realidades desumanas das pessoas que sofrem, mas que lutam por um mundo diferente, segundo o coração de Deus.

Oração inicial (oração do 13° intereclesial) Canto Inicial (à escolha)

2. Olhando a realidade – (Anim.) A nossa missão na comunidade e a nossa fé são uma forma de encarnar o que contemplamos. Nós, povo romeiro, não fazemos discursos, simplesmente seguimos os passos de nossos pais e mães, que nos ensinaram, pela tradição, a dizer nossas orações, recitar os salmos, fazer jaculatórias, recitar mantras e benditos. Não nos importa muito as palavras, mas sim, entrar no ritmo da caminhada, para ficarmos com a mente aberta para a grandeza e a bondade de Deus.

Mulher- A romaria é chegar até onde está a graça de Deus, onde está concentrada a ajuda do santo. É chegar ao espaço da graça, do perdão, da esperança, a fonte da vida. Chegar ao santo é como visitar um velho amigo, não um desconhecido.

Homem – A peregrinação está presente em quase todas as religiões. É história do povo de Abraão e Sara em busca da terra Prometida até os romeiros de hoje, à procura de lugares sagrados.

Jovem- Nas comunidades vivemos o nosso estilo próprio de romaria todos os dias. Nós não ficamos esperando somente pelas grandes romarias.

Mulher – Conscientes de que toda romaria é uma saída da casa, do trabalho, deixando o ambiente dos amigos, até mesmo a família, esperando pelas bênçãos que se vai buscar e trazer, assim também em nossa comunidade, fazemos a cada dia, esta mesma experiência do abandono e da procura, da busca e do encontro.

Todos - A romaria é um carisma que Deus dá à comunidade para que os seus membros se reconheçam como um povo peregrino que tem necessidade da penitência, de oferecer seu sofrimento, agora resignificado no caminhar, no cansaço da viagem, no incômodo das noites mal dormidas, na certeza do encontro com o Senhor.

3. Acolhendo a Palavra de Deus – Canto – Leit. do Evangelho: Mateus 25,34-38

4. Refletindo à luz da Vida e da Bíblia

Anim. Vamos conversar à luz das palavras que ouvimos. Dentre as diversas situações em que nos deparamos com Jesus peregrino, romeiro, estrangeiro, neste evangelho Ele fala que foi acolhido.

Perguntas para aprofundar o assunto

1)- O desafio das CEBs é grande. Estamos acolhendo nosso irmão? Entendemos sua maneira de expressar e viver a fé? Como crescer na nossa fé cotidiana, fazendo-nos romeiro e peregrino rumo à casa do Pai?

2)- Como promover e participar das romarias ajudando ao povo romeiro a fazer de sua fé uma ferramenta indispensável na construção dos valores do Evangelho na vida familiar, na comunidade e na sociedade?
3)- O encontro das CEBs vai acontecer numa região de romarias promovidas pelo Pe Cícero.Estamos dispostos a conhecer e a valorizar a riqueza dos romeiros, respeitando sua fé?

5. Celebrando a Vida –(Olhemos os romeiros que estão em fotos e quadros e pensemos no quanto é importante a romaria. E no caso do Juazeiro, Pe. Cícero é o padrinho dos pobres, que os orienta a viver de forma coerente o Evangelho).

Anim. Assim como Noé, construindo a Arca, chamava o povo à conversão, Pe Cícero é comparado ao machadinho de Noé que, com o barulho do corte da madeira, repete a quem quiser ouvir: “Te arrepende, pecador! Que o nosso velho mundo já está no fim; Não é de hoje que eu aviso”! Que o 13° Intereclesial seja uma ocasião de aprofundar esse tema, descobrindo o tesouro das expressões religiosas da “Nação Romeira”, dos devotos da Mãe das Dores e do Pe. Cícero, Patriarca do Sertão!

Anim. Vamos rezar na Bíblia o Salmo 65 (64) –Meditando este Salmo,anunciamos a Deus que viemos pagar as promessas, pois Ele ouve as nossas súplicas.
·         Repetir as frases que mais gostamos, ou fazer algum comentário.
·         Preces Espontâneas- Canto de Romaria- Pai-Nosso – Bênção.




2° Encontro
CEBs no Campo e na Cidade

Preparando o ambiente – Colocar no centro, no chão, uma toalha ou panos coloridos. Sobre ela a Bíblia, crucifixo, terra, flores, vela, cesta com frutas, jarra com água, copos.

1. Acolhida - Boas vindas a todos. A Paz de Deus, Pai e Mãe, que nos criou na liberdade que sustenta a utopia da igualdade, e os sonhos que unem e movem a esperança, seja nosso guia. Hoje vamos refletir sobre as CEBs no campo e na cidade. Vamos juntos buscar caminhos novos que nos ajudem a construir um outro mundo possível, urgente e necessário.

Oração Inicial – (oração do 13° Intereclesial)

Canto (à escolha)

Anim. - A cidade se transformou num grande desafio para as CEBs. O 1° desafio é o do relacionamento entre as pessoas e o 2° são as injustiças sociais. No campo as injustiças aparecem de maneira bem escandalosa. Na cidade, procuram escondê-las.

Homem – Ao ir para a cidade, as pessoas pensam que já se gozam automaticamente de seus benefícios. E por isso, perde-se certa garra de luta, As pessoas, mesmo pobres, sentem que participam de seus benefícios: eletricidade, aparelhos domésticos, produtos industrializados. Isso anestesia a consciência crítica, Dificulta as lutas.

Jovem - Um dos grandes desafios hoje é a prática religiosa. Já não se veem, com a clareza da vida rural, os antigos símbolos religiosos. Eles foram invadidos por tantos outros símbolos.

Todos Na cidade, as distâncias aumentam. A vida urbana acelera o ritmo das pessoas. A queixa geral: não se tem tempo para nada.

Mulher - As CEBs urbanas não podem se acomodar e ficar apenas no campo religioso. Parceria crítica e profética: eis o caminho novo! Nem donas, nem afastadas dos espaços em que jogam as cartadas decisivas da vida do cidadão urbano.

Criança - Antes de tudo, cabe às CEBs ser voz ética e profética em defesa da vida dos pobres, marginalizados, injustiçados e excluídos.

Jovem- A cidade torna-se cada vez mais lugar dos desejos, do prazer, de um lado, e da violência, do barulho, do cansaço, da confusão física e mental, do outro. As pessoas se sentem divididas. Não lhes falta ocasião de muito gozo, diversão e com infinitas seduções aos sentidos. No entanto, essa mesma provocação tem causado exaustão espiritual, perturbação do coração, ruído interior e,sobretudo, violência, em grande parte, como fruto da presença da sedutora droga ou do incentivo a aventuras arriscadas.

Todos - A Evangelização na cidade exige das CEBs criar espaços para experiências do silêncio, da tranquilidade, da paz interior e depuração do sentido e do prazer. Tarefas que a vida rural não conhecia. E as CEBs urbanas encontram aí seu campo de atuação com criatividade.

Homem- A cidade seduz pela aparência de liberdade e de independência que oferece. O desafio das CEBs é ser espaço de liberdade, de criatividade, de participação. Só assim elas terão força de apelo às pessoas. Os fiéis a frequentarão à medida que perceberem a comunidade como lugar de realização humana e religiosa.

Todos - Ainda continuam válidos os conselhos de Santo Agostinho: “Naquilo que é essencial, a unidade, no que for duvidoso, liberdade, mas acima de tudo, a caridade.”

3. Acolhendo a Palavra de Deus.

Canto – Leitura do livro do Apocalípse 21,9-1. Silêncio

Anim. Chave de Leitura. Vamos conversar à luz da Palavra que ouvimos. A Bíblia começa, em seu primeiro livro, falando da cidade, A Nova Jerusalém. E Deus vai criar um novo céu e uma nova terra.

Perguntas para aprofundar o assunto

1.   Que lições podemos tirar deste texto do Apocalipse? O que ele quer dizer para as CEBs no campo e na cidade?

2.    Como as CEBs podem ajudar na concretização da promessa divina na construção desta nova cidade?

3.    Quais são os desafios para as CEBs hoje no mundo rural e urbano? Como estamos respondendo a eles?

5 Celebrando a Vida – Vamos rezar e meditar o Sl. 126 (125) Somos convidados a escutar o que Deus quer nos dizer. Ele que restaura, perdoa,anuncia a paz, e a justiça e a boa colheita. 
 Leitura do Salmo 126 na Bíblia.
·         Vamos repetir as frases que mais gostamos. Apresentemos a Deus nossos louvores, pedidos de bênção e de perdão.

·         Preces espontâneas. Pai- Nosso. Ave- Maria.  Bênção. Canto (à escolha)
    Tarefa: Convidar os jovens para o próximo encontro. O assunto se refere especialmente a eles.



3° Encontro
CEBs e o Protagonismo da Juventude


Preparando o ambiente – Colocar no centro do local, elementos que lembrem a natureza, flores, vela, Bíblia e crucifixo. Cantar um canto meditativo.

1.Acolhida – Que todas as pessoas sejam bem-vindas.  Hoje, vamos refletir sobre as Comunidades e o protagonismo da juventude. Que a juventude encontre em nossa comunidade o lugar ideal para viver os seus sonhos.

Oração inicial.  Canto inicial (à escolha)

2. Olhando a realidade – Anim. A Comunidade Eclesial de Base tem uma diversidade imensa. Dela participam pessoas diferentes. Convivem pessoas idosas, adultas, crianças, adolescentes e jovens. Esta é a maior riqueza.

Jovem - A juventude gosta de participar da comunidade, de diferentes modos: Muitos frequentam as celebrações, fazem parte de equipes da liturgia, dos grupos musicais, é presença atuante nas festas, alguns fazem parte de coordenação ou dos conselhos das comunidades, assumem ministérios confiados aos leigos  e leigas.

Homem – Em muitas comunidades há grupos de jovens ligados a diferentes iniciativas de evangelização da juventude: Grupos de jovens da Pastoral da Juventude, grupos de jovens Franciscanos, Grupos de Jovens da Renovação carismática, Conferências Jovens Vicentinas, Grupos Jovens EJC. Grupo de Jovens da Cong. Mariana. A criação destes diversos grupos responde à necessidade de espaços específicos para a convivência da juventude na vida da comunidade. E há muitos jovens que pertencem às comunidades, sem fazer parte de nenhum grupo juvenil, em particular.

Mulher – São muitos os caminhos para os jovens se aproximarem da comunidade. Na maioria das vezes, o compromisso de seguir Jesus, em geral, vai depender fundamentalmente das relações estabelecidas após a aproximação inicial. A presença da juventude tem repercussões para a comunidade e para a vida do jovem. Com seu dinamismo a comunidade cresce e se renova.

Todos: Lutando pela justiça e vivendo a dimensão de profecia no campo e na cidade, jovens das CEBs tem testemunhado sua opção pelo sonho de Deus para a humanidade, o Reino que Jesus anunciou.
Jovem - As Semanas da Cidadania, o Dia Nacional da Juventude (DNJ), celebradas a cada ano, a campanha contra a Violência e Extermínio de Jovens, iniciada em 2009 pelas Pastorais da Juventude, são expressões deste compromisso, assim como a participação ativa em diversos movimentos sociais. Merece destaque a ampla mobilização de jovens das CEBs nas diversas etapas da 2° Conferência Nacional da Juventude, em 2011, que levantou as propostas da juventude brasileira para “Conquistar Direitos, Desenvolver o Brasil.”
Homem- E a Jornada Mundial da Juventude? Que lição traz para os jovens? Esperamos por um mundo melhor e com mais fé.
Mulher- O que faz o jovem se afastar da comunidade?
Jovem- Migração para dar continuidade aos estudos, buscar trabalho, opções de vida. Talvez a principal causa de distanciamento da juventude podem ser os conflitos gerados por atitudes autoritárias das lideranças.
Jovem– Nós, jovens, não gostamos de ser tratados como “tarefeiros”, sempre chamados para colaborar nas atividades, mas nunca consultados sobre os rumos da comunidade. Nós queremos ser ouvidos e incluídos na caminhada da comunidade.
Todos – A nossa comunidade quer dirigir um olhar amoroso para ajuventude, mais do que cobranças, criar confiança e cumplicidade, para aprender sua linguagem e compreender o que ela tem a nos dizer. Queremos valorizar a maneira de expressar sua opção por Jesus, através da arte, da música, do teatro, da dança, como forma valiosa de manifestação da vida.
3. Acolhendo a Palavra de Deus – Vamos ouvir a Palavra de Deus para nós. Canto-Leitura do Profeta Jeremias 1,4-10 – Silêncio
4. Refletindo à luz da Vida e da Bíblia – Chave de leitura: O profeta Jeremias faz a experiência do chamado divino em plena juventude. Ele tenta fugir desta responsabilidade, mas, quando menos se vê, já estava seduzido por Deus.  E ele vai e assume a missão.
Perguntas para aprofundar o assunto:
 O que a Palavra de Deus diz para nós, hoje? E para a juventude de nossa comunidade?
 Como acolhemos esta Palavra em nossa vida? Que iniciativas ela desperta em nós?
Celebrando a vida – Anim. Vamos rezar e meditar o Salmo 144 (143)
·         Ler o Salmo144 (143) na Bíblia
·         Vamos repetir as frases de que mais gostamos, ou fazer algum comentário.
·         Apresentar a Deus nossos louvores, súplicas, pedidos de bênção e de perdão.
·         Preces espontâneas.
·         Pai-Nosso. Ave - Maria.  Bênção. Canto Final


4° Encontro
 CEBs a Serviço da vida

Preparando o ambiente – No centro, colocar um pano colorido e, sobre ele, colocar velas, água, terra, flores, cereais, Bíblia, crucifixo, Preparar algo para partilhar ao final do encontro. Cantar um canto meditativo.
1. Acolhida- Que todas as pessoas sejam bem vindas a este nosso encontro. Vamos refletir sobre o serviço à vida assumido pelas Comunidades Eclesiais de Base. Jesus, o Bom Pastor, quer comunicar-nos a sua vida e colocar-se a serviço da vida. Jesus Cristo mesmo disse: Eu vim para dar vida a todos e para que todos tenham vida em abundância. Esta é a mesma missão e a vocação das CEBs, hoje.

Oração Inicial – Canto Inicial (à escolha)

2. Olhando a realidade Anim. A vida Cristã supõe apertença à comunidade. Deus não quis salvar-nos isolados, mas em comunidade. A vida cristã só se aprofunda e se desenvolve em comunidade.

Mulher - Porém, as condições de vida de muitos abandonados, excluídos e ignorados em sua miséria e dor, contradizem a esse projeto de Deus e desafia os cristãos a um maior compromisso a favor da cultura  vida.

Todos - O Reino de vida que Cristo veio trazer é incompatível com essas situações desumanas. Se fecharmos os olhos diante dessas realidades, não somos defensores da vida do Reino e nos situamos no caminho da morte.

Criança - Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Aquele que não ama, permanece na morte.

Jovem - É inseparável a relação entre o amor a Deus e o amor ao próximo. Tudo o que fizermos para separar as graves desigualdades sociais e as enormes diferenças no acesso aos bens indispensáveis à vida é uma maneira de manifestar nosso amor a Deus. Por isso lutamos para criar na sociedade as estruturas de participação popular como forma de vivência dos valores evangélicos.

Todos – Os valores do Evangelho de Jesus são: amor, solidariedade partilha, perdão, reconciliação, justiça, paz, amizade, fé, e esperança.

Homem- O anúncio do Evangelho que fazemos ilumina e difunde a luz de Cristo para todos, sobretudo para os pobres, levando esperança e criando confiança nas relações familiares, comunitárias e sociais e inspira soluções adequadas aos problemas da nossa existência.

Jovem – Na vivência de comunidade, aprendemos a encontrar a Jesus de modo especial nos pobres, aflitos, encarcerados, e enfermos, e com eles assumir o compromisso de testemunhar nossa fé, aprendendo com eles a paciência no sofrimento e constante luta para continuar vivendo. Quantas vezes os pobres e os que sofrem nos evangelizam realmente! O encontro com Jesus Cristo através dos pobres é uma dimensão constitutiva da nossa fé em Jesus Cristo.

Todos- Da contemplação do rosto sofredor de Jesus nos pobres e do encontro com Ele nos aflitos e marginalizados surge nossa opção por eles. A mesma união a Jesus Cristo é a que nos faz amigos dos pobres e solidários com seu destino e as suas lutas.

3. Acolhendo a Palavra de Deus – Canto – Ler o Evangelho Jo12, 23-26. Silêncio

4. Refletindo à luz da Vida e da Bíblia

Anim. Chave de Leitura - Vamos conversar à luz das palavras que ouvimos. Em Aparecida, os nossos Bispos afirmaram que “A vida se acrescenta dando-a e se enfraquece no isolamento e na comodidade.” O Evangelho diz: “Quem aprecia a sua vida terrena, a perderá”.A vida se alcança e se amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros. Isso é definitivamente, a missão” (DAp 360)
1.    Como vemos a vida do nosso povo?
2.     Em nossa comunidade a vida está sendo valorizada de acordo com o Plano de Deus?
3.    Quais são os grupos, instituições ou movimentos em nossa comunidade que defendem a vida?
4.    Como eu tenho “gastado” a minha vida?

5. Celebrando a Vida

Anim. Vamos rezar e meditar o Sl. 63 (62) Ler na Bíblia
·         Vamos repetir as frases de que mais gostamos, ou fazer algum comentário.
·         Apresentar a Deus nossos louvores, súplicas, pedidos de bênção e de perdão.  Preces espontâneas. Pai-Nosso. Ave Maria e bênção. Canto final.



________________________________________________________________________



Círculos Bíblicos


Setembro - Mês da Bíblia- 2012

DISCÍPULOS MISSIONÁRIOS A PARTIR DO EVANGELHO DE MARCOS

A proposta para o mês de Setembro de 2012 é o estudo do Evangelho segundo Marcos, associado ao Projeto nacional de Evangelização: O Brasil na missão Continental. Este projeto foi elaborado pela América Latina, após a conferência de Aparecida, e reassumido pela Assembleia dos Bispos do Brasil em 2011.




32º- Círculo



O CHAMADO DOS PRIMEIROS DISCÍPULOS


Preparação do ambiente - Destaque: Bíblia aberta. Ao redor figuras do mar ou lago, barcos, material de pesca, um par de sandálias, vela acesa.

Acolhida – canto – Oração

1. Dar as Boas vindas, motivando o mês da Bíblia. Falar do tema deste ano - Discípulos Missionários – certamente nos ajudarão a olhar nossa caminhada como discípulos, e a assumir com entusiasmo, os compromissos de nossa missão de evangelizar. 2- Canto de chamado. – Invocação ao Espírito Santo.

1. Abrir os olhos para ver:

• Olhar os símbolos: O que cada símbolo nos diz?

• Como nos sentimos e como reagimos quando recebemos um chamado ou um convite de alguém?

2. Despertar o ouvido para escutar

1. Chave de leitura: Olhando o chamado dos primeiros discípulos, observamos que o seguimento de Jesus é urgente. Nenhum dos que foi chamado, “perde tempo”. Imediatamente, mesmo sem entender o que está acontecendo, aceitam o chamado e transformam suas vidas. Nada os impede de anunciar a Boa-Notícia do Reino, pois, “o Reino de Deus está próximo”.

2. Canto de aclamação. Leitura dos textos: Marcos 1,16-20 e 2,13-14. (A leitura pode ser feita por duas pessoas).

Pequeno silêncio - Perguntas para aprofundar o texto e a vida:

• O que mais chamou a sua atenção nos textos?

• Que relação existe entre eles? Canto: Senhor, se tu me chamas....

Trazer o texto para nossa vida.

• Algum de nós viveu ou conheceu alguém que sentiu um chamado muito forte de Deus?

• Como reagimos aos “chamados” que recebemos no nosso dia a dia?

• Em sua vida há algum momento mais significativo de encontro com Jesus? Poderia contar para nós?

• Como este encontro frutificou?

• O que significa, hoje, seguir Jesus?

3- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida

1-Elevemos nossas preces a Deus, expressando-lhe nosso louvor, gratidão, súplica ou pedido de perdão.

2- Rezar juntos: Senhor Jesus que tenhamos coragem para atender vosso chamado e seguir firmemente, como vossos primeiros apóstolos, o caminho que nos aponta. Ajudai-nos a perseguir o caminho da doação e do serviço para que o vosso Reino se realize entre nós. Amém! Pai Nosso. Bênção

4- Nosso Compromisso com a Palavra – Jesus nos convida a segui-lo. O que podemos fazer como discípulos, em nossas famílias e em nossas comunidades, nas situações concretas da nossa vida?

5- Preparar o próximo encontro: uma equipe prepare o próximo círculo: ambiente, cantos, oração, leitura. Todos leiam em casa o texto: Marcos 8, 27- 33 e Convidem mais pessoas para partilhar conosco da alegria de conhecer a Boa-Notícia que o Evagelho traz




33º- Círculo



“TU ÉS O MESSIAS”

Preparação do ambiente- Lugar de destaque para a Bíblia aberta, uma vela acesa. Uma folha de jornal (se possível na página de política). Desenhar sobre a folha um caminho e um sinal de interrogação no início, no meio e no fim. Colocar no final do caminho uma cruz e espalhar sobre o desenho: pedras, um par de sandálias e outros símbolos de caminhada.

Acolhida – Dar Boas Vindas. Vamos cantar e invocar o Espírito Santo, para que ele nos ajude a responder como Pedro: ”Tu és o Messias”. Canto -

1. Abrir os olhos para ver

Vamos olhar os símbolos e depois conversar sobre aquele com o qual mais nos identificamos.

2. Despertar o ouvido para escutar

1-Chave de leitura: Os discípulos não tinham clareza sobre quem era Jesus. Eles ainda esperavam um messias político que fosse restabelece Israel. As opiniões acerca de quem é Jesus são variadas e erradas. É preciso ainda reconhecer a verdadeira identidade de Jesus Cristo. Pedro responde acertadamente, reconhecendo em Jesus o Messias, por meio de um grande ato de fé.

2-Canto de aclamação – Ler o texto: Mc 8,27-33. Leitura dialogada – Uma pessoa para ser o narrador, outra representando Jesus, outro representando Pedro, e os demais, serão os discípulos.

3-Momento de silêncio- 4- Perguntas para refletir sobre o texto e sobre a vida.

• O que aconteceu a caminho de Cesareia de Filipe?

• Qual foi a influência da resposta de Pedro sobre os demais?

• Por que Pedro repreende Jesus?

• Quais são as visões de messianismo presentes na resposta de Pedro a Jesus?

Canto – Dá- me a palavra certa / na hora certa/ e do jeito certo/ e pra pessoa certa.

Trazendo o texto para a nossa vida: E nós conhecemos Jesus como ele quer ser conhecido?

• Quais são as dificuldades dos discípulos e discípulas de hoje em reconhecer o verdadeiro rosto de Jesus?

• O que significa para nós a expressão: “Tu és o Messias”?

• Quem sou eu para Jesus?

3- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida

1-Colocar em forma de prece o que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.

2- Rezar juntos: Amado Jesus, como Pedro, nós cremos que vós sois o Messias, mas sabemos também o quanto é frágil a nossa fé. Precisamos ainda caminhar mais perto de vós, para, a cada momento, vos conhecer melhor. Ajudai-nos a abraçar convosco as cruzes que encontramos pelo caminho e, assim, animar nossos irmãos e irmãs e juntos construirmos o Reino de Deus. .Amém! (Se possível, copiar para todos)

Nosso Compromisso com a palavra - Vamos nos aprofundar melhor no conhecimento e seguimento de Jesus e ajudar nossa comunidade neste caminho. Assim, estaremos contribuindo para que ela seja uma comunidade capaz de responder a Jesus com convicção.

Canto: Te amarei, Senhor - Bênção

 


34º- Círculo



“MESTRE, QUE EU POSSA VER NOVAMENTE”


Preparação do Ambiente - Preparar um caminho. Colocar um cartaz com a frase: Coragem! Levanta-te! Ele te chama!”, Algum símbolo que dê a ideia de luz. Um manto e sobre ele uma Bíblia aberta.

Acolhida– dar as boas vindas. Hoje vamos refletir e rezar sobre a narrativa do cego que queria ver Jesus e viu. Com ele vamos percorrer as etapas do seguimento, para crescermos no amor e na fé. Iniciemos cantando alegremente e com muita esperança. (Um canto que fale que Jesus é Luz.)

1- Abrir os olhos para ver

• O que estes símbolos nos dizem?

• Sentimo-nos tocados por algum símbolo especial?

• Diante de acontecimentos, ás vezes, não muito objetivos e claros. Tendo de dar o meu parecer, o que faço? Já senti necessidade de ver novamente?

2-Despertar o ouvido para escutar

1.Chave de Leitura – Bartimeu, é discípulo-modelo para todos nós.Teve fé , conseguiu enxergar e “seguir Jesus no Caminho.”Durante a leitura, vamos prestar atenção nas atitudes de Jesus, do povo de Jericó e do cego Bartimeu.

2. Leitura do texto: Marcos 10, 46-52. Ler mais uma vez, representando os personagens que o texto apresenta.

3. Momento de silêncio. 4. Perguntas para refletir sobre o texto e sobre a vida.

• O que mais nos chama atenção neste texto? Quais são as expressões e gestos mais significativos?

• O que significa: “Senhor que eu veja de novo”?

• O que significa deixar o manto?

Canto: Tua Palavra é assim, não passa por mim, sem deixar um sinal.

Trazer o texto para perto de nós – O Evangelho que lemos nos convida a percorrer um caminho de crescimento e amadurecimento na fé, um caminho de seguimento. Neste caminho se descobre quem é Jesus, através dos seus atos, dos seus ensinamentos e descobre-se também o modo como ele realiza a sua missão.

• Estamos dispostos a segui-lo num caminho de renúncia, despojamento e de serviço?

• Qual manto precisamos deixar? O que nos impede de levantar e segui-lo?

• Confiamos nele a ponto de dar a nossa vida pela causa do Reino?

• Dispomos de tempo para escutar a sua voz que nos fala em meio ao barulho do mundo?

 

2. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

1-Preces espontâneas a partir do que escutamos e refletimos.

2-Rezar juntos: Senhor, curai a nossa cegueira para que vejamos as necessidades daqueles que encontramos em nosso caminho, sobretudo dos que estão à margem da sociedade. Aumentai a nossa fé e dai-nos a graça de vos seguir. Amém!

Canto – Pai-Nosso, Bênção

.Nosso Compromisso com a Palavra

O cego de Jericó, curado, segue Jesus pelo caminho, tornando-se o modelo do verdadeiro discípulo. O milagre acontece na conversão daquele que está disposto a seguir verdadeiramente Jesus.

Olhando a nossa realidade, podemos nos perguntar durante esta semana:

• Qual a ação que o texto desperta? O que este texto nos sugere a viver no nosso dia a dia?

Lembrete – Para o próximo encontro ler em casa os textos seguintes: Mc 14, 26-31; Mc 14,43-45; Mc14, 66-72; Mc 15,40-41; Mc16,1-8



35º- Círculo



COMO VENCER O MEDO?


Preparação do ambiente:

Bíblia, vela acesa cartaz do Mês da Bíblia, crucifixo...

Acolhida e canto – Boas vindas a todos! Refletimos neste mês sobre o nosso chamado como discípulos missionários do Reino. Cada chamado espera uma resposta. Teremos coragem para responder ao apelo. Vamos abrir o nosso coração cantando: Te amarei, senhor!

Invoquemos o Espírito Santo que nos ilumina e encoraja para vivermos como discípulos missionários hoje. Amém.

1. Abrir os olhos para ver-

Olhar os símbolos e o título do nosso encontro. - O que eles nos dizem.?

• Quais são os medos que precisamos vencer?

 

2. Despertar o ouvido para escutar –


1- Canto de Aclamação ao Evangelho - (melodia do canto inicial)

2- Chave de leitura- Os discípulos eram os mais próximos e amigos de Jesus. Caminhavam com Ele. Mostraram-se medrosos e covardes quando as forças aniquiladoras atingiram Jesus.

3- Leitura dos textos: (Os leitores devem preparar a leitura com antecedência.)

Leitor 1 – Mc 14, 26-31; Leitor 2 – Mc 14, 43-45.50; Leitor 3 – 14, 66-72;

Leitor 4 - Mc 15, 40-41; Leitor 5 – 16,1- 8 ;

Momento de silêncio – Reflexão Partilhada

• O que mais me impressionou nos textos que acabamos de ouvir?

• O que levou os discípulos a fugirem negando sua fidelidade ao Mestre?

• Qual foi a atitude das mulheres-discípulas? Elas também vacilaram?

Canto (melodia do canto inicial)

Ò Jesus, não me deixes jamais caminhar solitário,/ pois conheces a minha fraqueza e o meu coração.../ Vem, ensina-me a viver a vida na tua presença, / no amor dos irmãos, na alegria, na paz, na união.


Trazer o texto para a nossa vida

• O que nos leva, às vezes, a sermos infiéis ao chamado que o Senhor nos faz? Medo, comodismo, covardia...? Quando isto acontece?

• Podemos recuperar nossas forças, nossa coragem, encontrando-nos e estimulando-nos mutuamente. Nossa comunidade nos ajudará a não nos perder quando a cruz nos amedronta. Temos alguma experiência neste sentido?

3. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

1-Preces espontâneas a partir do que escutamos e refletimos.

2- Rezar juntos: Senhor, estamos diante de vós, com nossas faltas e fraquezas. Reconhecemos nossa covardia, nosso comodismo no cumprimento da nossa vocação de sermos verdadeiros discípulos e testemunhas do vosso Reino. Precisamos de vossa força. Queremos lembrar vossas palavras: “Não tenhais medo”. Compadecei-vos de nós e renovai em nós o vigor e a alegria de seguir-vos, sabendo que nunca nos deixais sozinhos. Amém!

Nosso compromisso com a Palavra:

Sair ao encontro das pessoas, famílias, comunidades para partilhar o encontro com Cristo;

Trabalhar para que o Reino esteja cada vez mais presente entre nós, até naqueles que estão distantes da influência do Evangelho ou que ainda não experimentaram o dom da fé. Ver como cada um de nós e nossa comunidade pode fazer isto.

Tarefa para a equipe: Preparar uma celebração animada e bonita para o encerramento do mês da Bíblia.

Canto: Eu Creio num mundo novo (ou outro, de esperança e compromisso) Bênção


Queridos animadores e animadoras dos Círculos Bíblicos, o Mês da Bíblia é um tempo favorável. “A Palavra está perto de ti: em tua boca, em teu coração!” Esforcemo-nos.

Ir. Cristiana e equipe das comunidades.

________________________________________________________________________



Círculos para o mês de JUNHO/2012



23º- Círculo - Conflitos e mais conflitos! - Mc 2,13-28




Ambientação: A equipe responsável prepara, de acordo com o tema ou com o texto do evangelho.



Acolhida:1. Um canto inicial (à escolha) 2- Criar um bom ambiente. Dar Boas vindas, acolhendo bem a todos. Colocar as pessoas à vontade, sempre em círculo para facilitar a comunicação e a partilha. 3. Chamar atenção para a ambientação. 4. Invocar o Espírito Santo, com um canto ou oração



1. Abrir os olhos para ver

Hoje, vamos ver de perto três conflitos entre Jesus e as autoridades. São conflitos em torno de alguma prática religiosa da época: Jejum, pureza, guardar o sábado. Colocados em termos de hoje, seriam conflitos como estes: casamentos de pessoas divorciadas, amizades com prostitutas e homossexuais, comungar sem estar casado na Igreja, faltar à missa no domingo, não fazer jejum na Sexta-feira santa. Vamos conversar sobre isto.

1. Quais os conflitos em torno de práticas religiosas que, hoje, trazem sofrimento para as pessoas e são motivo de muita discussão e polêmica?.

2. Qual a imagem de Deus que está por trás de todos esses preconceitos, normas e proibições?

2- Despertar o ouvido para escutar

1-Chave de Leitura - Vamos escutar o texto como se estivéssemos lá na Galiléia, ouvindo Jesus falar ao povo, e como se estivéssemos presentes no meio dos conflitos entre Jesus e as autoridades. Durante a leitura, vamos prestar atenção nestes dois pontos: Quem é que provoca o conflito? E qual o assunto do conflito entre Jesus e os seus adversários?

2-Canto de Aclamação. Leitura: Mc 2,13-28 – 1º- Uma pessoa lê devagar. 2º Ler juntos. 3- Momento de silêncio..

Meditação: Perguntas para ajudar a refletir:

• Recontar o texto em mutirão – observando o começo, o meio e o fim.

• Qual o ponto deste texto de que você mais gostou ou que mais chamou a sua atenção? Por quê?

• Quais os conflitos que aparecem no texto, e quem os provoca? Quais as causas destes conflitos?

• Como Jesus reage em cada um destes conflitos?

• Como entender a frase de Jesus: ”Não colocar remendo de pano novo em roupa velha”?

• Qual a mensagem que você tira de tudo isto para as nossas comunidades de hoje?

3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida

1-Contemplação: (em silêncio - O animador conduz este momento de uma maneira orante).

Coloque-se na presença de Deus. Sinta a sua respiração. Imagine a cena: Olhe a multidão indo até Jesus. Coloque-se no meio daquela multidão. Aprecie os gestos de Jesus quando ele convida um pecador para segui-lo e assenta-se na mesa de refeição, com pecadores e publicanos. Escute o que Jesus fala:

2- Oração partilhada- O que o texto me faz dizer a Deus?.

• Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.

• . Rezar um salmo. Sugestão: Sl. 13 Deus está conosco no meio dos conflitos. Pai Nosso – Canto. Bênção.

AGIR: Aprender com Jesus a libertar-se de preconceitos que dificultam uma boa relação com Deus e com os irmãos e com a comunidade.

Distribuir as tarefas do próximo encontro. Ler em casa: Mc 3,1-12


24º Círculo – Conflito de Vida e de morte - Mc 3,1-12




Ambientação: A equipe responsável prepara, de acordo com o tema ou com o texto do evangelho.

Acolhida: preparada pelo animador - Semelhante ao encontro anterior.

1- Abrir os olhos para ver

O título deste Círculo é “Conflito de Vida e morte”. Viver sem conflito é impossível. O conflito já aparece no próprio nascimento. Nascemos com dor de parto. Os conflitos são muitos; em casa, na escola, no trabalho, na comunidade, na Igreja, na vida pessoal, na sociedade. Conflitos de crescimento, de relacionamento, de idade, de mentalidade... Tantos! Vamos conversar sobre isto.

1.Que tipo de conflito você vive, hoje, na sociedade, na Igreja, na família? Você acha que hoje há mais conflitos que antigamente? Por quê?

2. O que o conflito já ensinou a você nestes anos todos?

2- Despertar o ouvido para escutar

1-Canto de Aclamação - 2. Chave de Leitura –

No texto que vamos ouvir, Jesus cura um deficiente físico, provoca um conflito de vida e morte e, em seguida, sai para continuar a sua pregação. Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: Qual a atitude dos adversários e qual a atitude de Jesus frente ao deficiente físico?

2-Leitura do texto: Mc 3,1-12 – 1º- Ler com voz clara e devagar, para que todos possam ouvir bem. - Ler uma 2ª vez, representando os personagens. Em seguida, um instante de silêncio.

3- Vamos partilhar respondendo às perguntas:

• Qual o ponto do texto que você mais gostou ou que chamou mais a sua atenção? Por quê?

• Qual a atitude dos adversários e qual a atitude de Jesus frente ao deficiente físico?

• Qual o ponto central do conflito?

• Jesus ficou indignado e triste diante do silêncio criminoso dos fariseus herodianos. Você já sentiu alguma vez a mesma indignação e tristeza? Quando? Como?

• Como imitar, hoje, aqui no nosso bairro, a atitude de Jesus que diz: “Levanta-te e vem para o meio!”?

 

3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida

Contemplar (Em silêncio - O animador conduz este momento de uma maneira orante)

Atenção à respiração calma e profunda. Fixar os olhos e o coração em Jesus diante do homem de mão seca. Ver o que Jesus diz e o que faz. Contemple... Contemple o homem que ficou curado

Oração partilhada

• Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.

• Cada um pede o presente que esta passagem do Evangelho quer lhe dar. Hoje esse presente é a indignação de Jesus diante da dureza dos corações e a coragem de fazer o bem.

• Rezar o Salmo 142 – prece de um excluído, abandonado por todos.

• Pai Nosso – Bênção. Canto Final.

Agir:. Procurar evangelizar na sua comunidade, através dos Círculos Bíblicos. Anotar o texto 3,13-35, para ler em casa. Dividir as tarefas.



25º Círculo: Seguir Jesus e formar com ele



uma nova família Mc 3,13-35




Ambientação – Preparada pela equipe de coordenação, de acordo com o texto e com o tema.

Acolhida: 1. Um canto Inicial. 2. Criar um bom ambiente. 3. Dar as boas vindas. 4. Invocar o Espírito Santo

1. Abrir os olhos para ver

O texto que vamos ler tem muitos assuntos: escolha e missão dos discípulos, as calúnias dos doutores, a antiga e a nova família de Jesus, a ação de satanás. Escolhemos o assunto da família. A família! Jesus teve problemas com a família. A família, às vezes, ajuda a gente a viver o Evangelho e a participar da comunidade. Outras vezes atrapalha. Assim foi com Jesus e assim é conosco. Vamos conversar sobre isto.

• A família ajuda ou dificulta a sua participação na comunidade cristã?

• Como você assume o seu compromisso na comunidade sem prejudicar nem a família, nem a comunidade?

2- Despertar o ouvido para escutar

1.Chave de leitura – Na leitura que vamos ouvir, aparecem vários grupos que confrontam com Jesus: os discípulos e as discípulas; os parentes, a família; os escribas, os adversários. Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: Qual a atitude destes três grupos frente a Jesus? Qual a reação de Jesus frente a eles?

2- Canto de aclamação e leitura do texto: Marcos 3,13-35 – Ler duas vezes (de maneira diversificada) 3. Momento de silêncio.

4 - Reflexão e partilha do texto

• Recontar o texto em mutirão – observando o começo, o meio e o fim.

• Qual o ponto deste texto que você mais gostou, ou que mais chamou a sua atenção? Por quê?

• Qual a atitude dos parentes frente a Jesus? Qual a atitude de Jesus frente aos parentes?

• Jesus chama os discípulos. O seu chamado tem uma dupla finalidade. Qual é?

• Qual a atitude dos escribas frente a Jesus? Qual a atitude de Jesus frente a eles?

• O que tudo isso tem a dizer para as nossas relações na família e na comunidade?

3- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

• Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.

• -Cantar um hino ou rezar um salmo. Sugestão: Salmo 101

• - Pai-Nosso, Bênção- Canto final.

Agir: Despertar na minha família o gosto pela Palavra de Deus e pela participação na comunidade.

- Anotar o texto para o próximo encontro – Distribuir as tarefas –



26º Círculo - São João Batista - Lc 1,5-23. 57-66.76-80




Ambientação: Ornamentar com Símbolos de festa Junina. Uma frase que lembra a personalidade ou santidade de São João Batista.

Acolhida: 1. Canto Inicial festivo 2. Criar um alegre ambiente. 3. Dar as boas vindas. 4. Invocar o Espírito Santo.

1. Abrir os olhos para ver

Conversar sobre como nos preparamos para a celebração que faz memória da natividade ou nascimento de João Batista. Qual a especialidade desta festa, para nós? Porque tantos nordestinos que estão fora, programam tirar suas férias e visitar suas famílias nestes dias? Vamos conversar sobre isto.

2- Despertar o ouvido para escutar

1.Chave de leitura –

Chamado desde o seio materno. Assume a missão com coragem. É o primeiro profeta depois de muitos séculos de silêncio. Prepara o caminho do Senhor. Vamos ouvir o texto que narra a natividade de São João Batista. Prestar atenção e perceber a relação entre o nascimento de João Batista e o nascimento de Jesus. Escutar a profecia de Zacarias sobre o seu filho.

2-Canto de Aclamação ao Evangelho – Ler devagar e com atenção o texto. Ler uma segunda vez, todos juntos.

3-Silêncio para interiorização. 4-Perguntas para facilitar a reflexão e a partilha

• Qual o ponto deste texto que você mais gostou ou que mais chamou a sua atenção? Por quê?

• Relembrar o anúncio do nascimento de João Batista. Fazer o paralelo entre o anúncio do Nascimento de João Batista e o de Jesus, destaque as semelhanças e diferenças.

• O que Zacarias profetiza sobre o seu filho, nos versículos 76 a 79?

• O que você sabe sobre a missão específica de João Batista?

• O que a missão de João batista tem a ver com a missão da comunidade hoje?

• João Batista foi um grande profeta. Como você sente a missão profética dos cristãos, hoje?

3- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

1-Contemplação – (Em silêncio - O animador conduz este momento de uma maneira orante). Atenção à respiração calma e profunda. Contemplar João Batista preparando o caminho de Jesus. Jesus mesmo disse um dia: ninguém foi maior do que João Batista. Sentir-se neste caminho e nesta missão de preparar o caminho do Senhor, hoje. Agradecer e pedir para toda a Igreja o vigor missionário - profético.

2- Oração partilhada: Colocar em forma de prece aquilo que refletimos sobre o Evangelho e sobre a nossa vida.

3 - Rezar ou cantar o Benedictus – (Bendito Seja o Senhor Deus de Israel) ou um canto a São João Batista.

4- Pai-Nosso Bênção

Agir- Dividir as tarefas do próximo encontro- Trazer a Bíblia. Fazer algo concreto, individual ou com o grupo, preparando hoje o caminho do Senhor.

Desejamos aos que estão evangelizando através dos Círculos Bíblicos, um bom trabalho. Pela Equipe das Comunidades - Ir. Cristiana
_________________________________________________________________________


19º Círculo – Semana 6 a 12 /05

“Permanecei em Mim, é teu pedido, Senhor
Eu ficarei em vós, é tua promessa de amor” Jo 15,1-8

Ambientação: Um vaso com uma planta frondosa.  Frase: “Que minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa.”  
Acolhida: Preparar com antecedência o local do encontro. Receber as pessoas com alegria e simplicidade. Incentivar com jeito a participação de todos, sobretudo dos novos participantes e visitantes. O melhor é ambientar as pessoas de forma mais circular possível.
 – Invocação ao Espírito Santo – Canto ou oração a Nossa Senhora. Chamar  atenção para a ambientação.
1-    Abrir os olhos para ver –
Recordar e partilhar fatos da semana e experiências vividas. Podem ser fatos da vida pessoal, família, ambiente de trabalho. O importante é não desligar o Círculo Bíblico da vida concreta de todos os dias.
·         Já aconteceu de semear ou plantar uma árvore e esperar em vão frutos ou flores? Qual é nossa reação?
·         Já aconteceu ajudar a uma pessoa, educar alguém mais jovem, mas não corresponder ao que se esperava? Qual foi a nossa atitude?
·         O que a participação em comunidade trouxe de positivo para a minha vida?

2-     Despertar o ouvido para escutar Deus –
Leitura Jo 15, 1-8 - Ler pausadamente: com recolhimento, prestando atenção no convite-proposta de Jesus.
-Um leitor proclama, de maneira bonita e clara, o Evangelho.
-Todos leem juntos. Após a leitura, um instante de silêncio.
- Cantar: “Eu sou a videira, vocês são os ramos...
- Cada um repete a frase ou a palavra que mais sentiu próxima, a que mais o tocou.
- Ver a palavra que mais é repetida neste texto. O que significa esta repetição?
Meditar a Palavra: - Vamos ver no vers.1 o que Jesus diz aos seus discípulos de ontem e de hoje”?. Repetir a frase.
- A mesma vida- a mesma seiva vital circula em Jesus e na Igreja, formando uma só planta (“Corpo de Cristo”, vai dizer São Paulo).
·         Você já parou para pensar nessa união profunda que existe entre nós e
Jesus, por pura graça, puro amor de Deus? Conversemos um pouco sobre isto.
·         Esta união- que só a graça torna capaz - é feita de adesão à pessoa de Jesus, de amor à pessoa de Jesus, de cumprimento de suas palavras. Vamos conversar um pouco sobre nossa adesão a Jesus, nosso amor  a Jesus, nossa vivência das suas palavras.
·         Como a vida de Jesus pode circular em mim e entre os membros da comunidade?  Quais seriam os frutos para a nossa sociedade?
·         O que a comunidade nos oferece para permanecer no amor de Jesus? Nós aproveitamos destes meios?
3. Rezar a Vida - O que este Evangelho me faz dizer a Deus?
·         Cada um pede o que para ele é mais importante.
·         Cada um pede o que esta passagem do Evangelho lhe quer dar. Hoje, esse presente é o que a palavra de Jesus faz em nós (poda, limpa, purifica), ramos da videira, que é Jesus. (Em silêncio, mas, de preferência em voz alta, pois é importante que todos participem).
·         Preces espontâneas - Canto (à escolha).   
·         Oração ou canto a Nossa Senhora, que permaneceu unida à Videira.        Bênção.
Agir – Esforço de todos nós para que nossa comunidade produza frutos, que deem testemunho da nossa vida em Cristo.
-Preparar o próximo Círculo, distribuir as várias tarefas da ambientação da acolhida, da leitura, cantos, oração.  Ler em casa: Jo 15,9-17


20º CÍRCULO Semana de 13 a 19 /05

Evangelho- Jo 15,9-17
A novidade de vida que Jesus veio trazer

Ambientação: Gravuras, símbolos, gestos que nos revelam a face amorosa de  Deus.  
Acolhida.  Semelhante a do encontro anterior
Oração Inicial – Invocação ao Espírito Santo – Um canto que expresse o sentido do amor.
I. Abrir os olhos para ver – Partir da realidade
O sentido que se dá à palavra “amor não é sempre o mesmo. Ela faz parte da linguagem romântica dos poetas e dos namorados, da linguagem mística e ética da religião e também da linguagem ambígua das novelas e outros meios de comunicação.
AMOR é também uma realidade conflitiva e dialética. Pode ser vivida como a força mais libertadora e transformadora da pessoa humana ou como força assistencialista e geradora de dependências.
1-Como a palavra “amor” é interpretada:
- Nas novelas, vídeos, filmes?
- Na sociedade?
- Na vida cristã – comunidades de fé.
2- Que conseqüências e desafios decorrem das diferentes interpretações?
II. Despertar o ouvido para escutar
Leitura: J0 15,9-17 Ler e escutar prestando atenção na novidade de vida que Jesus veio trazer.  
- Um leitor- proclama O Evangelho pausadamente
- Leitura orante comunitária do texto - (todos leem juntos) - Um instante de silêncio.
- Cada um repete a frase, a palavra que mais sentiu próxima, a que o tocou.
Meditação:
·         Vamos fazer uma pequena e rápida pesquisa no Evangelho de hoje: Quantas vezes aparecem o verbo “amar” e a palavra “amor”? Quantas vezes Jesus usa a palavra “amigos”? Será que esse simples levantamento ajuda a achar o centro do Evangelho de hoje?
·         A união com Deus- com Jesus, mais concretamente – não é um sentimento vago, uma reflexão esotérica ou uma iluminação intelectual. A união com Deus é vida concreta, gasta no amor pelos irmãos e irmãs. Se a medida é essa, a quantas anda a minha união com Deus?
-No fim de sua missão neste mundo Jesus pôde dizer: “Como o Pai me amou, também eu vos amei, permanecei no meu amor” Jo 5,9
·         Qual a mensagem que Jesus nos deixa com este seu testemunho e convite?
·         Como o mandamento do amor ilumina nossa prática na vivência na família, no trabalho, na sociedade?
·         A partir do mandamento do amor que Jesus viveu e nos deixou como herança, avaliemos nossas relações para que sejam mais humanas e  mais  fraternas.
3- Rezar a vida- O que o texto me faz dizer a Deus
Contemplação Em silêncio, colocar-se na presença de Deus. Usar a imaginação e contemplar a nossa família, a cidade, o mundo vivendo hoje o Novo Mandamento de Jesus. (Um instante de silêncio)
·         Cada um pede a Deus o que para ele (a) é mais importante
·         Cada um pede o presente que esta passagem do Evangelho lhe quer dar. Hoje este presente é o amor que Jesus vive até à  entrega da vida.
·         Preces espontâneas.
·         Invocar Nossa Senhora, com um canto ou uma oração. Pedindo a graça de viver este Evangelho como ela soube viver. Bênção.
Agir—Treinar para estar sempre na disposição de Criar clima de amizade entre as pessoas da sua convivência.
Organizar a dinâmica do próximo encontro, dividindo bem as tarefas, Ler em casa ---At.1,12-14.

21º Círculo Semana 20 a 26 /05

JUNTO COM MARIA, MÃE DE JESUS! – AT 1,12-14

AMBIENTAÇÃO: Colocar no centro, ao lado da Bíblia, a imagem de Nossa Senhora e uma foto da Comunidade.
ACOLHIDA: alegre, incluindo os novatos, os visitantes. Chamar atenção para a presença da Imagem de Nossa Senhora – o mês de Maio.
Oração inicial: Invocação ao Espírito Santo, pedindo sua luz, a fim de ter abertura e docilidade, como Maria. Um canto ou uma oração a Nossa Senhora, que ouviu e guardou no seu coração a Palavra de Deus.
1-Abrir os olhos para ver: Partir da realidade
Vamos conversar sobre o que nos ajuda a tornar realidade os nossos sonhos de vida na família  ou em comunidade., O que fortifica a nossa esperança. Vamos falar da nossa experiência neste sentido, para nos ajudarmos mutuamente.
Canto: Eu quero ver / eu quero ver, acontecer!
2-Despertar os ouvidos para escutar -
Leitura: At 1,12-14 - Ler pausadamente, reler para conhecer bem o que está escrito até assimilar o texto tal como ele é, sem interpretações precipitadas, sem achar que já conhece o texto. Ver o que o texto diz.
·         Dois leitores intercalados- Cada um lê um versículo.
·         Ler uma 2ª vez, juntos.
·         Pequeno silêncio diante do texto
ECO- ( è uma oração de repetição, de gotejo, de um ir compenetrando-se da palavra, deixando que ela vá inundando o nosso coração.)
·         Cada um repete a frase ou a palavra que mais sentiu próxima, a que mais o tocou.(Repeti-la, mesmo que outras pessoas já a tenham dito)
·         Leitura pessoal: Degustar a Palavra, saboreá-la: ela é encontro com o Senhor.
Meditação e partilha-
·         Em que momentos se situa esta passagem? Onde os discípulos estão? Qual é a situação?
·         O que indica o versículo 14? O que esta atitude dá a entender? Que importância tem este fato?
·         O que quer transmitir para nós o fato de todos permanecerem “em comum”? Como podemos nós hoje alcançar união e fraternidade?
·         O que manifesta o fato de Maria estar com os discípulos esperando o Espírito Santo?
3 – Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
Contemplação:  1- Colocar-se na presença de Deus . 2- Usar a IMAGINAÇÃO, visualizar a cena ( Olhar para os discípulos que estavam em oração. Focar-se em Maria; ver sua atitude para com os discípulos, sua presença no meio deles; sentar-se ao lado dela e observar suas reações.
·         O que tenho em meu coração e gostaria de dizer a Deus?
·         Vamos completar estas preces:
- Senhor Jesus, obrigada por........
- Senhor, peço - te .....
- Senhor, ajuda - me...
Atuar Ação - O que vou fazer?  Como levar isso para a minha vida?
-Qual deve ser a minha atitude para imitar Maria a Mãe de Jesus?
Bênção – Canto Final


22º CÍRCULO - Semana 27 de Maio a 02 de Junho

O Envio do Espírito – Pentecostes At 2,1-24

AMBIENTAÇÃO: Símbolos de Pentecostes – Ações, acontecimentos em que percebemos  a presença do Espírito Santo.
ACOLHIDA: Com entusiasmo... Canto. Fazer memória do encontro anterior, lembrando nosso agir. Invocar o Espírito Santo
1-Abrir os olhos para ver-
No círculo de hoje vamos meditar sobre a vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes. Hoje também acontecem muitos Pentecostes, momentos fortes da caminhada, momentos de tomada de consciência, de luta, de descoberta, de testemunho.  Tantos momentos! Sempre de novo, sem parar, o Espírito Santo faz nascer e renascer a Igreja, as Comunidades!
·         Houve algum fato na vida da sua comunidade em que vocês reconheceram a presença e a ação do Espírito Santo? Conte.
·         Já aconteceu alguma vez algo assim na sua vida pessoal?
2-Despertar os ouvidos para escutar
Ler pausadamente: observar as várias formas ou símbolos com que o Espírito Santo se manifesta. Ouvir como Pedro procura dar a explicação correta do acontecimento e como ele revela o apelo de Deus.
·         Leitura do texto: At 2,1-24
·         Ler juntos devagar
Meditação Partilhada
·         Qual o ponto deste texto de que você mais gostou ou que mais chamou a sua atenção?
·         Quais as várias formas ou símbolos em que o Espírito santo se manifesta?
·         Que transformações acontecem na vida de todos os discípulos e discípulas que estavam reunidos em oração esperando a promessa de Jesus?
·         Como o povo reage frente à ação do Espírito Santo e como Pedro ajuda o povo a superar a interpretação errada que alguns deram?
·         Como este texto pode ajudar-nos a perceber a ação do Espírito em nossas comunidades?

3-    Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida

1-    Contemplação- Em silêncio, colocar-se na presença de Deus. Usar a IMAGINAÇÃO, visualizar a cena dos discípulos e discípulas reunidos. Deter-se na ação do Espírito Santo. Abra o seu coração, Deixe o Espírito de Deus invadir e agir na sua vida... Agradeça..
2-     Rezar na bíblia o Sl 62: O Espírito de Deus me infunde firmeza e confiança
3-    Canto- Bênção
Preparar o próximo encontro – Distribuir as várias tarefas da acolhida, da leitura e das perguntas. Ler em casa:

Continuemos com perseverança, passo a passo...

Ir. Cristiana.


________________________________________________________________________

Círculos Bíblicos - Abril/2012

Sugestão de Celebração
Confraternização Pascal
Para este encontro, os animadores dos Círculos Bíblicos preparem, a nível de grupo ou de comunidades, ou de  paróquia, conforme a realidade, uma bonita e alegre Confraternização Pascal.
Sugestão para a equipe:
Ambientação: Preparar um ambiente alegre com mensagens de Páscoa, Ressurreição, Vida Nova! Música e cantos pascais, criando um ambiente festivo e fraterno.
Acolhida - Uma acolhida própria, de uma comunidade pascal
Partilhar - nossa experiência vivida neste tempo da Quaresma - Tríduo Pascal - Campanha da Fraternidade.
Confraternizar – Música, bolo, biscoitos, refrigerantes simbolizando nossa alegria pascal, nossa Festa de Comunidade, que é lugar onde nasce e cresce a fé.

15º Encontro Jo 20, 1-9 – Semana de 8 a 14 de Abril
O amor tem pressa, vê os sinais deixados no caminho
e   dá o passo da fé
Acolhida – Preparar com antecedência o local da reunião. Receber as pessoas com alegria e simplicidade. Incentivar com jeito a participação de todos, sobretudo dos novos participantes.
Oração inicial – Invocação ao Espírito Santo.  Canto

 1. Abrir os olhos para ver – Vamos falar sobre os fatos da última semana que consideramos mais importantes. Podem ser fatos da vida pessoal, da família, da comunidade. O importante é não desligar o Círculo bíblico da vida concreta de todos os dias.
 2. Abrir os ouvidos para escutar
Canto de Aclamação – Ler Jo 20,1-9 – Parar reparar o coração, um momento, em silêncio – Respiremos lentamente - Cada um convence-se de que encontrará o Senhor.-  Cada um pede perdão pelas ofensas feitas e perdoa de coração as ofensas recebidas. Cada um se coloca na presença de Deus.
Partilhar a Palavra:
Maria Madalena, no primeiro dia da semana, bem de madrugada, enquanto ainda estava escuro, vai ao túmulo e vê que a pedra foi retirada. Vamos prestar atenção nos vários elementos desta descrição: primeiro dia da semana- bem de madrugada- ainda estava escuro- a pedra estava rolada.  O que cada um desses elementos nos fala?   Vamos conversar sobre isto.
Pedro e João (o “Outro discípulo”) vão ao túmulo. A narração nos conta que a ida de cada um e a reação de cada um foram diferentes.  Quais são essas diferenças? Vamos conversar.
·         O que a experiência de Maria Madalena pode nos ensinar?
·         O que a reação de Pedro pode nos ensinar?
·         O que a atitude de João nos ensina?
·    O evangelho de hoje coloca vários presentes à nossa disposição. Quais são estes presentes?
 3- Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
Pedir o presente que esta passagem do Evangelho lhe quer dar.
·     Maria Madalena chega ao túmulo de madrugada. Para que, em nosso coração, quando estiverem misturadas a luz do amor e a dor por não encontrar Jesus, corramos do mesmo jeito ao seu encontro, rezemos ao Senhor.
·        Maria Madalena percebe que a pedra foi rolada. Para que, ao percebermos ainda que seja um pequeno sinal da ação de Deus em nossa vida, abramos o nosso coração para acolhê-la, rezemos ao Senhor.
·      Entre os vários presentes deste Evangelho vamos pedir o amor do discípulo que vê e crê, rezemos ao Senhor.
·         Preces espontâneas: cada um pede a Deus o que para ele é mais importante.
Compromisso
Animar-nos mutuamente para que possamos crescer na intimidade com Deus e na missão. Trazer a Bíblia, no próximo encontro.
Canto e Bênção Final

16º Círculo semana de 15 a 21 de Abril
Dá-lhes a Paz. Envia-os em missão - Jo 20, 19-31
Ambientação- Recortes de jornal ou fotos representando vivência de comunidade: solidariedade, partilha, alegria...
Acolhida - Canto de Páscoa.  Receber as pessoas com alegria e simplicidade... Incentivar com jeito a participação de todos, sobretudo dos novos participantes.
1-     Abrir os olhos para ver-
Vamos conversar sobre os fatos da última semana, que consideramos mais importantes. Podem ser fatos da nossa vida pessoal, da nossa família, do trabalho, da comunidade, do país, do mundo. O importante é não desligar o Círculo bíblico da vida concreta de todos os dias. Partilhar também a vivência do compromisso que assumimos no encontro anterior.
2 – Despertar os ouvidos para escutar

Canto de Aclamação – Ler Jo 20, 19-31 - Fiquemos um momento em silêncio, respiremos tranquilamente. Cada um convence-se de que encontrará o Senhor. Cada um pede perdão pelas ofensas feitas e perdoa de coração as ofensas recebidas. Cada um se coloca  na presença de Deus.
Chave de leitura: - No Evangelho de hoje, Jesus repete duas vezes: a paz esteja com vocês”.  A paz é a plenitude da bênção messiânica, é o dom de Jesus.  (“Eu lhes dou a minha paz), o amor que vence o ódio (“tenham confiança: eu venci o mundo”.)  O que é a paz para você?Conversar.
 Jesus comunica o seu espírito aos discípulos. Quando é que a gente tem o Espírito de Jesus?  Vamos dar alguns exemplos concretos.
 Os Discípulos devem continuar a missão de Jesus. Temos consciência de que ser cristão é ser continuador da missão de Jesus? Como é isso?
. Vamos continuar nossa partilha:
·   Que palavras e ensinamentos de Jesus dão forças para as comunidades saírem de si mesma se lançarem em missão, no início do cristianismo?
·         O que posso fazer para ser como Jesus, que ficou de pé no meio dos discípulos? Qual a minha posição na vida? Qual a minha posição na Igreja?
·     O que faço que me torna  como Tomé, que só crê quando vê e toca e, sobretudo, não acredita no testemunho dos seus companheiros?
·         O que foi exigido de Tomé para que começasse a viver como ressuscitado?
·         O que quero fazer para passar pela transformação pela qual passou Tomé?
3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.
Cada um pede o presente que esta passagem do Evangelho lhe quer dar. Hoje esse presente é o que Jesus Ressuscitado faz nessa narração.Vamos fazer nossas preces.
  Para que o Pai nos torne como Jesus – que entrou, mesmo estando as portas fechadas; que ficou de pé; que se colocou no meio! - Para sermos portadores de vida, rezemos ao Senhor.
·         Que não sejamos como Tomé, que não acreditou na palavra de seus companheiros e precisou ver para crer, rezemos ao Senhor.
·      Tomé deu o passo que todos somos chamados a dar: da incredulidade à fé. Que a graça nos torne capazes de crer no Cristo Ressuscitado, rezemos ao Senhor. 
A   missão de Jesus hoje está em nossas mãos. Que estejamos abertos ao Espírito Santo e aos sinais dos nossos tempos, para sermos fiéis a Jesus e à humanidade, rezemos ao Senhor.
·        Outras preces espontâneas. - Pai-Nosso – Canto - Bênção
Compromisso: Fortificar nossa fé, como fez Tomé, nos integrando na comunidade, que é lugar de encontro com Deus e com os irmãos na fé. Lembretes: Lembrar o dia e o local do próximo encontro. Dividir as tarefas.

17º Círculo – Lc 24,13-35 - Semana de 22 a 28 de Abril
Ressuscitar e voltar a Jerusalém
Acolhida e Oração – Alegre e fraterna. Ver se há pessoas novatas, apresentá-las e acolhê-las.  Canto.  Oração– Invocação ao Espírito Santo.
1-    Abrir os olhos para ver:
Conversar sobre situações que hoje nos impede de enxergar melhor a realidade, nos levam ao desânimo e nos impedem de levar adiante a nossa participação e o anúncio do Evangelho.
2-    Despertar os ouvidos para escutar
Canto de Aclamação – Ler Lc 24, 13-35-
Fiquemos um momento em silêncio, respiremos tranquilamente. Cada um convence-se de que encontrará o Senhor. Cada um pede perdão pelas ofensas feitas.  Cada um perdoa de coração as ofensas recebidas. Cada um se coloca  na presença de Deus.
Chave de Leitura - Os discípulos de Emaús deixavam Jerusalém, onde com a morte de Jesus, morreram suas esperanças. Conversavam sobre os tristes acontecimentos que haviam desabado sobre suas cabeças: a prisão, o julgamento, a condenação à morte, a vergonhosa morte na cruz. “Nós pensávamos que ele ia libertar Israel, mas...”
- Há situações que nos põem na mesma situação destes discípulos. Vamos lembrar algumas delas?
Também nós às vezes, perdemos a esperança. Como é isso?  Lembramos alguma situação em que vimos morrer a esperança dentro de nós?
Continuemos nossa partilha
O que chamou mais a sua atenção neste Evangelho?
·         Para você, o que animou, aqueceu o coração e abriu os olhos dos Discípulos?
·         Em que “lugares”, ainda hoje, podemos encontrar Jesus vivo, ressuscitado?
·         Onde você encontra a esperança quando parece não haver mais saída
·         Como você entende a expressão ressuscitar e voltar a Jerusalém. (Vers. 33-35)?

r      Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.
·         Cada um pede a Deus o que é mais importante.
·         Cada um pede o presente que esta passagem do Evangelho lhe quer dar. Hoje este presente é: “Abre, Senhor, os meus olhos para ver-te. Abre, Senhor, o meu coração para acolher-te.
·         Abre, Senhor, nossos olhos para vermos saída onde ninguém mais vê. Todos - Abre, Senhor!
·         Abre, Senhor, nosso coração para darmos não apenas coisas, mas a nós mesmos.  Todos - Abre, Senhor!
·         Abre, Senhor, os caminhos deste mundo para a justiça, a solidariedade e a paz. Todos - Abre, Senhor!
 Pai Nosso - Canto – Bênção - Para o próximo encontro: Ler Jo 10,11-18

18º- Círculo - Semana de 29/ 4 a 7 de Maio
O Bom e Belo Pastor: Jesus de Nazaré J0 10,11-18
Ambientação: Apresentar a gravura do Bom Pastor – O Plano Diocesano de Pastoral da Diocese – 2.012 -2.015
Acolhida e Oração– Palavras acolhedoras de boas vindas. Partilhar as experiências vividas na semana. – Invocar a presença do Espírito Santo com um canto ou uma oração.
1-Abrir os olhos para ver
Se olharmos para a nossa realidade, vemos que a vida está muitas vezes ameaçada por tantos “ladrões” e “lobos” que vêm para dispersar ou tirar proveito próprio. È Como Jesus fala no Evangelho.
O documento dos bispos brasileiros sobre “Ética e Sociedade” alerta para grandes perigos que ameaçam a vida do nosso mundo; o perigo da miséria e da fome, o perigo genético da manipulação da vida humana; o perigo atômico ou nuclear, o perigo do desequilíbrio ecológico. Ainda lembramos a Campanha da Fraternidade de 2011. 
Partilhar alguns fatos concretos que revelam a negação de uma vida digna para tantas pessoas no nosso contexto. Diante desta realidade, reagimos como pessoas ressuscitadas? 
Reconhecer: Quem são os “ladrões” e “lobos que ameaçam e massacram a vida e Quem são os “pastores’ que cuidam e defendem a vida ameaçada hoje?
2-    Despertar os ouvidos para escutar
Chave de leitura – No Evangelho que vamos ler, Jesus se auto-proclama “bom Pastor”, aliás “belo pastor “. Ele o diz duas vezes, que dá a vida em favor das ovelhas. (Cf, Jo.10,11) . Ele diz isto para aqueles fariseus “cegos” que pretendem ser “guias” “dirigentes do povo”. Ele quer iluminá-los, mostrando a feiúra das atitudes deles e a beleza das suas. Vamos aproveitar este texto para uma avaliação do nosso próprio “pastoreio” Pastorear significa cuidar, zelar a vida. Vamos aproveitar este texto hoje para fazer uma avaliação do nosso próprio “pastoreio.”
-Como vai o meu pastoreio comigo mesmo, em casa no meu ambiente de trabalho, estudos, quando descanso ou me divirto, na comunidade, na pastoral. Será que eu posso dizer “eu sou um bom, aliás, um belo pastor? 
Canto de Aclamação.  Ler devagar o texto: Jo 10,11-18–
Fiquemos um momento em silêncio, respiremos tranquilamente. Cada um convence-se de que encontrará o senhor. Cada um pede perdão pelas ofensas feitas. Cada um perdoa de coração as ofensas recebidas. Cada um se coloca na presença de Deus.
Vamos partilhar o Evangelho:
·         O que mais chama a sua atenção no texto?
·         Devo fazer o que para ser como Jesus, o bom / belo pastor?
·         O que estou fazendo para conhecer as pessoas da minha convivência e ser conhecido por elas?
·         Minha opção fundamental é dar a minha vida ou guardar a vida em minhas mãos.
·         Qual a experiência de Deus apresentada por Jesus neste texto?

3-    Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
 Preces: - Cada um pede a Deus o que para ele (a) é mais importante.
-Peça o presente que esta passagem do Evangelho quer lhe dar. Hoje esse presente é o que Jesus faz por suas ovelhas.
- Para que alimentemos em nós a mesma disposição de Jesus, de dar a vida pelas pessoas. Rezemos ao Senhor.
- Para que nos tornemos como Jesus, que não abandona as ovelhas, que as conhece, que é conhecido por elas, que dá a vida para salvá-las. Rezemos ao Senhor.
- Para que o Pai envie à sua Igreja os pastores de que ela necessita para cumprir sua missão no mundo de hoje, rezemos ao Senhor.
Cantar o Sl 23 - Bênção.
Compromisso- Rever o nosso modo de relacionar e de trabalhar em comunidade: Buscar maior inclusão das pessoas. Cultivar em nós o coração do Bom Pastor.
Lembrete: Dividir as tarefas do próximo encontro.


__________________________________________________                                  

MARÇO - 2012

6º Círculo
Vida e Missão de Jesus - Espelho para nossa
Vida e missão! Mc 1,29-39

Ambientação: Bíblia, espelho, objetos úteis à missão.
Acolhida:
Anima: Irmãos e irmãs sejam bem-vindos. Vamos acolher com alegria a Deus.
Todos: Na presença do Senhor, deixemos que a Trindade Santa nos toque. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Canto: (à escolha)

1-Abrir os olhos para ver 

Vamos olhar os objetos que estão sobre a mesa. Colocamos também um espelho. Valorizamos muito o espelho. Sempre nos olhamos nele para ver se estamos bem, para nos apresentarmos diante das pessoas. Isto faz parte da nossa auto-estima. Santa Clara faz uma bonita comparação. Para ela, Jesus é o espelho sem mancha e nos diz: “Olhe dentro deste espelho todos os dias  e espelhe nele, sem cessar, o seu rosto”. Nosso encontro de hoje, nos leva a refletir e rezar nossa vida e missão nas comunidades, nos espelhando em Jesus. Vamos conversar sobre isto.
  • .Olhando neste espelho, percebemos em nós e na nossa comunidade os traços de Jesus, a sua trajetória?
  • Como você se percebe e percebe a sua comunidade, com relação à restauração da vida e ao acolhimento aos marginalizados?

2-Despertar o ouvido para escutar
1 Canto de Aclamação ao Evangelho
2-Chave de Leitura:
Vamos escutar observando o seguinte: Jesus restaura a vida para a missão, acolhe os marginalizados, permanece unido ao Pai pela oração, mantém viva a consciência da missão.
3-Leitura do texto: Marcos 1, 29-39.  Quem trouxe a Bíblia, acompanhe na sua Bíblia.
4-Momento de silêncio, para interiorizar o que você ouviu.
5-Momento de Partilha.
  • Qual o ponto deste texto de que você gostou mais?
  • Como aparece neste texto a Boa Nova de Deus e o que ela quer atingir na vida da gente?
  • Olhando os pontos da trajetória de vida e de missão de Jesus, qual deles preciso trabalhar mais para caminhar com Jesus?
  • Quando nos deparamos com as fragilidades e limitações da vida, somos tentados ao desânimo. No entanto, na perspectiva da fé, nossa fragilidade é convite á liberdade plena, para que testemunhemos o amor de Deus no serviço do seu Reino. Como isto está acontecendo na sua vida?

3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
  • O que esta reflexão de hoje me leva a falar com Deus: louvar, pedir ou agradecer? Faça isso no silêncio do seu coração.
  • Rezar o Salmo 147,1-6 Refrão: Louvai a Deus, porque ele é bom e conforta os corações. (Repetir este refrão em cada estrofe do Salmo.)
  • Na disposição de servir, e incluindo todos os marginalizados, vamos rezar a oração de Jesus.
Sugestões para o próximo encontro: - Marcar a casa – Distribuir as tarefas –
Anotar o Evangelho da próxima semana, para ler em casa: Marcos 1,35-45
Canto final - Desejar uma feliz semana caminhando com Jesus.


7º Círculo

Não voltar atrás no Anúncio da Boa Nova
Manter viva a consciência da Missão! Marcos 1,35-45

Acolhida: Boas vindas – Colocar as pessoas à vontade.
Anim.   Irmãos e Irmãs, vamos refletir sobre a consciência da Missão e rezar pedindo, para toda a Igreja, a graça de avançar no anúncio da Boa Nova.
Todos: Na presença do Senhor, deixemos que a Trindade Santa nos toque. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Canto: (à escolha)

1-Abrir os olhos para ver
Neste Círculo vamos ver como Jesus acolhe um leproso. Naquele tempo, os leprosos eram as pessoas mais excluídas da sociedade, evitadas por todos. O medo do contágio levava os outros a isolá-los. Além disso, a religião da época ensinava que um leproso era impuro diante de Deus. Por isso, os leprosos não podiam participar de nada. A exclusão e marginalização acontecem também hoje. Vamos conversar sobre isto.
  • Quais são hoje os mais excluídos e os mais evitados na nossa sociedade? Por quê?
  • E na Igreja? Por quê?

2-Despertar o ouvido para escutar
1 Canto de Aclamação
2-Chave de Leitura: Vamos ouvir  como Marcos  continua descrevendo a atividade de Jesus para iluminar a caminhada das comunidades do seu tempo e as de hoje. Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: Como neste texto se expressa o relacionamento de Jesus com Deus, com os discípulos e com o povo?
3-Leitura do texto: Marcos 1,35-45
4-Momento de silêncio, para interiorizar o que você ouviu.
5-Momento de Partilha.
  • Qual o ponto deste texto de que você mais gostou ou que mais chamou a sua atenção?  Por quê?
  • Como neste texto se expressa o relacionamento de Jesus com Deus?
  • Qual o mal-entendido entre Jesus e os discípulos?
  • Como Jesus faz para acolher, curar e reintegrar o leproso? Ver bem todos os detalhes.
  • Como imitar hoje a atitude de Jesus para com os excluídos?
3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
  • O que esta reflexão de hoje me leva a falar com Deus: louvar, pedir ou agradecer? Faça isso no silêncio do seu coração.
  • Rezar o Salmo 125: Quem confia em Deus nunca se abala!
  • Dando um não a todo gesto e atitude de exclusão e um sim  a todo gesto e atitude de inclusão, vamos rezar a oração de Jesus.
  • Canto final (à escolha)
Sugestões para o próximo encontro -
Marcar a casa – Distribuir as tarefas – Anotar o Evangelho da próxima semana, para ler em casa: Marcos 2,1-12
Canto final - Desejar uma feliz semana caminhando com Jesus.


8º Círculo

“Teus pecados estão perdoados!”
Conflito provocado pelo anúncio da Boa Nova – Marcos 2, 1-12

Acolhida: Boas vindas – Colocar as pessoas à vontade.
Animador: Irmãos e Irmãs, vamos refletir sobre a consciência da Missão e rezar pedindo, para toda a Igreja, a graça de avançar no anúncio da Boa Nova.
 Todos: Na presença do Senhor, deixemos que a Trindade Santa nos toque. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Canto: (à escolha)
Invocar a luz do Espírito Santo.

1-Abrir os olhos para ver
Neste Evangelho vamos ver o primeiro conflito que Jesus teve com as autoridades religiosas da época. Jesus teve muitos conflitos porque ele procurava ser fiel ao que Deus e o povo dele pediam. Isso significa que quem for fiel ao anúncio da Boa Nova vai ter conflitos! O primeiro conflito de Jesus com as autoridades tinha a ver com o perdão dos pecados! Jesus disse a um paralítico: “Teus pecados estão perdoados!” Os doutores da lei não gostaram desta afirmação e criticaram Jesus. Existe muita discussão em torno do perdão. Vamos conversar sobre isto?
  • Qual a sua opinião sobre o perdão?
  • Você já teve a experiência de perdoar ou de ser perdoado? Qual foi a conseqüência disto na sua vida?

2-Despertar o ouvido para escutar
1-Canto de Aclamação à Palavra de Deus
2-Chave de Leitura: Vamos ouvir como Marcos continua descrevendo a atividade de Jesus para iluminar a caminhada das comunidades do seu tempo e as de hoje. Durante a leitura, vamos prestar atenção no seguinte: Como neste texto se expressa o relacionamento de Jesus com Deus, com os discípulos e com o povo?
3-Leitura do texto: Marcos 2,1-12
4-Momento de silêncio, para interiorizar o que você ouviu.
5-Momento de Partilha. Perguntas para reflexão:
  • Qual o ponto deste texto de que você mais gostou ou que mais chamou a sua atenção?  Por quê?
  • Em que consiste o conflito? Onde e quando acontece?  Quem o provocou? Qual a causa?
  • O que este texto nos revela sobre Jesus e sobre Deus?
  • Será que existe ligação entre doença e pecado? O que você acha?
  • Qual a mensagem deste texto para a nossa vida pessoal e para as comunidades?

3-Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida
  • O que esta reflexão de hoje me leva a falar com Deus: louvor, perdão ou agradecer?  Faça isso no silêncio do seu coração.
  • Rezar  o Salmo 32:  A confissão dos pecados liberta a pessoa.
  •  Lembrar no silêncio do coração das pessoas a quem precisamos pedir perdão e também das que precisamos perdoar. Vamos rezar a oração de Jesus.
  • Canto final (à escolha)
Sugestões para o próximo encontro
Marcar a casa – Distribuir as tarefas, Anotar o texto da próxima semana, para ler em casa: Eclesiástico 38,1-15
Desejar uma feliz semana- Recomendar a participação na Missa da Quarta Feira de Cinzas. Canto final

9º Círculo
Confia em Deus e procura o médico

Ambientação: Colocar em destaque a Bíblia, vela acesa, cartaz da Campanha da Fraternidade, figuras relacionadas à medicina- remédios e plantas que curam.

Acolhida: palavras de boas vindas – Canto da CF- Oração
Animador:. Estamos vivendo, na nossa caminhada cristã, o tempo da Quaresma.  Que é a Quaresma? É o caminho que nos leva ao encontro  do Crucificado- ressuscitado.Tempo de conversão. A Igreja promove neste tempo a Campanha da Fraternidade como itinerário evangelizador para viver intensamente o tempo da quaresma. Acolhamos Deus presente em nós e entre nós.
Todos: Que a Trindade Santa nos envolva para que seguindo o exemplo de Jesus sejamos solidários no cuidado de nossos irmãos e irmãs, principalmente os enfermos e sofredores. Amém.

1-Abrir os olhos para ver
- Cantar o Hino da Campanha da Fraternidade. De que nos fala este hino? Qual o objetivo deste hino?
 Convidar as pessoas a observarem os objetos que estão na mesa. O que eles representam? Pedir para fazerem  um paralelo entre o cartaz da Campanha da Fraternidade e os demais objetos.

2-Despertar o ouvido para escutar
1-Canto de Aclamação da Palavra
2-Chave de leitura- A opinião do Eclesiástico é muito sensata: Deus é o autor de todo o bem, é ele que nos livra de todo o mal. O serviço do médico, do enfermeiro, agente de saúde, cuidador é, porém, indispensável, pois é do agrado de Deus inspirar o ser humano a encontrar, na natureza, soluções adequadas para resolver as limitações da sua constituição de criatura.
A Sagrada Escritura vê o ser humano como um todo unitário. Cuidar apenas do corpo não é suficiente para a cura. O médico é indispensável, mas a ciência não substitui a fé, nem a vida numa comunidade solidária, nem a conversão da mente e do coração.
3- Leitura do texto: Eclesiástico 38,1-15 Ler devagar. Se for preciso, ler duas vezes. Acompanhar a leitura, na sua Bíblia.
4-Momento de silêncio
5-Partilhar a Palavra ouvida, respondendo as questões:
  • O que mais chamou atenção na leitura do texto?
  • Vivemos em uma sociedade que parece ter perdido a sensibilidade para a dor e o sofrimento. Muitas pessoas morrem, enquanto esperam longo tempo por assistência médica. Como esses comportamentos de insensibilidade influenciam nossa cidade, bairro?
  •  Após reflexão do Hino da CF, do Cartaz do texto Bíblico, que exemplos podemos tirar para a nossa vida?

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.
 A partir da nossa reflexão o que queremos pedir a Deus. Cada pessoa livremente expresse a sua prece a Deus. Rezar juntos a Oração da CF

Compromisso: Quais atitudes concretas podemos ter, que demonstrem nossa fé em Deus unida à luta pelo direito à saúde? Como sair do comodismo e fazer alguma coisa para salvar a vida das pessoas que morrem à